Uma visada anti-humanista: o mal em Crônica da casa assassinada, de Lúcio Cardoso e Memórias de Lázaro, de Adonias Filho / A Anti-Humanist Regard: Evil in Crônica da Casa Assassinada, by Lucio Cardoso, and Memórias de Lázaro, by Adonias Filho

Ludimila Moreira Menezes

Resumo


Resumo: Este artigo busca pensar com Georges Bataille o ethos da dilapidação nos romances Crônica da casa assassinada e Memórias de Lázaro, e explorar como se dá a construção de certa imagística do mal observada nas narrativas, advinda da correlação entre as disseminações do excesso – seja do signo linguístico ou do repertório ético – e as atrações ao risco, à bestialidade como catalisadora de uma dicção anti-humanista. O artigo vislumbra discutir a linguagem literária que se concentra na consumação do mundo ante à preservação, forja-se nos pressupostos da violência e do júbilo aos pares antitéticos da lei e do progresso e que dissemina, em seus projetos ficcionais, falências de regimes morais, utilitaristas desde uma economia – de significâncias – de dissipação da virtude pelas experiências de violações, de transgressões, e, ainda, que faz perviver toda uma tradição literária de matiz anti-humanista que não vislumbra a linguagem em missão salvacionista e edificante do mundo ou do nacional.

Palavras-chave: linguagem; dispêndio; expressionismo; erotismo; anti-humanismo.

Abstract: This article seeks to think with Georges Bataille the the ethos of the dilapidation in the novels Crônica da casa assassinada, and Memórias de Lázaro and to explore how they operate the construction of a certain imagery of evil seen in the narrative, imagery that is originated from the correlation between disseminations of excess, be it of the linguistic sign, the ethical repertoire and the attractions to the risk, even to bestiality as a catalyst of an anti-humanist diction. The article also discusses the literary language that is concentrated in the consummation of the world in place of the preservation, and is forged in the assumptions of violence and jubilation to antithetical pairs of law and progress and it disseminates its fictional projects, the collapse of moral and utilitarian from an economy – of meanings – that dissipate virtues through experiences of violations, of transgressions, and still, that operates the survival of an entire literary tradition of anti-humanist cast that does not see its language in a salvationist and edifying mission of the world or the nation.

Keywords: language; expenditure; expressionism; erotism; anti-humanism.


Palavras-chave


language; expenditure; expressionism; erotism; anti-humanism; linguagem; dispêndio; expressionismo; erotismo; anti-humanismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR FILHO, Adonias. Memórias de Lázaro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

BARBOSA, João Alexandre. A biblioteca imaginária. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BATAILLE, Georges. A conjuração sagrada. Trad. Fernando Scheibe. Acephale, Florianópolis, Cultura e Barbárie Editora, v.1, p. 2-4, 2013.

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BATAILLE, Georges. A parte maldita. Trad. Julio Castañon Guimarães. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BATAILLE, Georges. Teoria da religião. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: ______. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul; São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CARDOSO, Lúcio. Crônica da casa assassinada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

LIMA, Luiz Costa. A análise sociológica da literatura. In: ______. Teoria da literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 2, p. 659-688.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.27.1.197-210

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Ludimila Moreira Menezes



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.