Yãmîy Maxacali: um gênero narrativo de poesia

Charles Bicalho

Resumo


Resumo: Este artigo trata de um gênero da poética maxakali, povo que vive no Vale do Mucuri em Minas Gerais. Os Maxakali falam e escrevem na língua maxakali, do tronco lingüístico macro-jê. Verificamos a existência de um gênero de poesia que agora ganha as páginas de livros publicados. Propomos a transcriação, nos termos da teoria de Haroldo de Campos, como forma de tradução para esta poesia. E reconhecemos o yãmîy como sendo um gênero que se estrutura segundo uma lógica paratática, muito mais que hipotática, o que o aproxima de gêneros tidos como ideogrâmicos. Para tanto, realizamos uma comparação com o gênero de poesia africana oriki.

Palavras-chave: índios; Maxakali; poesia.

Abstract: This article is about yãmîy, a genre of maxakali indigenous literature. The Maxakali people live in the Vale do Mucuri, in Minas Gerais. They speak and write in their own language, called maxakali, which relates to the Macro-Jê linguistic stem. We verify the existence of a poetic genre, which nowadays has been published in books as didactic material for an indigenous educational program. We propose to use “transcriation”, in terms of Haroldo de Campos’ theory, to the translation of yãmîy. We recognize it as being a genre guided by a paratatic logic in its structure, which means it is a ideogrammatic genre like oriki from African culture, “transcriated” by Antônio Risério as well.

Keywords: indigenous people; Maxakali; poetry.


Palavras-chave


índios; Maxakali; poesia; indigenous people; poetry.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Inês. Os índios, seus livros, sua literatura. In: REZENDE, Zelia (Org.). Escola Indígena – índios de Minas Gerais recriam a sua educação. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, abril de 2000, p. 45-65. (Coleção Lições de Minas, v. VI).

ALVARES, Myriam Martins. Yãmîy, os espíritos do canto: a construção da pessoa na sociedade maxakali. 1986. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.

ANTUNES, Marisa Aparecida. Pequeno dicionário indígena Maxakali-Português, Português- Maxakali. Juiz de Fora: [s.n.], 1999.

BARTHES, R. Aula. 6. ed. Trad. e posfácio de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1978.

BICALHO, Charles. Ideogramaxakali – uma poética da língua maxakali. BAY – a educação escolar indígena em Minas Gerais – Revista do Programa de Implantação das Escolas Indígenas de Minas Gerais, Governo de Minas Gerais, p. 120-123, abril de 1998.

BICALHO, Charles. Kax âmiy: Desenhar o som – prefácio. In: MAXAKALI, Professores indígenas. Yãmiy xop xohi yõg tappet: livro de cantos rituais maxakali. SEE-MG e Baí. Set. 2002, p. 4-5.

BICALHO, Charles. Mini-dicionário Maxakali-Português, Português-Maxakali. Fruto de uma pesquisa de iniciação científica desenvolvida com bolsa do CNPq durante graduação na FALE/UFMG, de 1996 a 1998 (impressão de computador).

CAMPOS, Haroldo de. (Org.). Ideograma: lógica poesia linguagem. 3. ed. São Paulo: Edusp, 1994.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem – ensaios de Teoria e Crítica Literária. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1970.

CAMPOS, Haroldo de. Panaroma do Finnegans Wake. São Paulo: Perspectiva, 1986.

CARONE NETTO, Modesto. Metáfora e montagem. São Paulo: Perspectiva, 1974.

CASSIRER, Ernst. Linguagem e mito. Trad. J. Guinsburg e Miriam Schnaiderman. São Paulo: Perspectiva, 1972. (Coleção Debates – Filosofia).

CONSTITUIÇÃO da República Federativa do Brasil. Editada por Antonio De Paulo. 17. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

EISENSTEIN, S. A forma do filme. Apresentação, notas e revisão técnica: José Carlos Avellar. Trad. Teresa Ottoni. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2002.

EISENSTEIN, S. O princípio cinematográfico e o ideograma In: CAMPOS, Haroldo de. (Org.). Ideograma: lógica poesia linguagem. 3. ed. São Paulo: Edusp, 1994. p. 149-166.

FENOLLOSA, Ernest. Os caracteres da escrita chinesa como instrumento para a poesia In: CAMPOS, Haroldo de (Org.). Ideograma: lógica poesia linguagem. 3. ed. São Paulo: Edusp, 1994. p. 109-148.

GÉFIN, Laszlo K. Ideogram – history of a poetic method. Austin: U. of Texas P., 1982.

LÉVI-STRAUSS, C. Eficácia Simbólica In: ______. Antropologia estrutural. 4. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1991.

LÉVI-STRAUSS, C. El Pensamiento Salvaje. México: Fondo de Cultura Econômica, 1984.

LÉVI-STRAUSS, C. Totemismo hoje. Trad. Malcolm Bruce Corrie. Petrópolis: Vozes, 1975.

MÃXAKANI yõg hãm yûmûg ax mai yõg tappet/Cartilha de alfabetização em língua maxakali. Belo Horizonte: SEE/MG, 2001.

MÕNÃYXOP ‘ãgtux yõg tappet/O livro que conta histórias de antigamente. Belo Horizonte: Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais-SEE/MG; Brasília: MEC, 1998.

PEIRCE, C. S. Semiótica. 3. ed. Trad. José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 2005. (Coleção Estudos – Semiótica).

PENÃHÃ – livro de Pradinho e Água Boa. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG/CGEEI/SECAD/MEC, 2005.

PIGNATARI, Décio. Letras, artes, mídia. São Paulo: Globo, 1995.

POPOVICH, Frances B. The social organization of the Maxakali. 1980. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Texas at Arlington, 1980.

POPOVICH, Harold. Maxakali myths on cultural distinctions and Maxakali sense of inferiority to the national brasilian culture. Summer Institute of Linguistics, 1976b.

POPOVICH, Harold. Maxakali supernaturalism. Comunicação ao Summer Institute of Linguistics, 1976a.

POPOVICH, Harold. The sun and the moon. A Maxakali text. In: GUDSCHINSKY, S. C. Estudos sobre línguas e culturas indígenas. Edição especial Summer Institut of Linguistics, 1971.

POUND, Ezra. A arte da poesia. Trad. Heloysa de Lima Dantas e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1976.

RISÉRIO, Antônio. Oriki orixá. São Paulo: Perspectiva, 1996.

ÛXUXET ax, hãm xeka ãgtus/Geografia da nossa aldeia. Belo Horizonte: SEE/MG; Brasília: MEC, 2000.

WELLEK, René; WARREN, Austin. Theory of literature. 3. ed. San Diego, New York, London: Harcourt Brace & Company, [s. d.].

YÃMÎY xop xohi yõg tappet/Livro de cantos rituais maxakali. Belo Horizonte: SEE/MG; Brasília: FUNAI, 2004.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Trad. Jerusa Pires Ferreira, Maria L. Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. São Paulo: Hucitec, 1997.

ZUMTHOR, Paul. La letra y la voz. Madrid: Cátedra, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.16.2.119-132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2007 Charles Bicalho



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.