Maternidade monstruosa em Cornélio Penna

Josalba Fabiana Santos

Resumo


Resumo: Através da recorrente metáfora do monstro em Fronteira, Dois romances de Nico Horta e Repouso, Cornélio Penna configura, alegoricamente, o estado de violência que o patriarcalismo engendra. Mães potencialmente destrutivas geram seres que as repetem, mas que são diferentes. Portanto, não as reconhecem e com elas não se identificam. Ícone da criação monstruosa, Frankenstein, de Mary Shelley, é produtivo para uma reflexão a respeito da tensão presente entre criador e criatura que torna impossível fixar a monstruosidade num ou noutro. Num universo em constante mutação, também os seres se tornam mutantes, inapreensíveis e irreconhecíveis. Qualquer idéia de fixidez identitária se revela falsa.

Palavras-chave: Cornélio Penna; monstro; patriarcalismo.

Abstract: Through the recurrent metaphor of the monster in Fronteira, Dois romances de Nico Horta and Repouso, Cornélio Penna allegorically gives shape to the state of violence engendered by patriarchalism. Potentially destructive mothers breed beings that repeat them, despite being different from them. Therefore, they do not recognise their mothers and do not identify with them. An icon of monstrous creation, Mary Shelley’s Frankenstein is helpful for a reflection on the tension between creator and creature and on the impossibility of placing monstrosity on either side. In an ever- changing universe, beings also become mutant, inapprehensible, unrecognisable. Any idea of fixed identity proves to be false.

Keywords: Cornélio Penna; monster; patriarchalism.


Palavras-chave


Cornélio Penna; monstro; patriarcalismo; monster; patriarchalism.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. 110 p.

BELLEI, Sérgio L. Prado. Monstros, índios e canibais. Florianópolis: Insular, 2000. 192 p.

CARROL, Noël. A filosofia do horror ou paradoxos do coração. Trad. Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1999. 319 p.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 23-60.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Lisboa: Relógio D’Água, 2000. 493 p.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente: 1300-1800. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 471 p.

LIMA, Luiz Costa. A perversão do trapezista: o romance em Cornélio Penna. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 199 p.

LIMA, Luiz Costa. O romance em Cornélio Penna. 2. ed. rev. e modificada. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005. 231 p.

NAZARIO, Luiz. Da natureza dos monstros. São Paulo: Arte & Ciência, 1998. 302 p.

PENNA, Cornélio. Romances completos. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958. 1388 p.

PENNA, Cornélio. A menina morta. Rio de Janeiro: Artium, 1997. 482 p.

PENNA, Cornélio. Repouso. Rio de Janeiro: Artium, 1998. 384 p.

PENNA, Cornélio. Dois romances de Nico Horta. Rio de Janeiro: Artium, 2000. 217 p.

PENNA, Cornélio. Fronteira. Rio de Janeiro: Artium, 2001. 183 p.

PENNA, Cornélio. Fronteira. Rio de Janeiro: Ediouro, s.d. 100 p.

SHELLEY, Mary. Frankenstein. Trad. Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2002. 208 p.

SHELLEY, Mary. Frankenstein. Trad. Marcos Maffei. São Paulo: Ática, 2006. 256 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.16.2.147-157

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2007 Josalba Fabiana Santos



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.