O anjo e a besta: a antropologia pascaliana no laboratório de Machado de Assis / The Angel and the Beast: Pascalian Anthropology at the Laboratory of Machado de Assis

Alex Lara Martins

Resumo


Resumo: A ficção de Machado de Assis coloca em disputa a metáfora antropológica utilizada pelo filósofo Blaise Pascal para descrever a natureza ambígua do ser humano. Neste artigo, revela-se o processo que levou Machado a apropriar-se da antropologia pascaliana. O recorte deste processo incide sobre o conjunto de crônicas “Notas Semanais”, escrito em 1878. Machado antecipa alguns pressupostos do que conhecemos por literatura fantástica, dando vida a seres inertes, compilando uma espécie de bestiário, descrevendo espetáculos com animais fabulosos e monstruosidades humanas. O leitor e a plateia, que se divertem e contemplam o espetáculo, se rebaixam e se transformam, igualmente, em bestas. Saiba-se que a falência do projeto romanesco de caracteres e a recusa das doutrinas literárias realistas são alguns dos motivos que forçaram Machado a reinventar a forma narrativa. Do mesmo modo, os pressupostos da antropologia pascaliana são redirecionados para uma investigação cética, e até grotesca, da realidade.

Palavras-chave: jansenismo; Machado de Assis; Blaise Pascal; bestialização; ceticismo.

Abstract: The fictional works of Machado de Assis challenge Blaise Pascal’s anthropological metaphor. It is used to describe the ambiguous nature of the human being. In this article, we reveal the process that led Machado to take possession of the Pascalian anthropology. The focus is the set of chronicles “Notas Semanais”, written in 1878. Machado anticipates some assumptions of what we know by fantastic literature, giving life to inert beings, compiling a kind of bestiary, describing spectacles with fabulous animals and human monstrosities. The reader and the audience, who amuse themselves and contemplate the spectacle, become equally beasts. It should be noted that the ruin of the Romanesque project and the rejection of the realistic literary doctrines are some of the reasons that forced Machado to reinvent the narrative form. In the same way, the assumptions of Pascalian anthropology are redirected to a skeptical, and even grotesque, inquiry of reality.

Keywords: jansenism; Machado de Assis; Blaise Pascal; bestialization; skepticism.


Palavras-chave


jansenismo; Machado de Assis; Blaise Pascal; bestialização; ceticismo; jansenism; bestialization; skepticism

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO. A cidade de Deus. Tradução de J. Dias Pereira. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000. v. 2.

AGOSTINHO. Confissões. Tradução de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de [Dr. Semana]. Badaladas. Semana Ilustrada, Rio de Janeiro, n. 538, 2 abr. 1871, f. 4298. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/702951/4315. Acesso em 30 abr. 2019.

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Obra completa em quatro volumes. Organização de Aluizio Leite, Ana Lima Cecílio, Heloisa Hahn. São Paulo: Nova Aguilar, 2015. v. 4.

BOSI, Alfredo. O enigma do olhar. São Paulo: Ática, 2000.

COUSIN, Victor. Des Pensées de Pascal: rapport à l’Académie française sur la nécessité d’une nouvelle édition de cet ouvrage. Paris: Librairie Philosophique de Ladrange, 1843. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k37212t. Acesso em: 19 abr. 2019.

DIXON, Paul. A auto-referência e o paradoxo em Dom Casmurro. Brasil/Brazil, Porto Alegre, v. 1, p. 30-40, 1988.

DIXON, Paul. Teoria da mente, Machado de Assis, e a escola realista. Machado de Assis em Linha, São Paulo, v. 2, p. 84-93, 2008.

GLEDSON, John; GRANJA, Lúcia. Introdução. In: ______ (org.). Notas Semanais. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

GRANJA, Lúcia. Machado de Assis, esse escritor monstruoso (entre aberrações e espetáculos). Olho d’água, São José do Rio Preto, n. 9, v 1, p. 142-152, jan.-jun. 2017.

MAIA NETO, J. R. Machado de Assis: skepticism and literature. Latin American Literary Review, [S.l.], v. 18, n. 36, p. 26-35, 1990.

MARGUTTI PINTO, Paulo. Richard Rorty and Machado de Assis: Two Different Ways of Coping with Ironism. Cognitio, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 115-139, jan.-jun. 2007.

MASSA, Jean-Michel. A juventude de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

MATHIEU, Francis. Mme de Lafayette et la condition humaine: Lecture pascalienne de La Princesse de Clèves. Cahiers du Dix-Septième: An Interdisciplinary Journal, Athens, GA, n. XII, v. 1, p. 61-85, 2008.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Tradução de Mário Laranjeira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PRATT, Mary Louise. Toward a Speech Act Theory of Literary Discourse. Bloomington: Indiana University Press, 1977.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.29.4.65-82

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Alex Lara Martins

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.