MIGRAÇÕES FICCIONAIS DO OBSERVADOR: O OLHAR EXTERIOR SOBRE O CANADÁ E SUAS MEDIAÇÕES

Walter Moser

Resumo


Pais de imigração, o Canadá é rico em textos literários – tanto anglófonos como francófonos – escritos por imigrantes. Recentemente, a crítica literária, interessada na representação da alteridade cultural, desenvolveu o paradigma da “literaturamigrante”. Ora, existe um estratagema bastante antigo para lançar um olhar estranho e estrangeiro sobre a própria cultura, que consiste em inventar um observador exterior que se desloca. Aplicado de maneira paradigmática na obra Les lettres persanes [Cartas persas], de Montesquieu, esse estratagema apresenta uma modalidade particular quando o olhar exterior é narrativamente construído pelo deslocamento de um personagem, que, longe de ser estrangeiro, vem de sua própria cultura – canadense no caso – e se desloca para lançar um olhar exterior sobre ela. De fato, esse olhar interno, transformando-se em externo, adquire um potencial crítico. Analisa-se aqui esse estratagema, com o objetivo de ressaltar seu valor crítico, em dois romances – The Englishman’s boy, de Vanderhaeghe, e The navigator of New York, de Johnston – e no filme , de Robert Lepage.

Palavras-chave


Migração; Mobilidade cultural; Estratagema do olhar alheio; Literatura canadense; Cinema estrangeiro

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.22.3.57-68

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 Walter Moser



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.