Fronteiras do corpo político: a invenção do corpo abjeto em “A caolha”

Alex dos Santos Guimarães, Fani Miranda Tabak

Resumo


A partir da análise do conto A caolha, de Júlia Lopes deAlmeida, examinamos a construção do corpo feminino ligadoà sua inserção sociocultural nos limites fixados pelo sistemapatriarcal dominante em seu contexto de produção.Problematizando as margens a partir das fronteiras abertas pelaconstrução de um corpo abjeto, dentro do discurso da autora,analisamos os limites da representação dentro de umaperspectiva política de gênero.

From the analysis of the short story A caolha, written by JuliaLopes de Almeida, we examine the construction of the femalebody connected to its socio-cultural integration within the limitsset by the dominant patriarchal system in its context. Discussingthe limits of the borders opened by the construction of an abjectbody, within the discourse of the author, we analyse the edges ofrepresentation within a political perspective of gender.

 


Palavras-chave


A Caolha; Julia Lopes de Almeida; Corpo abjeto; Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith. Bodies that Matter: On the Discursive Limits of Sex. 2011. Disponível em: http://Nottingham.eblib.com/patron/fullrecord.aspx?p=683946. Acesso em: 1 jul. 2014.

CERTEAU, Michel. A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

CHEVALIER, Jean; GUEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. 16. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

FOUCAULT, Michel. À propos de la généalogie de l’éthique: un aperçu du travail em cours. In: ______. Dits et écrits (1980-1988). Paris: Gallimard, 1994. v. 4, p. 609-631. Entrevista com H. Dreyfus e P. Rabinow, segunda versão.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 17. ed. São Paulo: Loyola, 2008.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do conto. 5. ed. São Paulo: Ática, 1990.

GREENBLATT, Stephen. Culture. In: Payne, Michael (Ed.). The Greenblatt Reader. Malden: Blackwell Publishing, 2005, p. 11-17.

GROSZ, Elizabeth. Corpos reconfigurados. Cadernos Pagu (14). Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2000, p. 45-86.

KRISTEVA, Julia. Pouvoirs de l’Horreur. Essai sur l’abjection. Paris: Éditions du Seuil, 1980.

KRISTEVA, Julia. Powers of Horror: An Essay on Abjection. New York: Columbia University Press, 1982.

MORICONI, Italo (Org.). Os cem melhores contos brasileiros do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

RAGO, Margareth. Descobrindo historicamente o gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 11, p. 89-98, 1998.

SHOWALTER, Elaine. A crítica feminista no território selvagem. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 23-57.

TEIXEIRA, Ivan. Poética cultural: Literatura & História. Politeia: História e Sociedade. Vitória da Conquista, v. 6, n. 1, p. 31-56, 2006.

XAVIER, Elódia. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Florianópolis: Mulheres, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.24.3.69-84

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Alex dos Santos Guimarães, Fani Miranda Tabak



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.