Análise prosódica de línguas em contato: questões totais no português e no espanhol falado na fronteira Brasil/Uruguai

Adriana Bodolay

Resumo


É notável que, nas línguas naturais, as fronteiras geográficas não consistem em um fator de impedimento para o estabelecimento da comunicação. A sociolinguística tem demonstrado que aspectos como a necessidade de interação e a criação de uma identidade linguística são mais relevantes para a linguagem do que os limites territoriais.

Ao conviverem em um ambiente próximo, os falantes de duas línguas de fronteira, como ocorre na região de Jaguarão/Brasil e Rio Branco/Uruguai, encontram-se em uma situação típica: em determinadas situações familiares, utiliza-se o dialeto nativo, que pode ser o português, o espanhol ou ambos. Em situações não familiares, e o comércio é uma delas, ocorre o uso de um terceiro dialeto, que apresenta características tanto de uma quanto de outra língua (Santos, 2008).

Compreendendo a prosódia como fator integrante do sistema linguístico, assim como fenômenos morfossintáticos, e que os aspectos prosódicos também refletem a questão da identidade linguística, são apresentadas neste texto as primeiras reflexões a partir da descrição preliminar de padrões prosódicos utilizados em enunciados declarativos e interrogativos por falantes do português em região de contato com a língua espanhola, mais especificamente na região de Jaguarão/BRA e Rio Branco/URU. Dentre os parâmetros prosódicos, observaram-se especificamente a melodia, considerando-se a curva de frequência fundamental como correlato acústico e a duração das sílabas tônicas e átonas. Neste trabalho, assume-se a hipótese de que o contato linguístico produz efeitos no que diz respeito ao uso da melodia pelos falantes.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Anais do Colóquio Brasileiro de Prosódia da Fala - ISSN 2237-6836