A Variação Prosódica Dialetal do Português falado em São Luís (MA) e Belém (PA): uma análise comparativa

Brayna Cardoso, Camila Brito, Albert Rilliard, Regina Célia F. Cruz

Resumo


Este trabalho apresenta resultados de um estudo acústico sobre a variação prosódica dialetal do português brasileiro (PB) falado em duas capitais da amazônia brasileira, em uma perspectiva comparativa. Mais especificamente trata-se do mapeamento das semelhanças prosódicas do PB falado pelos ludovicenses e belenenses, uma vez que em seus processos colonizatórios essas localidades obtiveram o mesmo tipo de influência, a saber, influência açoriana. Para a análise, selecionamos 33 frases do corpus AMPER inicial, produzidas em duas modalidades entoacionais (declarativa neutra e interrogativa total), por um locutor nativo de cada variedade. Utilizamos os arquivos AMPER contendo as medidas acústicas das 3 melhores repetições de cada sentença (.TXT). Ao todo foram 396 dados analisados (33 sentenças x 2 modalidades entoacionais x 3 melhores repetições x 1 locutor nativo x 2 variedades). A metodologia aplicada baseia-se na metodologia empreendida pelo projeto AMPER. As análises comprovam que o parâmetro físico F0, duração e intensidade são determinantes para a caracterização prosódica das variedades ludovicense e belenense.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Anais do Colóquio Brasileiro de Prosódia da Fala - ISSN 2237-6836