ALGUMAS PERCEPÇÕES DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA EM UMA COMUNIDADE DE FALA CAMPONESA: UMA BREVE OBSERVAÇÃO DE VIÉS SOCIOLINGUÍSTICO NA COMUNIDADE DO TATU

Neltinha Oliveira Oliveira dos Santos, Carlos Henrique Silva Silva de Castro

Resumo


O presente artigo apresenta, de forma sucinta, questões teóricas que envolvem a homogeneidade e a heterogeneidade linguística, a fonética e a fonologia, variação diatópica e diastrática, abordando também, discussões que dão enfoque à influência de fatores externos que provocam reflexões a respeito da língua. A discussão é amparada na ótica da comunidade de fala que é defendida, principalmente, dentro da visão da sociolinguística laboviana. Willian Labov, desde a década de 1960, vinha criticando e apresentando um novo olhar a respeito da estrutura das línguas e os fenômenos da variação e da mudança linguística, comprovando a existência de fatores sociais que influenciam a língua. O artigo apresenta também, de forma breve, alguns dados de fala dos moradores da Comunidade do Tatu buscando explicar relações com as teorias gramaticais, por exemplo, o rotacismo do L pelo R e a queda do erre e do ele em fins de palavras. Discute, ainda, conflitos sociais e políticos que marcam historicamente a grande maioria das comunidades camponesas, revelando uma identidade linguística que é socialmente desprestigiada. O lugar (campo), a classe social (pobre) e a escolaridade (baixa), se somados, formam um conjunto de pessoas que é afetado pelo preconceito linguístico e pela desigualdade social.


Palavras-chave


comunidade do Tatu; homogeneidade; heterogeneidade; variação linguística; campo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAR, M. Language Shock: understanding the culture of conversation. New York: Harper Collins, 1994.

_________. Culture: Can you take it anywhere? International Journal of Qualitative Methods, v. 5, n. 2, jun. 2006b. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2020.

BAGNO, M. A língua de Eulália. Novela sociolinguística. São Paulo, Contexto, 1997.

BATTISTI, E. Redes Sociais, Identidade e Variação Linguística. In: Raquel Meister Ko. Freitag (Organizadora). Metodologia de Coleta e Manipulação de Dados em Sociolinguística. São Paulo: Edgard Blücher, 2014.

CALVET, L-J. Sociolinguística: uma introdução crítica. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.

CASTRO, C. H. S. de. As culturas do Grupo Texto Livre: um estudo de viés etnográfico sob a ótica da complexidade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

COELHO, I. L.; GÖRSKI, E. M.; SOUZA, C. M. N.; MAY, G. H. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2019.

COELHO, I. L.; GÖRSKI, E. M.; SOUZA, C. M. N.; MAY, G. H. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015. (Capítulos: O estudo da linguagem no contexto social (p. 11-54); A teoria da variação e mudança linguística (p. 55-97).

ILARI, Rodolfo; BASSO, Renato. O português da gente: a língua que estudamos: a língua que falamos. 1. ed., 1ª reimpressão – São Paulo: Contexto, 2007.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Mercado de Letras, 1996.

SANTOS, Lanuza Lima. A ordem verbo-sujeito: uma análise sociolinguística da fala popular do interior do Estado da Bahia. 2010;

SEVERO, Cristine Gorski. A comunidade de fala na Sociolinguística laboviana: algumas reflexões. Revista Voz das Letras, Concórdia, Santa Catarina, Universidade do Contestado, nº 9, 2008.

SILVA, Thaïs Cristófaro. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 10. ed., 3ª reimpressão – São Paulo: Contexto, 2012.

WENGER, Etienne; McDERMOTT, Richard; SNYDER; William M. Cultivating Communities of Practice. Boston: Harvard Business School Press, 2002.

WIEDEMER, Marcos Luiz. Ampliação da noção teórica da comunidade de fala na pesquisa sociolinguística. Anais do SILEL. Volume 1. Uberlândia: EDUFU, 2009.

Link do artigo submetido no CiLTec: https://eventos.textolivre.org/moodle/mod/forum/search.php?id=26&search=Neltinha+Oliveira


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2317-0239 (Eletrônico)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.