ESTRATÉGIAS DE ADEQUAÇÃO ESTRUTURAL NO TWITTER: AJUSTES HIPERTEXTUAIS AO LIMITE DE 280 CARACTERES

Ana Claudia Oliveira Azevedo, Márcia Helena de Melo Pereira, Filipe Santos Guerra

Resumo


A comunicação humana, nos variados campos da atividade, dá-se sempre por meio de determinado gênero do discurso, caracterizado, segundo Bakhtin (2011), pelo seu conteúdo temático, estilo e construção composicional. Com base no postulado de que o advento e popularização da internet causaram o surgimento de novos gêneros, considera-se, nesse artigo, o tweet como um gênero que emergiu e se popularizou nos últimos anos. Os tweets são compostos por conteúdo temático e estilo variáveis, que dependem do perfil do usuário que o escreve, e por uma estrutura que determina o limite de 280 caracteres. Considerando essa delimitação, o objetivo desse artigo é investigar as estratégias de (hiper)textualização utilizadas nos tweets para adequação ao limite de 280 caracteres imposto pelo Twitter. Para isso, foram examinados tweets de diferentes perfis, com propósitos comunicativos diversos, coletados por meio de capturas de tela. A análise dos tweets mostrou que alguns recursos usados para adequação ao limite de caracteres são a adição de link ao tweet, a divisão da informação em vários tweets — thread — e a incorporação de imagens contendo texto escrito. Dessa forma, concluímos que os usuários do Twitter dispõem de diferentes possibilidades de adequação de seu (hiper)texto aos 280 caracteres, graças aos recursos hipertextuais oferecidos pelo suporte.

Palavras-chave


adequação estrutural; hipertexto; limite de caracteres; tweet; twitter.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. Introdução e tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BARTH, Pedro Afonso; FREITAS, Ernani César. Gênero ou suporte? O entrelaçamento de gêneros no Twitter. Revista (Con)Textos Linguísticos. Vitória, v. 9, n. 12, p. 8-26, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/index.php/contextoslinguisticos/article/view/8888. Acesso em 02 ago. 2020.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. A questão do suporte de gêneros textuais. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008, p. 173-186.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. In: BEZERRA, Maria Auxiliadora; DIONISIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel (Orgs). Gêneros Textuais & Ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

XAVIER, Antônio Carlos dos Santos. Leitura, texto e hipertexto. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas e construção de sentido. São Paulo: Cortez, 2010, p. 207-220.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2317-0239 (Eletrônico)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.