O CUIDAR E EDUCAR NA ÓTICA DO PROFESSOR DE BERÇÁRIO

Jore Pereira Machado, Yuri Elias Gaspar

Resumo


O presente artigo discorre sobre desafios e experiência dos trabalhos do professor de bebês dentro do berçário frente às concepções de infância, criança, cuidar/educar em relação à sua formação profissional. Para isso, o artigo dividiu-se em cinco sessões: o contexto das legislações voltadas para a educação infantil; uma breve contextualização histórica da educação infantil do cenário mundial ao nacional, desde o século XVIII até o XXI; as contribuições sobre as concepções e a experiência de ser um professor de bebês; compreender os diálogos reflexivos sobre infância, criança e cuidar/educar na ótica dos professores de berçário. Como metodologia realizou-se uma pesquisa bibliográfica que possibilitou apresentar considerações sobre o trabalho dos professores de berçário com os bebês, contemplando o olhar sensível do profissional dentro de uma instituição de ensino da educação infantil.

Palavras-chave


Professor de bebês; Educação Infantil; Cuidar e Educar; Creche

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA A.R. Maria Lúcia: Desenvolvimento Infantil na Creche. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira; RICHTER, Sandra R. S. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Educação, Universidade Federal de Santa Maria, v.35, p. 85-95, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. v. 3 Brasília: MEC/SEF, 2001.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988. Disponível em: https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20100402200859AAxUGfo. Acesso em: 15/09/2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n°9.394, de20dedezembro de 1996. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario9/PDFs/4.16.pdf. Acesso em 15/09/2020.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2010.

CARVALHO, Marília pinto. Vozes masculinas numa profissão feminina: o que tem a dizer os professores. São Paulo, 1989.

DAHLBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na educação infantil: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FARIA, Ana Lúcia G.; ROSEMBERG, Fúlvia; CAMPOS, Maria M.. Creches e pré-escolas no hemisfério norte. São Paulo: Cortez, 1994

GOMES, Fernanda Pereira das Chagas. Ser professora de creche: constituindo sua identidade. 2016. 188f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

KRAMER, Sonia: Formação de profissionais de educação infantil: questões e tenções: IN, MACHADO, MARIA Lucia de A. (org) Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 5. ed. São Paulo: Cortez,1995.

KRAMER, Sonia (org.). Profissionais da Educação Infantil: Gestão e Formação. São Paulo: Ática, 2005.

KRAMER, Sônia. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. M.G.F. 9 anos: orientações. Brasília: FNDE – Estação Gráfica, 2006.

KUHLMANN JR., Moisés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

SPODEK, Bernard. Ensinando Crianças de Três a Oito Anos. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SCHMITT. Rosinete Valdeci. As relações sociais entre professoras, bebês e crianças pequenas: contornos da ação docente. Tese (Doutorado) – Programa de Pós- Graduação em Educação: Linha Ensino e Formação de Educadores, Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.


Apontamentos



ISSN 2317-0239 (Eletrônico)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.