Manuel Gusmão, Contra Todas as Evidências. Poemas Reunidos II, poesia da memória e da imaginação do futuro

Carina Infante do Carmo

Resumo


Contra Todas as Evidências. Poemas Reunidos II (2014) insere-se no projecto de republicação em curso da obra de Manuel Gusmão, reunindo desta feita Teatros do Tempo (2001), Os Dias Levantados (2002) e Migrações do Fogo (2004). Nele se redefinem uma assinatura autoral e uma ideia de obra poética, desde logo nos elementos paratextuais do livro. Assim se potenciam um diálogo interno entre os textos e novos sentidos de leitura, numa circunstância diferente de recepção. Este artigo pretende sublinhar alguns elementos essenciais deste tríptico: uma poesia que pensa e se pensa no mundo dos homens e da História, com uma inventiva incansável de figuras de linguagem e formas do mundo; uma escrita herdeira da modernidade poética que assume uma dimensão ética e cognitiva e resiste pelo trabalho de linguagem e de memória.

Palavras-chave


Manuel Gusmão; Contra todas as evidências. Poemas Reunidos II; poesia da memória e da imaginação do futuro

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2359-0076.35.53.61-79

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Centro de Estudos Portugueses
ISSN 1676-515X (impressa) / ISSN 2359-0076 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

.