A Linguagem Mítica em O Complexo de Portnoy, de Philip Roth

Victor Hermann Mendes Pena

Resumo


O objetivo do presente trabalho final é investigar o papel desempenhado pela linguagem mítica no romance O Complexo de Portnoy, de Philip Roth. O referencial teórico utilizado é composto da crítica do monomito, de Odo Marquard; e a teoria da fala mítica, de Roland Barthes. Nossa hipótese considera que todo o impulso à perversão de Alexander Portnoy estaria estruturado em torno do problema da posição do significante no interior da linguagem mítica.


Palavras-chave


Philip Roth; O Complexo de Portnoy; Linguagem Mítica

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Mitologias. Trad. Rita Buongermino e Pedro de Souza. São Paulo: Difel, 1978.

CAMPOS, Harold de. “Serafim: um grande não-livro”, in: ANDRADE, Oswald de. Serafim Ponte Grande. São Paulo: Círculo do Livro, 1988

COOPER, Alan. Philip Roth and The Jews. Nova Iorque: State University of New York, 1996.

MARQUARD, Odo. “Louvor do Politeísmo", Trad. Georg Otte. in: Revista Em Tese, Belo Horizonte: UFMG, V. 22, N.2, Maio-Agosto 2016, p.134-147

ROTH, Philip. O Complexo de Portnoy. Trad. Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SAPERSTEIN, Harold I. Topical Sermons, 1933-1980. Boston: Lexington Books, 2000




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.13.24.224-240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




© Copyright 2007 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG - ISSN: 1982-3053.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.