Anne Frank e Michel Laub: os diários e a violência cotidiana

Filipe Amaral Rocha de Menezes

Resumo


O diário de Anne Frank (em holandês Het Achterhuis, de 1947) é um dos relatos mais instigantes produzidos no contexto da Shoah. Elaborado a partir dos manuscritos de uma adolescente judia alemã na Holanda, durante uma perseguição nazista, o livro é uma grande referência para a literatura mundial, especialmente para a Literatura do Testemunho. Diário da queda (2011), romance do escritor brasileiro Michel Laub, gira em torno de três gerações de uma família judia: o avô do narrador, impulsionado pela experiência de ter sido preso em Auschwitz; o pai do narrador, que carrega as lembranças amargas do suicídio do pai quando tinha apenas quatorze anos; e o filho, o narrador, que carrega consigo a culpa de ter causado acidentalmente um acidente que feriu um colega de classe e suas consequências, quando ele era adolescente. O diário como um gênero, aqui em debate, emerge de um texto monólogo cujo autor seria seu único leitor, em meio as suas características comunicativas e literárias do íntimo, da individualidade, elementos estes não mais considerados. Desse gênero, no entanto, emerge a noção de autoficção, ou mesmo a escrita de si, um gênero ambivalente em que o autor questiona a realidade e a si mesmo. A partir da comparação desses dois diários, um testemunhal e outro ficcional, em suas abordagens, aproximações e distâncias, pretende-se analisar a violência cotidiana neles impregnada.

Palavras-chave


Shoah. Diários. Autoficção.

Texto completo:

PDF

Referências


FELMAN, Shoshana. À l’âge du témoignage: Shoah de Claude Lanzmann. In: DEGUY, Michel (Org.). Au sujet de Shoah: le filme de Claude Lanzmann. Paris: Belin, 2011.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

HEILBRUN, Carolyn; WEIMER, Joan. Is biography fiction? Soundings: an interdisciplinary journal, v. 76, n. 2/3, Summer/Fall, 1993. Papers from The Drew Symposium.

HIRSCH, Marianne. The generation of postmemory: writing and visual culture after the Holocaust. New York: Columbia University Press, 2012.

HIRSCH, Marianne; KACANDES, Irene (Org.). Teaching the representation of the Holocaust. New York: Modern Language Association of America, 2004.

HUBIER, Sébastien. Littératures intimes: les expressions du moi, de l’autobiographie à l’autoficition. Paris: Armand Colin, 2003.

KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

LEJEUNE, Philippe. Le pacte autobiographique. Paris : Seuil, 1975.

LEVI, Primo. É isto um homem? Trad. Luigi del Re. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

LEVI, Primo. Os afogados e os sobreviventes. Trad. Luis Sérgio Henriques. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

PEDROSA, Célia et alli (Org.). Indicionário do contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A literatura do trauma. Literatura de testemunho. Dossiê. Revista Cult, São Paulo, jun. 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.13.24.55-73

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




© Copyright 2007 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG - ISSN: 1982-3053.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.