O sacrifício de Abraão e suas sombrias possibilidades visuais

Alcebíades Diniz Miguel

Resumo


A paradigmática narrativa bíblica escolhida por Auerbach – que é contrastada ao episódio homérico da descoberta da cicatriz na coxa de Ulisses, na Odisséia – é, justamente, aquela do sacrifício de Abraão. A trama prototípica pela própria obscuridade deixa vislumbrar os significantes manifestos em estranho conflito com o que não pode ser expresso. A voz de Deus, como demonstra Auerbach, surge de algum lugar obscuro, recebendo mesmo assim a pronta resposta de Abraão que, apesar de tudo, estava preparado para responder imediata e obedientemente ao chamado misterioso e que sequer é deslocado, uma vez que o espaço de sua manifestação não é esboçado na curta narrativa do episódio.


Texto completo:

PDF

Referências


AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. Trad. Jacó Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1976.

A BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Edições Paulinas, 1992.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BORGES, Jorge Luis. Obras Completas. Vol. IV. Vários tradutores. São Paulo: Globo, 1999.

EURÍPEDES. Ifigênia em Áulis. As Fenícias. As Bacantes. Trad. Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

KIERKEGAARD, Sören Aabye. Temor e tremor. Rio de Janeiro: Ediouro, S/D.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.2.2.4-12

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




© Copyright 2007 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG - ISSN: 1982-3053.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.