Imagens do judeu em quatro romances da geração de 1930

Márcio Henrique Muraca

Resumo


O judeu em Suor (1934), de Jorge Amado, Caminho de pedras (1937), de Rachel de Queiroz, Angústia (1936), de Graciliano Ramos, e Os ratos (1935), de Dyonélio Machado, aparece de modo rápido, sobretudo nos dois últimos. Ainda assim, tal representação aponta para conceitos que circundam aquele povo no imaginário brasileiro. Em Amado e Queiroz, o judeu é representado como agitador comunista estrangeiro. Em Ramos e Machado, como negociante capitalista. Porém, conforme a complexidade de cada obra, esse judeu apresenta também matizes em sua representação que vão além da mera redução do estereótipo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.8.14.123-136

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




© Copyright 2007 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG - ISSN: 1982-3053.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.