A figura do avô judeu nas “narrativas de formação” de Ilse Losa e Samuel Rawet

Karina Marques

Resumo


A figura do avô judeu ocupa um lugar central em duas narrativas de teor autobiográfico: O mundo em que vivi (1949) de Ilse Losa e “Gringuinho”, de Contos do imigrante (1956), de Samuel Rawet. Nelas, o papel do avô é importantíssimo para a consolidação da identidade judaica na infância dos protagonistas, por meio da transmissão de um judaísmo ético e afetivo. No contexto histórico da Segunda Guerra Mundial, marcado pelo antissemitismo na terra natal e pela xenofobia na terra de acolhida, essa figura consolida-se como um esteio comunitário fundamental face à ameaça de desintegração do núcleo familiar judaico. Propomos, portanto, por meio da análise literária das duas narrativas, uma reflexão sócio-histórica em torno dessa figura, que pode ser associada ao ancião bíblico. Pretendemos, ainda, alargar as definições do romance de formação enquanto gênero literário, tomando por base o conto de Rawet.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.9.17.209-227

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




© Copyright 2007 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG - ISSN: 1982-3053.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.