O jogo elegíaco: fronteiras entre a cultura material ou intelectual e a ficção poética.

Paulo Martins

Resumo


O objetivo deste artigo é apontar alguns elementos referenciais de cultura intelectual, associando-os aos ficcionais da elegia erótica romana. Esta relação esclarece, a meu ver, “o jogo elegíaco”, isto é, o conceito descrito por P. Veyne em L’élégie érotique romaine (1983), que indica o contato constante entre dados reais e ficcionais nela expressos, além dos efeitos de sentido produzidos na recepção a partir deste contato.Tal mecanismo, acredito, pode ser considerado como a principal característica da elegia erótica romana. Assim, este trabalho parte de uma das teses apresentadas por Veyne (1983), tendo em vista as críticas de G. B. Conte (1986) e pósteros, buscando apresentar novas colaborações para a compreensão deste gênero poético.


Palavras-chave


elegia romana; Propércio; cultura material e intelectual; ficção; realidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Paulo Martins



Nuntius Antiquus
ISSN 2179-7064 (impressa) / ISSN 1983-3636 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.