A escravidão nos romances do Segundo Reinado

André Dutra Boucinhas

Resumo


Resumo: Este artigo propõe uma periodização da representação da escravidão nos romances brasileiros do Segundo Reinado em três etapas: entre 1840 e 1859, ela é naturalizada e não possui qualquer destaque nos enredos; de 1860 a 1879, o tema passa para o centro das atenções, gerando polarização entre textos marcadamente abolicionistas e outros que buscam defender a instituição, reforçando sua função na sociedade; e, por fim, entre 1880 e 1889, a escravidão sai de novo do foco e desaparece de uma parte dos romances, ao mesmo tempo em que criticá-la torna-se quase lugar comum, confirmando o declínio da instituição na última década do Império.

Palavras-chave: literatura brasileira; romance; escravidão; História do Brasil; Segundo Reinado.

Abstract: This article proposes a periodization of the representation of slavery in Brazilian novels published during the Second Empire in three stages. In the first stage, from 1840 to 1859, slavery is naturalized not having any prominence in the central plot. In the second stage, from 1860 to 1879, the subject becomes the main topic, generating polarization between markedly abolitionist texts and those defending slavery by reinforcing its role in society, As a final stage, between 1880 and 1889, it is possible to observe that slavery once again becomes secondary, even disappearing from part of the novels. It is simultaneous to a general critique to the institution, what confirms its decline in the last decade of the Empire.

Keywords: Brazilian literature; novel; slavery; Brazilian history; Second Empire.


Palavras-chave


literatura brasileira; romance; escravidão; História do Brasil; Segundo Reinado.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, J. Senhora. São Paulo: Ática, 1994.

ALMEIDA, M. A. Memórias de um sargento de milícias. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ALONSO, A. Flores, votos e balas: movimento abolicionista brasileiro (1868 – 1888). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

AZEVEDO, A. Casa de Pensão. São Paulo: Ateliê Editorial, 2014.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. São Paulo: TA Queiros, 2000.

CARVALHO, J. M. D. Pedro II. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

DUARTE, E. A. Machado de Assis afrodescendente. Rio de Janeiro: Pallas; Belo Horizonte: Crisálida, 2009.

GUIMARÃES, B. A escrava Isaura. São Paulo: Ática, 1995.

MACEDO, J. M. A moreninha. São Paulo: FTD, 1998.

MACEDO, J. M. Obras de Joaquim Manuel de Macedo. [S.l.]: Biblioteca Digital, 2014. E-book.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Iaiá Garcia. Porto Alegre: L&PM, 2011.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Obras completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2004. v. 1.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Quincas Borba. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MASSA, J. A juventude de Machado de Assis: 1839-1870. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

MELLO, P. C. A economia da escravidão nas fazendas de café, 1850-1888. Rio de Janeiro: PNPE, IPEA, 1984.

MORETTI, F. A literatura vista de longe. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2008.

NABUCO, J. O abolicionismo. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2010.

PARRON, T. A política da escravidão no Império do Brasil: 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

SILVA, J. N. S. O testamento falso. In: ______. Romances e novelas. Niterói: Typografia Fluminense de Candido Martins Lopes, 1852. p. 117-224.

SOARES, L. C. O “povo de Cam” na capital do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Faperj, 7letras, 2007.

TEIXEIRA E SOUZA, A. G. O filho do pescador. São Paulo: Melhoramentos, 1977.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.27.2.105-130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 André Dutra Boucinhas

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira
ISSN 0102-4809 (impressa) / ISSN  2358-9787 (eletrônica)

License

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.