Do presente para o passado: a variação lexical em Minas Gerais a partir de corpora geolinguísticos sobre brinquedos infantis

Valter Pereira Romano, Rodrigo Duarte Seabra

Abstract


Resumo: Este artigo apresenta um estudo sobre a variação lexical em Minas Gerais considerando dois recortes sincrônicos, década de 1970 e início da segunda década do século XXI. Objetiva-se discutir aspectos da variação e mudança linguística em tempo real e tempo aparente e a proposição de áreas lexicais no território mineiro a partir das divisões dialetais propostas por outros estudiosos. Para tanto, foram selecionadas duas cartas linguísticas do Esboço de um Atlas Linguístico de Minas Gerais e dados do Projeto Atlas Linguístico do Brasil no que se refere às variantes que recobrem os conceitos da bolinha de gude e estilingue. Os dados são tratados quantitativa e qualitativamente por meio de gráficos, tabelas, cartas linguísticas e a interpretação dos resultados observados correlacionando-os a outros estudos. Dentre as conclusões, observa-se a importância de conjugar o estudo em tempo real ao de tempo aparente o que pode dar indícios de uma possível mudança linguística para alguns itens. Por outro lado, a configuração diatópica não confirma as divisões dialetais de Minas Gerais até então propostas, pelo menos no que se refere ao léxico.   

Palavras-chave: projeto ALiB; EALMG; variação lexical; Minas Gerais.

Abstract: This article is a study regarding the lexical variations in the State of Minas Gerais, Brazil, and considers two synchronous delimitations, late 1970s and early 2010s. The aim is to discuss aspects of linguistic variation and change in real time and apparent time and the proposition of lexical areas in territory of Minas Gerais from the dialect divisions proposed by other scholars. To this end, two linguistic maps of the Draft of a Linguistic Atlas of Minas Gerais and data from the Linguistic Atlas of Brazil regarding variants of the concepts of bolinha de gude [mibs] and estilingue [slingshot] were selected. The data are analyzed quantitatively and qualitatively with graphics, tables, linguistic maps and interpretation of the results observed by correlating them to other studies. Among the findings, the importance of combining the real time study to the apparent time can be indicative of a possible language change for some items. On the other hand, the diatopic configuration does not confirm the dialect divisions established so far for Minas Gerais, at least as regards the lexicon.

Keywords: ALiB Project; EALMG; Lexical Variation; Minas Gerais.


Keywords


projeto ALiB; EALMG; variação lexical; Minas Gerais

References


AGUILERA, V. de A. Atlas Linguístico do Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial, 1994.

AMARAL, E. T. R. (Org.). O português falado em Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

ARAGÃO, M. do S. S. de; BEZERRA DE MENEZES, C. Atlas Linguístico da Paraíba. Brasília: UFPB, 1984.

CARDOSO, S. A. M. S. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

CARDOSO, S. A. M. S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. (Introdução). Londrina: EDUEL, 2014. v. 1.

CARDOSO, S. A. M. S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. Londrina: EDUEL, 2014. v. 2: Cartas Linguísticas.

CARDOSO, S. A. M. S.; MOTA, J. A.; PAIM, M. M. T.; RIBEIRO, S. S. C. Documentos 4: Projeto Atlas Linguístico do Brasil. Salvador: Vento Leste, 2013.

CARRETER, F. L. Diccionário de términos filológicos. Madrid: Gredos, 2008.

CARUSO, P. Atlas Linguístico do Estado de São Paulo: Questionário. Assis: Instituto de Letras, História e Psicologia/UNESP, 1983.

COHEN, M. A. A. M.; RAMOS, J. M. (Org.). Dialeto mineiro e outras falas: estudos de variação e mudança linguística. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Questionários 2001. Londrina: Eduel, 2001.

CORDEIRO, M. J. Estudo linguístico no Vale do Jequitinhonha: o léxico de Minas Novas. 2013. 291f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

COSERIU, E. O homem e a sua linguagem. Tradução de Carlos Alberto da Fonseca e Mário Ferreira. Rio de Janeiro: Presença, 1987.

DOGLIANI, E.; COHEN, M. A. M. (Orgs.). Pelas trilhas de Minas: a língua nas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

ENCONTRO SOBRE A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DE MINAS GERAIS – DIVERMINAS, 2010, Ouro Preto. Anais...cultura e memória. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

FREITAS, C. J. de. O léxico da Serra do Cipó. In: ENCONTRO SOBRE A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DE MINAS GERAIS, 2010, Ouro Preto. Anais... cultura e memória. Belo Horizonte: UFMG, 2011. p. 181-185. 1 CD-ROM.

LABOV, W. Principios del cambio lingüístico. Vol. 1 (factores internos). Traducción Pedro Martín Butragueño (versión española). Madrid: Gredos, 1996.

MARGOTTI, F. W. O português em contato com o italiano no sul do Brasil: um estudo geolinguístico pluridimensional. In: AGUILERA, V. de A.; ROMANO, V. P. (Org.). A Geolinguística no Brasil: caminhos percorridos, horizontes alcançados. Londrina: EDUEL. v. 3. (no prelo).

MIRANDA, V. M. R. de. Léxico e cultura: estudo linguístico na área rural de Sibianópolis-MG. 2013. 263f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

NASCENTES, A. O linguajar carioca. 2. ed. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1953.

NICOLAU, E. Pelas trilhas de Minas até Belo Vale: garimpando em busca de traços conservadores do português do Brasil. In: DOGLIANI, E.; COHEN, M. A. A. M. (Org.). Pelas trilhas de Minas: a língua nas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2011. p. 145-162.

OLIVEIRA, D. G. de (Org.) ALMS – Atlas Linguístico do Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Editora UFMS, 2007.

PAIVA, M. da C. de; DUARTE, M. E. L. Introdução: mudança linguística em curso. In: ______. (Org.). Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2003. p. 13-29.

PORTILHO, D. A. S. O falar amazônico: uma análise da proposta de Nascentes (1953) a partir de dados do Projeto ALiB. 2013. 155f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2013.

RAMOS, J. M.; COELHO, S. M. (Org.). Português brasileiro dialetal: temas gramaticais. Campinas: Mercado das Letras, 2013.

RIBEIRO, G. A. O vocabulário rural de Passos/Minas Gerais: um estudo linguístico nos sertões do Jacuhy. In: ENCONTRO SOBRE A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA DE MINAS GERAIS, 1., 2010, Ouro Preto. Anais... cultura e memória. Belo Horizonte: UFMG, 2011. p. 194-201. 1 CD-ROM.

RIBEIRO, J. et al. Esboço de um atlas linguístico de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1977.

RIBEIRO, S. S. C. Brinquedos e brincadeiras infantis na área do falar baiano. 2012. 466f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Bahia, Salvador, 2012.

ROCHA, A. P. A. Notas sobre o léxico de brincadeiras infantis usado em Minas Gerais à Luz de dois trabalhos geolinguísticos: o ALEMiG (1977) e o Projeto ALiB. In: ALTINO, F. C. (Org.). Múltiplos olhares sobre a diversidade linguística: uma homenagem à Vanderci de Andrade Aguilera. Londrina: Midiograf, 2012. p. 79-92.

ROCHA, A. P. A.; ANTUNES, L. B. Divisão dialetal em Minas Gerais: notas sobre aspectos fonéticos. In: RAZKY, A.; LIMA, A. F. de.; OLIVEIRA, M. B.; COSTA, E. O. da. (Org.). Estudos sociodialetais do português brasileiro. Campinas: Pontes, 2014. p. 97-111.

ROCHA, A. P. A.; RAMOS, J. M. Estudos dialetais em Minas Gerais. Estudos linguísticos e literários, Salvador, n. 41, p. 70-86, jan./jun. 2010.

ROMANO, V. P. Balanço crítico da geolinguística brasileira e a proposição de uma divisão. Entretextos, Londrina, v. 13, n. 2, p. 203-242, jul./dez. 2013.

ROMANO, V. P. Em busca de falares a partir de áreas lexicais no centro-sul do Brasil. 2015. 2v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

ROMANO, V. P.; SEABRA, R. D.; OLIVEIRA, N. [SGVCLin] – Software para geração e visualização de cartas linguísticas. RELin: Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 22, n. 1, p. 119-151, 2014. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/5757. Acesso em: 20 set. 2015.

ROSSI, N. et al. Atlas prévio dos falares baianos. Rio de Janeiro: INL, 1963.

SANTOS, L. S. M. O léxico de remanescentes de comunidades garimpeiras do Alto Jequitinhonha. 2015. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

SEABRA, M. C. T. C. de. (Org.). Léxico em estudo. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

SOUZA, V. L. de. Nas cacimbas do rio Pardo: um estudo léxico-cultural. 2014. 621f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. 6. ed. São Paulo: Ática, 1999. (Série Princípios).

TEIXEIRA, J. A. O falar mineiro. Revista do Arquivo Público Municipal, São Paulo, v. XLV, 1938.

THUN, H. La géographie linguistique romane à la fin du XX siècle. In: CONGRÈS INTERNATIONAL DE LINGUISTIQUE E PHILOLOGIE ROMANES, XXII., 1998, Bruxelles. Actes… Bruxelles, 1998, p. 367-409.

VIEGAS, M. do C. (Org.). Minas é plural. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

ZÁGARI, J. R. L. Os falares mineiros: esboço de um atlas linguístico de Minas Gerais. In: AGUILERA, V. de A. (Org.). A geolingüística no Brasil: caminhos e perspectivas. Londrina: EDUEL, 1998. p. 31-54.

ZÁGARI, J. R. L. Os falares mineiros: esboço de um atlas linguístico de Minas Gerais. In: AGUILERA, V. de A. (Org.). A geolingüística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: EDUEL, 2005. p. 46-72.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.1.111-150

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)