Identidade sociolinguística na fronteira de Aceguá (Brasil-Uruguai)

Cintia da Silva Pacheco

Abstract


Resumo: O objetivo desta pesquisa é identificar e analisar a entrada do pronome a gente na comunidade bilíngue uruguaia em Aceguá (fronteira Brasil-Uruguai) como um elemento ratificador da variedade do português uruguaio da fronteira. Essa mudança linguística é recente no português uruguaio, mesmo porque até então não havia registros de a gente como pronome, mas apenas como item lexical, semelhante ao que acontece no espanhol. A análise é sobre a identidade sociolinguística da fronteira a partir da inserção do pronome a gente na comunidade uruguaia como sujeito discursivo brasileiro sem ferir a identidade múltipla e fluida dos moradores da fronteira. 

Palavras-chave: contato linguístico; português uruguaio; português brasileiro; pronome a gente; identidade sociolinguística.

Abstract: This research aims to identify and analyze the use of a gente pronoun in Uruguayan bilingual community of Aceguá (Brazilian-Uruguayan border), like a phenomenon that ratifies the Uruguayan Portuguese variety spoken in the borderland. This linguistic change is recent in the Uruguayan Portuguese, considering that there were no previous records of the use of a gente as a pronoun, but only as a lexical item, resembling what happens in the Spanish case. This analysis is about the sociolinguistic identity in the borderland, mainly from the insertion of a gente pronoun as a Brazilian discursive subject in the Uruguayan community, without hurting the multiple and fluid identity of the borderland neighbors.

Keywords: Linguistic Contact; Uruguayan Portuguese; Brazilian Portuguese; a gente Pronoun; Sociolinguistic Identity.


Keywords


Linguistic Contact; Uruguayan Portuguese; Brazilian Portuguese; a gente Pronoun; Sociolinguistic Identity.

References


BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CARVALHO, A. M. Políticas lingüísticas de séculos passados nos dias de hoje: o dilema sobre a educação bilíngüe no norte do Uruguai. Language Problems & Language Planning, John Benjamins, v. 30, n. 2, p. 149-171, 2006.

CORACINI, M. J. (Org.). Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: UNICAMP; Chapecó: Argos, 2003.

COUTO, H. H. Ecolinguística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília, DF: Thesaurus, 2007.

COUTO, H. H. Contato português-espanhol na fronteira Brasil-Uruguai. São Paulo: Contexto, 2009.

COUTO, H. H. Linguística, ecologia e ecolinguística: contato de línguas. São Paulo: Contexto, 2009.

DEALTRY, G. F. Memória e esquecimento como formas de construção do imaginário da nação. In: LOPES, L. P. da M.; BASTOS, L. C. (Org.). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002. p. 189-201.

ELIZAINCÍN, A.; BEHARES, L. E.; BARRIOS, G. Nos falemo brasilero: dialectos portugueses en el Uruguay. Montevideo: Amesur, 1987.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

HAESBAERT, R. Fim dos territórios ou novas territorialidades? In: LOPES, L. P. da M.; BASTOS, L. C. (Org.). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002. p. 29-53.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP e A, 2005.

IVO, E. A. O. O letramento de adultos na empresa: uma formação de legitimar a alienação ou uma questão de sobrevivência? 2013. 232f. Tese (Doutorado em Linguística) − Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013.

LABOV, W. Principles of linguistic change. Volume 2: Social factors. Cambridge: Blackwell Publishers, 2001.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008.

LASH, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. In: GIDDENS, A.; ULRICH, G. (Org.). A vida em uma sociedade pós-tradicional. São Paulo: Unesp, 1997. p. 73-133.

LERAY, C. A língua como vetor identitário: o caso particular do gaulês na Bretanha. In: CORACINI, M. J. (Org.). Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: UNICAMP; Chapecó: Argos, 2003. p. 119-36.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LOPES, L. P. da M.; BASTOS, L. C. Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002.

OLINTO, H. K. Carteiras de identidade(s) de validade limitada. In: LOPES, L. P. da M.; BASTOS, L. C. (Org.). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002. p. 257-276.

PACHECO, Cíntia da Silva. Pressupostos teóricos e procedimentos metodológicos da pesquisa. In: ______. Alternância NÓS e A GENTE no português brasileiro e no português uruguaio da fronteira Brasil-Uruguai (Aceguá). Tese de Doutorado, UnB, 2014.

PAGOTTO, E. G. Variação e (´) identidade. Maceió: EDUFAL, 2004.

SANKOFF, D. Variables Rules. In: AMMON, U.; DITTMAR, N.; MATTHEIER, K. J. (Ed.). Sociolinguistics. New York: Academic Press, 1988. p. 119-27.

SANKOFF, D. Sociolinguistics and syntactic variation. In: NEWMEYER, F. J. (Ed.). Linguistics: the Cambridge survey. New York: Cambridge University Press, 1988. v. 4: Language: the socio-cultural context. p.141-160.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S. A.; SMITH, E. Goldvarb X: A multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics, 2005.

SCHERER, A. E.; MORALES, G.; LECLERQ, H. Palavras de intervalo no decorrer da vida ou por uma política imaginária da identidade e da linguagem. In: CORACINI, M. J. (Org.). Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: UNICAMP; Chapecó: Argos, 2003. p. 23-35.

SCHERRE, M. M. P. S. Speech community. In: BROWN, K. (Ed.). Encyclopedia of Language & Linguistics. 2. ed. Oxford: Elsevier, 2006. v. 11, p. 716-722.

TRINDADE, I. F. A formação da identidade nacional nas páginas das cartilhas. In: LOPES, L. P. da M.; BASTOS, L. C. (Org.). Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002. p. 233-254.

UYENO, E. Y. Determinações identitárias do bilinguismo: a eterna promessa da língua materna. In: CORACINI, M. J. (Org.). Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: UNICAMP; Chapecó: Argos, 2003. p. 37-56.

WEINREICH, U; LABOV, W; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006.

WOODWARD, K. (Org.). Identity and difference: culture, media and identities. London: Sage, 1997.

ZILLES, A. M. S. O que a fala e a escrita nos dizem sobre a avaliação social do uso de a gente? Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 27-44, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.1.276-304

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)