Evaluation of the pronouns ‘a gente’ and ‘tu’ and of the grammatical patterns of agreement / Avaliação dos pronomes ‘a gente’ e ‘tu’ e dos padrões gramaticais de concordância

Josilene de Jesus Mendonça, Andréia Silva Araujo

Abstract


Abstract: We present results of a comparative study of beliefs about (i) the pronominal forms a gente (“we”) and tu (“you”) and (ii) the social evaluation of nonstandard verbal agreement with these two pronouns by a group of students from the Federal University of Sergipe (Itabaiana-SE). We discuss the methodological advances in the use of the Iramuteq software, through a multidimensional analysis of beliefs and linguistic attitudes. A survey was designed to measure the attitudes towards the following grammatical patterns: i) a gente (“we”); ii) tu (“you”); iii) a gente vivemos (“we 1PL live 1PL”); and iv) tu vai (“you 2SG go 3SG”). The results reveal that the students’ perception of grammatical patterns is based on dimensions of standardization and vitality; they attribute two types of social values to the linguistic forms: cultural (common, habitual, strange, normal) and normative (correct, wrong). The form a gente vivemos (“we live-1PP”) seems to be the only one to which stigma is attached in the community. The results also reveal that the students link these forms to notions of social adequacy both to the interactional context and to the speech community. The analysis with Iramuteq represents a methodological advance for perception studies, by enabling comparability between the vocabulary used by the students and the linguistic forms under evaluation, and providing an objective, reliable statistical analysis.

Keywords: grammatical patterns; variation; linguistic attitudes.

Resumo: Apresentamos os resultados de um estudo comparativo entre crenças relativas às formas pronominais a gente e tu e a avaliação social da concordância não padrão com tais formas por um grupo de universitários da Universidade Federal de Sergipe. A partir de uma análise multidimensional das crenças por meio do Iramuteq, objetivamos discutir as vantagens metodológicas do uso desse software para estudos de atitudes linguísticas. Um questionário foi desenvolvido para mensurar as atitudes acerca dos seguintes padrões gramaticais: i) a gente; ii) tu; iii) a gente vivemos; e iv) tu vai. Os resultados evidenciam que a percepção dos universitários em relação aos padrões gramaticais considerados baseia-se nas dimensões de padronização e vitalidade, atribuindo às formas linguísticas dois tipos de valores sociais: cultural (comum, costume, estranho, normal) e normativo (correto, errado). Dentre as formas linguísticas avaliadas, apenas a gente vivemos parece carregar estigma na comunidade, com avaliação negativa. Os resultados mostram também que os universitários atrelam o uso dos padrões gramaticais avaliados à noção de normas sociais de adequação ao contexto interacional e à comunidade de fala. A análise com o Iramuteq representa um ganho metodológico para os estudos de percepção, pois, além de permitir a comparabilidade entre o vocabulário utilizado pelos participantes e as formas linguísticas sob avaliação, oferece uma análise estatisticamente sólida, confiável e objetiva.

Palavras-chave: padrões gramaticais; variação; atitudes linguísticas.


Keywords


grammatical patterns; variation; linguistic attitudes; padrões gramaticais; variação; atitudes linguísticas.

Full Text:

PDF

References


BAGNO, M. Preconceito linguístico. São Paulo: Editora Loyola, 2009.

BAXTER, A. N.; LUCCHESI, D. Processos de descrioulização no sistema verbal de um dialeto rural brasileiro. Papia – Revista de Crioulos de Base Ibérica, Brasília, v. 2, n. 2, p. 59-71, 1993.

CALMON, E. N. Ponte da passagem: você e cê transitando na fala de Vitória (ES). 2010. 139 p. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

CAMACHO, R. G. Aspectos funcionais e estruturais da concordância verbal no português falado. Alfa, São Paulo, n. 37, p. 101-116, 1993.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013. Doi: https://doi.org/10.9788/TP2013.2-16. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v21n2/v21n2a16.pdf. Acesso em: 18 dez. 2018.

CARGILE, A. C.; GILES, H.; RYAN, E. B.; BRADAC, J. J. Language attitudes as a social process: a conceptual model and new directions. Language & Communication, [S.l.], v. 14, n. 3, p. 221-236, 1994. Doi: https://doi.org/10.1016/0271-5309(94)90001-9

CASTILHO, A. T. de. O Português do Brasil. In: ILARI, R. (org.). Lingüística Românica. São Paulo: Ática, 1992. p. 237-285.

FOEGER, C. C. A primeira pessoa do plural no português falado em Santa Leopoldina/ES. 2014. 165f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

FRANCESCHNI, L. Variação pronominal nós/a gente e tu/você em Concórdia – SC. 2011. 252f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

FREITAG, R. M. Ko. Banco de dados falares sergipanos. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 156-164, 2013. Doi: https://doi.org/10.5007/1984-8420.2013v14n2p156

FREITAG, R. M. Ko. Uso, crença e atitudes na variação na primeira pessoa do plural no Português Brasileiro. DELTA, São Paulo, v. 32, p. 889-917, 2016. Doi: https://doi.org/10.1590/0102-44506992907750337

FREITAG, R. M. Ko. Saliência estrutural, distribucional e sociocognitiva. Acta Scientiarum. Language and Culture, Maringá, v. 40, n. 2, e41173, 2018. Doi: https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v40i2.41173

GARRETT, P. Attitudes to Language. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

GARRETT, P.; COUPLAND, N.; WILLIAMS, A. Investigating Language Attitudes. Cardiff: University of Wales Press, 2003.

GILES, H.; COUPLAND, J.; COUPLAND, N. Contexts of Accommodation. New York: Cambridge University Press, 1991. Doi: https://doi.org/10.1017/CBO9780511663673

HAUSEN, T. A. P. Concordância verbal do pronome “tu” no interior do Estado de Santa Catarina. 2000. 130f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2000.

LOPES, C. R. dos S. Pronomes pessoais. In: BRANDÃO, S. F.; VIEIRA, S. R. (org.). Ensino de gramática: descrição e uso. 1 ed. São Paulo: Contexto, 2007. p. 103-114.

LOREGIAN-PENKAL, L. (Re)análise da referência de segunda pessoa na fala da região sul. 2004. 260f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.

LOREGIAN-PENKAL, L. Concordância verbal com o pronome tu na fala do sul do Brasil. 1996. 133f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996.

MENDONÇA, A. K. Nós e a gente na cidade de Vitória: análise da fala capixaba. Revista PerCursos Linguísticos, Vitória, v. 2, n. 4, p. 1-18, 2012.

MODESTO, A. T. T. Formas de tratamento no português brasileiro: a alternância “tu/você” na cidade de Santos-SP. 2006. 151f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MONGUILHOT, I.; COELHO, I. Um estudo da concordância verbal de 3ª pessoa em Florianópolis. In: VANDRESEN, P. (org.). Variação e mudança no português falado na Região Sul. Pelotas, RS: EDUCAT, 2002. p. 189-216.

NARO, A J. The Social and Structural Dimensions of a Syntatic Change. Language, [S.l.], v. 57, n. 1, p. 62-98. 1981. Doi: https://doi.org/10.1353/lan.1981.0020

NARO, A. J.; GÖRSKI, E.; FERNANDES, E. Change Without Change. Language Change and Variation and Change, Cambridge, v. 11, n. 2, p. 197-211, 1999. Doi: https://doi.org/10.1017/S0954394599112043

OUSHIRO, L. Identidade na pluralidade: avaliação, produção e percepção linguística na cidade de São Paulo. 2015. 393f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

PEREIRA, I. O caso de -a-mo(s) versus -e-mo(s) e -e-mo(s) versus -i-mo(s): variação morfêmica ou especialização temporal? Caderno Seminal Digital, Rio de Janeiro, v. 1, p. 400-436, 2018. Doi: https://doi.org/10.12957/cadsem.2018.32693

PEREIRA, I.; LEHMKUHL-COELHO, I.; LOREGIAN-PENKAL, L. Variação na concordância Verbal de nós no presente e pretérito perfeito em Verbos regulares de 1ª e 2ª conjugação: produtiva no sudeste paranaense? Signótica, Goiânia, v. 28, n. 2, p. 481-508, 2016. Doi: https://doi.org/10.5216/sig.v28i2.41083

SCHERRE, M. M. P. et al. Variação dos pronomes “tu” e “você”. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 133-172.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. A concordância de número no Português do Brasil: um caso típico de variação inerente. In: HORA, D. da (org.). Diversidade linguística no Brasil. João Pessoa: Ideia, 1997. p. 93-114.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Sociolinguistic Correlates of Negative Evaluation: Variable Concord in Rio de Janeiro. Language Variation and Change, Cambridge, v. 26, n. 3, p. 331-357, 2014. Doi: https://doi.org/10.1017/S0954394514000143

SILVA, M. C. F. Inovações morfológicas no português brasileiro. In: CABRAL, L. G.; GORSKI, E. (org.). Lingüística e ensino: reflexões para a prática pedagógica da língua materna. Florianópolis: Insular, 1998. p.181-198.

STEWART, W. A Sociolinguistic Typology for Describing National Multilingualism. In: FISHMAN, J. A. (ed.). Reading in the Sociology of Language. La Haye: De Gruyter Mouton, 1968. p. 531-545. Doi: https://doi.org/10.1515/9783110805376.531

VIANNA, J. S.; LOPES, C. R. S. Variação dos pronomes nós e a gente. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 109-131.

VOTRE, S. J. Relevância da variável escolaridade. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. (org.). Introdução à sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.1613-1648

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2019 Josilene de Jesus Mendonça, Andréia Silva Araujo

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional