A questão do erro em língua portuguesa: uma abordagem teórica / The matter of error in Portuguese language: a theoretical approach

Margarete von Muhlen Poll, Alexandre Macedo Pereira

Abstract


Resumo: Neste artigo, abordamos os conceitos de erro linguístico surgidos com a relativização do conceito de norma linguística, que, após os estudos da Linguística Moderna, não mais diz respeito unicamente às regras prescritas pela gramática normativa. Defendemos a tese de que o erro linguístico existe e está diretamente relacionado às normas linguísticas exigidas para o contexto de emprego da língua. Este artigo tem os seguintes objetivos: a) demonstrar que linguistas de perspectivas teóricas distintas reconhecem a existência do erro linguístico; b) demonstrar que o erro linguístico não exclui o reconhecimento da variação linguística, mas o endossa; c) apresentar os diferentes entendimentos sobre a questão do erro linguístico; e d) fomentar uma rediscussão sobre o conceito de erro linguístico. Metodologicamente, este é um trabalho bibliográfico de caráter qualitativo. A pesquisa bibliográfica implica a análise ou a resolução de um problema, recorrendo a referenciais teóricos enquanto fontes importantes para a pesquisa. A pesquisa qualitativa preocupa-se com a dimensão descritiva do fenômeno, ocupando-se primordialmente com o(s) processo(s), sem ignorar os resultados e os produtos. Concluímos que as discussões que se dão no campo da Linguística Aplicada sobre o erro no emprego da língua ocorrem basicamente no âmbito da terminologia, e não no âmbito do que constitui o erro em língua.

Palavras-chave: norma linguística; erro linguístico; correção linguística.

Abstract: This article aims to discuss the concepts of linguistic error which have arisen from the relativization of linguistic norm definition, since under the light of Modern Linguistic studies, linguistic norm does not only refer to prescriptive grammar’s rules anymore. We defend that linguistic error does exist and it is directly related to linguistic norms required for the language usage context. This article has the following objectives: a) demonstrate that linguists from different perspectives recognize the existence of linguistic error; b) expose that linguistic error does not exclude linguistic variation recognition; c) present different understandings about linguistic error and d) foment a rediscussion concerning the concept of linguistic error. This is a qualitative research based on bibliographic data. Bibliographic research implies the analysis or the resolution of a problem, taking theoretical references into consideration, whereas the qualitative research considers the descriptive dimension of the phenomenon and is concerned primarily with the process itself, without taking into account the results and products. We conclude that discussions about error in language usage, which take place in the Applied Linguistics field of studies, basically occur in the terminology aspect, not in what error in language use is constituted of.

Keywords: linguistic norm; linguistic error; linguistic correction.


Keywords


norma linguística; erro linguístico; correção linguística; linguistic norm; linguistic error; linguistic correction.

References


BAGNO, M. Dramática de língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: Editora Loyola, 2001.

BAGNO, M. Português ou brasileiro: convite à pesquisa. 3. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2002a.

BAGNO, M. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 19. ed. São Paulo: Editora Loyola, 2002b. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44502003000200017

BECHARA, E. Ensino da gramática. Opressão? Liberdade? 8. ed. São Paulo: Ática, 1995. (Série Princípios).

BECHARA, E. A correção idiomática e o conceito de exemplaridade. In: AZEREDO, José Carlos de. (org.). Língua portuguesa em debate: conhecimento e ensino. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 11-18.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Revista de Odontologia da Universidade da Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

BORTONI-RICARO, S. M. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. (Linguagem, 4).

BORTONI-RICARO, S. M. Nós cheguemu na escola, e agora?: sociolingüística & educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. 263 p. (Língua[gem], 11).

BRITTO, L. P. A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Campinas: ALB: Mercado de Letras, 1997. (Coleção Leituras do Brasil).

CÂMARA Jr., J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. 29. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

CASTILHO, A. T. Variação dialetal e ensino institucionalizado. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, v. 1, p. 13-20, 1978.

CORREA, M. A escola e a norma-padrão do português, 2001. Disponível em: http://www.iltec.pt/pdf/wpapers/2001-mcorreia-escola_e_norma.pdf. Acesso em: 12 dez. 2019.

DECAT, M. B. N. Fala, escrita e gramática. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 83-105, jul./dez. 2002. DOI: https://doi.org/10.17851/2237-2083.10.2.83-105

FARACO, C. A. Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns de nós. In: BAGNO, M. (org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 37-61.

FIORIN, L. J. Vox populi, vox dei? In: SILVA, Fábio Lopes da; RAJAGOPALAN, Kanavillil (org.). A lingüística que nos faz falhar: investigação crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. p. 107-110.

FLORES, V. N et al. O normativo e o não-normativo na gramática tradicional brasileira. In: GIERING, M. E.; TEIXEIRA, M. (org.). Investigando a linguagem em uso: estudos em Lingüística Aplicada. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2004. p. 106-130.

FRANCHI, C. Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola Editorial, 2006. (Na ponta da língua, 15).

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004

LUCCHESI, D.; LOBO, T. Gramática e Ideologia. Sitientibus, Feira de Santana, V(8), 1988. p. 73-81.

LOPES, L. P. M. Lingüística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org.). Por uma lingüística aplicada multidisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 85-107. (Língua[gem], 19).

LUCCHESI, D. Norma lingüística e realidade social. In: BAGNO, Marcos (org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 63-92.

MARCUSCHI, L. A. A gramática e o ensino da língua no contexto da investigação lingüística. São Paulo, 1998. Mimeo.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Nomenclatura Gramatical Brasileira. Portaria publicada no Diário do Governo, I. série de 28 de abril de 1967.

NASCIMENTO, J. V. Norma e uso lingüísticos no Português do Brasil. In: BASTOS, N. B. (org.). Língua portuguesa em calidoscópio. São Paulo: EDUC, 2004. p. 27-37. (Série Eventos).

PERINI, M. A. Gramática descritiva do Português. 4. ed. São Paulo: Ática, 2002.

PERINI, M. A. A língua do Brasil amanhã e outros mistérios. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

POLL, M. M. Ensino da Língua Portuguesa: relações entre o saber científico e a prática social da linguagem. 2008. 287f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil, 1996. (Coleção Leituras no Brasil).

POSSENTI, S. Um programa mínimo. In: BAGNO, Marcos (org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002a. p. 317-332.

POSSENTI, S. Sobre o ensino da língua portuguesa. In: GERALDI, J. W. (org.) O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 2002b. p. 32-38. (Coleção Na Sala de Aula).

PRETI, D. Estudos de língua oral e escrita. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

RAJAGOPALAN, K. Resposta a meus debatedores. In: SILVA, F. L; RAJAGOPALAN, K. (org.). A lingüística que nos faz falhar: investigação crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. p. 166-231.

ROCHA, L. C. A. Gramática: nunca mais – o ensino da língua padrão sem o ensino da gramática. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

SCHERRE, M. M. P. A norma do imperativo e o imperativo da norma. Uma reflexão sociolingüística sobre o conceito de erro. In: BAGNO, M. (org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 217-251.

SCHERRE, M. M. P. Doa-se lindos filhotes de poodle: variação lingüística, mídia e preconceito. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. 159 p. (Língua[gem], 12).

SILVA, R. V. M. O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola Editorial, 2004. (Língua[gem], 6).

TERRA, E. Linguagem, língua e fala. São Paulo: Scipione, 1997. (Ponto de Apoio).

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2002.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2020 Margarete von Muhlen Poll, Alexandre Macedo Pereira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional