As designações para o pão nosso de cada dia: a norma lexical do português brasileiro com base no corpus do Projeto ALiB / Designations for the daily bread: the lexical norm from Brazilian Portuguese based on ALiB Project corpus

Vanessa Yida

Abstract


Resumo: Este artigo tem como proposta a identificação de possíveis normas lexicais gerais e regionais a partir da descrição e da análise da variação espacial para o popularmente denominado “pão francês”, em uma perspectiva geolinguística e léxico-semântica. Para tanto, adota-se a visão da norma linguística, com base em Coseriu (1979), somada às contribuições de Camara Junior (1964), Rona (1969), Cunha (1987), dentre outros. A diversidade de nomeações para esse alimento foi documentada por meio da questão 186 do Questionário Semântico-Lexical (QSL) dos Questionários (COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB, 2001) aplicada pelas equipes que compõem o Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB), em 250 localidades brasileiras (interior e capitais). Na composição do corpus desta análise, foram selecionados 1000 informantes com o perfil fundamental de escolaridade, contemplando as dimensões diassexual e diageracional. Com base na cartografação linguística e cotejo da disseminação das variantes lexicais obtidas e na consulta a obras lexicográficas, foram identificadas as formas de uso geral e regional, além de traços de influência interétnica e de fluxos migratórios internos e externos. Ainda, constatou-se a polimorfia de designações, por efeito da presença do referente no cotidiano brasileiro, atestando a relevância desse alimento, consumido desde os primórdios da história da civilização.

Palavras-chave: Geolinguística; Projeto ALiB; normas lexicais; regionalismos; pão francês.

Abstract: this article aims to identify possible general and regional lexical norms from the description and analyse of spatial variation to the popularly denominated “french bread”, on a geolinguistic and lexical and semantic perspective. For that, the adoption of the view of linguistic norm, based on Coseriu (1979), added to Camara Junior (1964), Rona (1969), Cunha (1987) contributions, among others. The diversity of nomination for this food has been documented throught 186 question from Semantic-Lexical Questionnaire (SLQ) of Questionários (COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB, 2001) applied by crews that compose the Project Linguistic Atlas of Brazil (ALiB), on 250 Brazilian localities (countryside and capitals). On this analysis, they were selected 1000 informants with Primary education, diassexual and diageracional dimensions. Based on linguistic cartography and comparation of lexicals variants dissemination and the consultation to varied dictionaries, they were identified general and regional forms, in addiction to interethnic influences and migratory moviments traces. Furthermore, the observation of the polymorphy of designations, result of presence of the referring in Brazilian daily, certifying the relevance of this aliment, consumed since the beginning of the history of civilization.

Keywords: Geolinguistics; ALiB Project; lexical norms; regionalisms; French bread.


Keywords


Geolinguística; Projeto ALiB; normas lexicais; regionalismos; pão francês; Geolinguistics; ALiB Project; lexical norms; regionalisms; French bread.

References


ALMEIDA, A. C. de. Pães no Brasil: fotos e verbetes. São Paulo: Editora Maná, 1999.

AMARAL, A. O dialeto caipira: gramática, vocabulário. 4. ed. São Paulo: Hucitec / Brasília: INL, 1982.

AULETE, C. Aulete digital: Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. [s/d]. Versão online. Disponível em: http://www.aulete.com.br/site.php?mdl=aulete_digital. Acesso em: 18 fev. 2018.

BARBOSA, M. A. Léxico, produção e criatividade. Processos do neologismo. 2. ed. São Paulo: Global, 1989.

BIDERMAN, M. T. de C. Teoria linguística: linguística quantitativa e computacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978.

BIDERMAN, M. T. de C. Fundamentos da Lexicologia. In: ______. (org.). Teoria linguística: teoria lexical e linguística computacional. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 99-155.

BITENCOURT, R. Piracicaba foi pioneira na imigração europeia em São Paulo e no Brasil. G1, Piracicaba, 18 ago. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/piracicaba-250-anos/noticia/piracicaba-foi-pioneira-na-imigracao-europeia-em-sao-paulo-e-no-brasil-afirma-pesquisador.ghtml. Acesso em: 6 jan. 2019.

BLUTEAU, R. Vocabulario portuguez & latino, aulico, anatomico, architectonico... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1728.

CAMARA JUNIOR, J. M. Dicionário de filologia e gramática. Rio de Janeiro: J. Ozon, 1964.

CARDOSO, S. A. M. et al. Atlas linguístico do Brasil. Introdução. Londrina: EDUEL, 2014a. v. 1.

CARDOSO, S. A. M. et al. Atlas linguístico do Brasil. Cartas Linguísticas. Londrina: EDUEL, 2014b. v. 2.

CASCUDO, L. da C. História da alimentação no Brasil. 4. ed. São Paulo: Global, 2011.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ATLAS LINGUÍSTICO DO BRASIL. Questionários. Londrina: EDUEL, 2001.

COSERIU, E. Sistema, norma e fala. In: ______. Teoria da linguagem e linguística geral. Rio de Janeiro: Presença, 1979. p. 13-85.

CUBA, M. A. Atlas linguístico topodinâmico do território incaracterístico. 2015. 279 f. 2v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

CUNHA, C. Que é um brasileirismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1987.

D’ALBUQUERQUE, A. T. Falsos brasileirismos (argentinismos e americanismos erradamente apontados como brasileirismos). Rio de Janeiro: Edição Getúlio Costa, 1945?.

DIAMOND, J. M. Armas, germes e aço: os destinos das sociedades. 15. ed. Trad.: Nota Acessoria, Silva de Souza Costa. Rio de Janeiro: Record, 2013.

DIÉGUES JUNIOR, M. Regiões culturais do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP), 1960.

ENCARNAÇÃO, M. R. T. Atlas semântico-lexical de Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba – municípios do litoral Norte de São Paulo. 2010. 741f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FARACO, C. A.; ZILLES, A. M. Para conhecer norma linguística. São Paulo: Contexto, 2017.

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

FERREIRA, C.; CARDOSO, S. A. M. A dialetologia no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994.

FIGUEIREDO JUNIOR, S. R. Atlas Linguístico Pluridimensional do português paulista: níveis semântico-lexical e fonético-fonológico do vernáculo da região do Médio Tietê. 2018. 2.120f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/T.8.2019.tde-12072019-155328

GUEDES, C. M. O ciclo de Elêusis: imagem e transformação social em Atenas no século IV a. C. 2009. 178f. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2009.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade. A rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: EDUFF, 1997.

HJELMSLEV, L. Langue e parole. Cahiers Ferdinand de Saussure, Paris, n. 2, p. 29-44, 1942.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

ISQUERDO, A. N. Léxico em tempo e espaço: a questão dos regionalismos. In: MARIM, J. R.; VASCONCELOS, C. A. (org.). História, religião e identidades. Campo Grande: Editora da UFMS, 2003. p. 165-181.

ISQUERDO, A. N. Achegas para a discussão do conceito de regionalismos no português do Brasil. Alfa, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 9-24, 2006. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/1408. Acesso em: 29 set. 2017.

ISQUERDO, A. N. A propósito de dicionários de regionalismos do português do Brasil. In: ISQUERDO, A. N; ALVES, I. M. (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande, São Paulo: UFMS, Humanitas, 2007. v. II. p. 193-208.

JACOB, H. E. Seis mil anos de pão. A civilização humana através de seu principal alimento. Trad. José M. Justo. São Paulo: Nova Alexandria, 2003.

LOPE-BLANCH, J. M. En torno al polimorfismo. In: Congreso de la Asociación International de Hispanistas, 5., 1974, Bordeaux. Actas [...]. Bordeaux: AIH, 1974. Disponível em: http://www.cervantesvirtual.com/obra/en-torno-al-polimorfismo/. Acesso: 29 set. 2020.

LURKER, M. Dicionário de simbologia. Trad. Mario Krauss, Vera Barkow. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MULLER, C. Principes et methodes de statisque lexicale. Paris: Hachette, 1977.

MUSSOLINI, G. Aspectos da cultura e da vida social no litoral brasileiro. In: SCHADEN, E. (org.). Homem, cultura e sociedade no Brasil. Seleções da Revista de Antropologia. Petrópolis: Vozes, 1972. p. 293-316.

NASCENTES, A. O linguajar carioca. 2. ed. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1953.

NASCENTES, A. Bases para elaboração do Atlas Lingüístico do Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura; Casa Rui Barbosa, 1958.

OLIVEIRA, A. M. P. P. de. O português do Brasil: brasileirismos e regionalismos. 1999. 475f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 1999.

PAIVA BOLÉO, M. de. Brasileirismos (problemas de método). Coimbra: Coimbra Editora, 1943.

REY, A. Usages, jugements et prescription linguistiques. Langue Française: La Norme, [S.l.], n. 16, p. 4-28, 1972. DOI: https://doi.org/10.3406/lfr.1972.5701. Disponível em: http://www.persee.fr/issue/lfr_0023-8368_1972_num_16_1. Acesso em: 19 set. 2020.

RIBEIRO, J. A língua nacional e outros estudos linguísticos. Petrópolis: Vozes, 1979.

ROMANO, V. P. Em busca de falares a partir de áreas lexicais no Centro-Sul do Brasil. 2015. 401f. 2v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

ROMANO, V. P.; SEABRA, R. D.; OLIVEIRA, N. [SGVCLin] – Software para geração e visualização de cartas linguísticas. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 22, n. 1, p. 119-151, 2014. DOI: https://doi.org/10.17851/2237-2083.22.1.119-151

RONA, J. P. ¿Qué es un americanismo? In: El Simpósio de México: Actas, informes y comunicaciones. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1969. p. 135-148.

ROSSI, N.; FERREIRA, C.; ISENSEE, D. Atlas prévio dos falares baianos. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1963.

SANTOS-IKEUCHI, A. C. Atlas Linguístico topodinâmico do oeste de São Paulo. 2014. 364f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

SCHULTZ, B. S. Semântica de pão nos dicionários históricos do português. Revista Trama, Marechal Cândido Rondon, PR, v. 12, n. 24, p. 74-98, 2016.

SILVA NETO, S da. Guia para estudos dialectológicos. 2. ed. Belém: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, 1957.

SILVA NETO, S. da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Presença, 1986.

SILVA, A. M. Diccionario da lingua portugueza – recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813.

THUN, H. La géographie linguistique romane à la fin du XXe. siècle. In: CONGRÈS INTERNATIONAL DE LINGUISTIQUE ET DE PHILOLOGIE ROMANES, 22., 1998, Bruxelas. Actes [...]. Tübingen: Niemeyer, 2000. v. 3: Vivacité et diversité de la variation linguistique, p. 367-388.

THUN, H. La geolingüística como linguística variacional general (com ejemplos del Atlas lingüístico Diatópico y Diastático del Uruguay). In: RUFFINO, G. (org.). Atti del Congresso Internazionale di Linguistica e Filologia Romanza. Tübingen: Niemeyer, 1998. DOI: https://doi.org/10.1515/9783110934038.701. p. 701-729.

TOTH, N. A. S. A. Memórias do café e da imigração italiana – História. Revista da FLUP. Porto, v. 8. n. 1. p. 136-157, 2018. DOI: https://doi.org/10.21747/0871164X/hist8a8. Disponível em: http://ojs.letras.up.pt/index.php/historia/article/view/4511/4226. Acesso em: 6 jan. 2019.

YIDA, V. Normas lexicais no português brasileiro: uma descrição de regionalismos nos dados do campo semântico da Alimentação e Cozinha do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). 2019. 399f. 2 v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

YIDA, V. O campo semântico da Alimentação e Cozinha no Atlas Linguístico do Brasil (ALiB): um estudo lexical nas capitais. 2011. 191f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2020 Vanessa Yida

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional