Frequência e distribuição de plurais irregulares no Corpus Brasileiro / Frequency and distribution of irregular plurals in the Corpus Brasileiro

Luiz Carlos Schwindt, Pedro Eugênio Gaggiola, Isabela Prisco Petry

Abstract


Resumo: Neste texto aborda-se a frequência e a distribuição de formas de plural irregular do português brasileiro, no âmbito da palavra, numa perspectiva descritiva. Os dados provêm do Corpus Brasileiro e estão divididos em duas amostras:  Amostra L,  nomes pluralizados terminados ortograficamente em vogal+is (ex. papéis), vogal+us (ex. chapéus) e is (ex. funis), e Amostra N, os terminados por ões (ex. vilões), ãos (ex. irmãos) e ães (ex. pães). O exame das variáveis fonético-fonológicas e léxico-morfológicas – número de sílabas, acento, contexto fonológico, afiliação morfológica e frequência lexical – permitiu contextualizar o comportamento das alternantes minoritárias de cada amostra, em oposição às alternantes prevalentes, vogal+is e ões, respectivamente.

Palavras-chave: plural; alomorfia; morfologia; morfofonologia; Corpus Brasileiro.

Abstract: This paper addresses the frequency and distribution of Brazilian Portuguese irregular plurals, within the scope of the word, in a descriptive approach. The data come from the Corpus Brasileiro and are divided into two samples: (i) pluralized nouns ending, in spelling, with vowel+is (eg papéis ‘papers’), vowel+us (eg chapéus ‘hats’), and is (eg funis ‘funnels’), and (ii) those ending with ões (eg vilões ‘villains’), ãos (eg irmãos ‘brothers’), and ães (eg cães ‘dogs’). The phonological and lexical-morphological variables analyzed – number of syllables, stress, phonological context, morphological affiliation and lexical frequency – allowed to define the main contexts for the minority alternants of each sample, in opposition to the prevalent ones, vowel+is and ões, respectively.

Keywords: plural; allomorphy; morphology; morphophonology; Corpus Brasileiro.


Keywords


plural; alomorfia; morfologia; morfofonologia; Corpus Brasileiro; plural; allomorphy; morphology; morphophonology; Corpus Brasileiro.

References


ABAURRE GNERRE, M. B. M. Alguns casos de formação de plural em português: uma abordagem natural. Cadernos De Estudos Linguísticos, Campinas, v. 5, p. 127-156, 1983.

BAUER, L. A Glossary of Morphology. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2004.

BECKER, M. et al. The Acquisition Path of [w]-final Plurals in Brazilian Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, Lisboa, v. 17, n. 4, p. 1-17, 2018. DOI: https://doi.org/10.5334/jpl.189. Disponível em: https://jpl.letras.ulisboa.pt/articles/10.5334/jpl.189/. Acesso em: 11 set. 2020.

BECKER, M.; NEVINS, A.; LEVINE, J. Asymmetries in Generalizing to and from Initial Syllables. Language, Washington, DC, v. 88, n. 2, p. 231-268, 2012. DOI: https://doi.org/10.1353/lan.2012.0049. Disponível em: https://becker.phonologist.org/projects/english/becker_nevins_levine_english_2012.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.

BISOL, L. O ditongo na perspectiva da fonologia atual. DELTA, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 185-224, 1989.

BISOL, L. A nasalidade, um velho tema. DELTA, São Paulo, v.14, nº especial, p. 27-46, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44501998000300004. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/delta/article/view/43390/28850. Acesso em: 11 set. 2020.

BISOL, L. A nasalidade fonológica no português e suas restrições. Diadorim, Rio de Janeiro, v. 18, p. 116-126, 2016. DOI: https://doi.org/10.35520/diadorim.2016.v18n0a4050. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/4050. Acesso em: 11 set. 2020.

BISOL, L. Sufixos de duas faces. Revista da Abralin, Aracaju, v. 19, n. 1, p. 1-12, 2020. DOI: HTTPS://doi.org/10.25189/rabralin.v19i1.1380. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/1380. Acesso em: 11 set. 2020.

BONET, E.; LLORET, M. R.; MASCARÓ, J. The Prenominal Allomorphy Syndrome. In: ______. (org.). Understanding Allomorphy. Perspectives from Optimality Theory. Bristol: Equinox Publishing, 2015. v. 5, p. 1-44.

BYBEE, J. Phonology and Language Use. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511612886

CAMARA JR., J. M. Problemas de Lingüística Descritiva. Petrópolis: Editora Vozes, 1969.

CAMARA JR., J. M. Estrutura da Língua Portuguesa. 35. ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1970.

CRISTÓFARO-SILVA, T. Organização fonológica de marcas de plural no português brasileiro: uma abordagem multirrepresentacional. Revista da Abralin, Curitiba, v. 11, p. 273-305, 2012. DOI: 10.5380/rabl.v11i1.32468. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/abralin/article/view/32468. Acesso em: 11 set. 2020.

GOMES, C. A., PRADO, L. O. do; AMARAL, T. L. A. Aspectos cognitivos e sociais da variação linguística na alternância de formas de plural de nomes do PB. In: ORSINI, M.; CAVALCANTE, S. R.; MARINS, J. (org.). Contribuições à descrição e ao ensino do português brasileiro: da fonética ao discurso, com parada obrigatória na sintaxe (título provisório). Rio de Janeiro: EDUFRJ, 2021. No prelo.

GUIMARÃES, M.; NEVINS, A. Probing the Representation of Nasal Vowel in Brazilian Portuguese with Language Games. ORGANON, Porto Alegre, v. 28, n. 54. p. 155-178, 2013. DOI: https://doi.org/10.22456/2238-8915.38298. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/organon/article/view/38298. Acesso em: 11 set. 2020.

HUBACK, A. P. Efeitos de frequência nas representações mentais. 2007. 318 p. Tese. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

HUBACK, A. P. Plurais irregulares do português brasileiro: efeitos de frequência. Revista da Abralin, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 11-40, 2010a. DOI: https://doi.org/10.5380/rabl.v9i1.52337. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/abralin/article/view/52337/32236. Acesso em: 11 set. 2020.

HUBACK, A. P. Plurais em -ão do português brasileiro: efeitos de frequência. Revista Linguística, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 9-26, 2010b. DOI:  https://doi.org/10.31513/linguistica.2010.v6n1a4436

RIZZATO, É. Interação do plural de -ão e do aumentativo -zão na formação de compostos no português brasileiro. 2018. 94 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

SCHWINDT, L. C. S. et al. A influência da variável escolaridade em fenômenos fonológicos variáveis: efeitos retroalimentadores da escrita. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, [S.l.], v. 5, n. 9, p. 1-12, 2007. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/184784/000640837.pdf?sequence=1. Acesso em: 11 set. 2020.

WETZELS, L. The Lexical Representation of Nasality in Brazilian Portuguese. Probus, [S.l.], v. 9, p. 203-232, 1997.

WETZELS, L. Comentários sobre a estrutura fonológica dos ditongos nasais no Português do Brasil. Revista de Letras, Fortaleza, v. 1, n. 22, p. 25-30, 2000. DOI: https://doi.org/10.1515/prbs.1997.9.2.203. Disponível em: http://www.revistadeletras.ufc.br/rl22Art03.pdf. Acesso em: 11 set. 2020.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2020 Luiz Carlos Schwindt, Pedro Eugênio Gaggiola, Isabela Prisco Petry

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional