IMPLICAÇÕES DA VARIAÇÃO PRONOMINAL E DAS FORMAS DE TRATAMENTO NA CONSTRUÇÃO DAS PERSONAS DE HISTÓRIA DA MINHA INFÂNCIA, DE GILBERTO AMADO

FERNANDA BISPO CORREIA

Abstract


Neste artigo, busca-se apontar as implicações da variação pronominal e das formas de tratamento na construção das personas do texto literário memorialista, História da minha infância (1999), de Gilberto Amado. Assim, recorreu-se à noção de persona, trabalhada na Sociolinguística tanto por Eckert (2001, 2003, 2004, 2005), quanto por Coupland (2001), os quais defendem que o estilo, definido em termos de formalidade e informalidade, deve ser tomado para além de um contínuo, e ser observado enquanto um modus operandi diverso para a realização de uma mesma tarefa, e foi levada em consideração a teoria de Brown e Gilman (1960), conhecida como teoria do Poder e da Solidariedade. Segundo esses pensadores haveria dois princípios, o de poder e o de solidariedade, por meio dos quais se manifestariam as relações de forças existentes entre interlocutores. Este trabalho apoiou-se também na teoria da variação laboviana – a qual toma a variação como diretamente correlacionada a fatores sociais. Assim, toma-se o estilo como um fenômeno associado a outros fatores de natureza social, histórica, econômica, cultural, etc. Buscou-se demonstrar, portanto, como os perfis sociais de determinadas personagens são construídos tendo por base a vinculação de variantes linguísticas específicas, que, entre outras implicações, denotam as relações hierárquicas marcadas linguisticamente, entre elas destacam-se as simétricas (igualdade/afinidade) e assimétricas (inferioridade e superioridade) através do uso dos pronomes e formas pronominais você, tu, vosmecê, senhor, Vossa Senhoria, Coronel, e correlacionadas diretamente ao papel social desempenhado na sociedade ali retratada.


Keywords


variação pronominal; relações hierárquicas; perfis sociais.

References


AMADO, G. História da Minha Infância. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio; 1954.

AMADO, G. História da Minha Infância. São Cristóvão-SE: Editora da UFS; Fundação Oviêdo Teixeira, 1999.

ALMEIDA, N. L. F. Urbanização, escolarização e variação linguística em Feira de Santana-Bahia (século XX). In: Revista Tabuleiro das Letras. UNEB, n. 04, junho de 2012. Disponível em: . Acesso em 09/08/2013.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

BIDERMAN, M. T. C.. Formas de tratamento e estruturas sociais. In: Alfa: Marília: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, 1972-1973, n. 18-19, p. 339-381. Disponível em: . Acesso em 22/09/2013.

COUPLAND, N. Language, situation, and the relational self: theorizing dialect-style in sociolinguistics. In: ECKERT, P.; RICKFORD, J. (Eds.) Style and Sociolinguistic Variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. Disponível em: . Acesso em 15/09/2013.

ECKERT, P.; McCONNELL-GINET, S. Communities of practice: Where language, gender and power all live. In: HALL, Kira; BUCHHOLTZ, Mary; MOONWOMON, Birch. Locating power: Proceedings of the Second Berkeley Women and Language Conference. Berkeley, Berkeley Women and Language Group, University of California: 1992, p. 88-89. Disponível em: . Acesso em 29/09/2013.

ECKERT, P. Style and social meaning. In: ECKERT, P.; RICKFORD, J. (Eds.) Style and Sociolinguistic Variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2001, p. 119-126. Disponível em: . Acesso em 29 de setembro de 2019.

ECKERT, P. Linguistic Variation as Social Practice. Massachussets (US); Oxford (UK), Blackwell Publishing, 2004.

ECKERT, P. The meaning of style. Texas Linguistic Forum 47. Proceedings of The Eleventh Annual Symposium about Language and Society. Austin, abr. 2003, p. 41-53. Disponível em: . Acesso em 13 de agosto de 2019.

ECKERT, P. Variation, Convention, and social meaning. Paper presented At The Annual Meeting of The Linguistic Society of America. California, jan. 7, 2005. Disponível em: . Acesso em 17/11/2013.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: internal factors, Oxford: Blackwell, 1994.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: social factors. Oxford: Blackwell, 2001.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

LOPES, C. R. dos S., DUARTE, E. L. De Vossa Mercê a você: análise da pronominalização de nominais em peças brasileiras e portuguesas setecentistas e oitocentistas. In: Silvia Figueiredo Brandão; Maria Antónia Mota. (Org.). Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos. I ed. Rio de Janeiro, 2003, v. I, p. 61-76. Disponível em: . Acesso em 02 de outubro de 2018.

SAID ALI, M. De eu e tu a majestade: tratamentos de familiaridade e reverência. In: Investigaçõ




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.%25p

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2021 FERNANDA BISPO CORREIA

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional