MAPEAMENTO DE PADRÕES CONSTRUCIONAIS COM O VERBO VIRAR NA LÍNGUA PORTUGUESA

Pedro Gomes da Silva Neto, Déborah Magalhães de Barros

Abstract


O objetivo deste artigo foi analisar os usos com o verbo VIRAR a fim de mapear o conjunto de representações associadas a ele na Língua Portuguesa. Com este fim, o estudo filiou-se à Abordagem Construcionista Baseada no Uso e assumiu a construção – correspondência de forma e de significado – como a unidade básica de análise. Em função disso, a fundamentação teórica se constituiu essencialmente pelas obras de Goldberg (1995, 2006, 2019). Pelo Método Misto Incorporado, a pesquisa se desenvolveu em etapas semelhantes ao da Pesquisa Bibliográfica, ao sistematizar uma revisão de literatura, e ao da Pesquisa de Levantamento, ao coletar e sistematizar dados reais da escrita e da fala do Português Brasileiro e Europeu. Os dados foram coletados no Corpus do Português e totalizaram 922 ocorrências provenientes dos séculos XIX e XX. A hipótese era que as Construções de Estrutura Argumental interferissem no agrupamento de representações associado ao verbo na mesma medida em que os verbos interferem na representação das Construções de Estrutura Argumental. A análise confirmou a hipótese ao constatar usos do verbo VIRAR com a Construção de Movimento Causado, a Construção de Movimento Intransitiva, a Construção Resultativa Intransitiva, a Construção [Pronome Oblíquo + VIRAR] e a Construção [VIRAR E MEXER + Oração]. Desse modo, o agrupamento de representações atribuído ao verbo se refere aos seus diferentes contextos de uso que assumem diferentes padrões oracionais e, a partir deles, usos mais específicos emergem. Assim, o artigo contribui com discussões sobre a natureza do significado verbal pela Gramática de Construções.


Keywords


verbo; construção; língua portuguesa.

References


CROFT, W. Radical Construction Grammar. Syntactic Theory in Typological Perspective. New York: Oxford University Press, USA, 2001.

CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

FILLMORE, Charles J. Frame Semantics. Linguistics in the Morning Calm. Seoul: Hanshin Publishing Co., 1982.

FILLMORE, Charles J.; KAY, Paul; O’CONNOR, Catherine. Regularity and idiomaticity in grammatical constructions: the case of let alone. Language, Estados Unidos, v. 64, n. 3, p. 501-538, 1988. DOI: 10.2307/414531.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

GOLDBERG, A. E. Construction at Work. The nature of Generalization in Language. New York: Oxford University Press, 2006.

GOLDBERG, Adele E. Explain me this. Creativity, competition, and the partial productivity of constructions. New Jersey: Princeton University Press, 2019.

GOLDBERG, Adele. A Construction Grammar Approach to Argument Structure. California: University of California, 1995.

HOPPER, Paul J.; THOMPSON, Sandra A. Transitivity in grammar and discourse. Language. [s.l.], Vol. 56, n. 2, p. 251-299, 1980.

LAKOFF, George et al. Master Metaphor List. Cognitive Linguistics Group. Berkeley: University of California at Berkeley, 1991.

LANGACKER, R. W. Cognitive Grammar. A basic introduction. New York: Oxford University Press, 2008.

MICHAELIS, Laura A. Construction Grammar. Encyclopedia of Language & Linguistics, Boulder, dez. 2006. DOI: 10.1016/B0-08-044854-2/02031-9. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/304041256_Construction_Grammar. Acesso em: 06 maio 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.%25p

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2021 NETO SILVA da Silva Neto, Déborah Magalhães de Barros

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional