A sílaba na libras: uma investigação a partir da proposta fonológica MLMov / The Syllable in Libras: an Investigation From the Phonological Proposal MLMov

Ione Barbosa de Oliveira Silva, Vera Pacheco, Adriana Stella Cardoso Lessa-de-Oliveira

Abstract


Resumo: O presente trabalho objetiva investigar a estrutura silábica da libras, a partir de pressupostos estabelecidos sobre as línguas orais e sobre as línguas de sinais, especialmente sobre a American Sign Language (ASL). Para tanto, na tentativa de apontar aspectos relevantes que corroboraram a compreensão da sílaba em libras, retoma-se importantes trabalhos sobre a sílaba nessa língua, como o de Cunha (2011) e o de Aguiar (2013). Neste trabalho, todavia, a base metodológica para tal análise segue o modelo fonológico MLMov (Mão-Locação-Movimento), proposto por Lessa-de-Oliveira (2012; 2019), que estabelece que a estrutura articulatória dos sinais da libras é constituída em quatro níveis hierárquicos. Objetiva-se ainda identificar o núcleo da unidade silábica da libras e descrever se há ou não funcionalidade no Princípio da Sonoridade para identificação desse núcleo. Verifica-se que um critério funcional que dê conta de identificar o núcleo silábico não seria a sonoridade, mas a obrigatoriedade. Como resultados, aponta-se que uma sílaba em libras se constitui de uma unidade MLMov, que poderá ter as seguintes combinações em sua estrutura interna [MLMov], [ML], [MMov] ou [M]. Dessa forma, compreende-se, por fim, que o segmento presente em todas as unidades MLMov componentes de sinais é Mão, sendo esse, portanto, o núcleo silábico nessa língua.

 

Palavras-chave: libras; fonologia; sílaba; MLMov.


Abstract: In this paper, we aim to make an analysis of the syllabic structure of libras, from the assumptions established about oral languages and about sign languages, especially about the American Sign Language (ASL). Therefore, in an attempt to demonstrate relevant aspects that corroborate the understanding of the syllable in libras, important works on the syllable in this language are resumed, such as those by Cunha (2011) and Aguiar (2013). In this paper, however, the methodological basis for such analysis follows the MLMov (Hand-Location-Movement) phonological model, proposed by Lessa-de-Oliveira (2012;
2019), which establishes that the articulatory structure of libras signs is constituted in four hierarchical levels. It also aims to identify the core of the syllabic unit of libras and describe there is or there isn’t functionality in the sound principle to identify this nucleus. It is verified that a functional criterion that is able to identify the syllabic core would not be the sonority, but the
obligation. As a result, it is pointed out that a syllable in libras constitutes an MLMov unit, which may have the following combinations in its internal structure: [MLMov], [ML], [MMov] or [M]. Thus, it is finally understood that the segment present in all MLMov units of sign components is Hand, which is therefore the syllabic core in this language.

Keywords: libras; phonology; syllable; MLMov


Keywords


libras; fonologia; sílaba; MLMov; libras; phonology; syllable; MLMov

References


AGUIAR, T. C. Nova proposta de sílaba em Libras. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Letras, UFG, Goiânia, 2013.

ALVES, U. K. Teoria da sílaba. In: HORA, D; MATZENAUER, C. L. Fonologia, fonologias: uma introdução. (Orgs.). São Paulo: Contenxto, 2017.

BRENTARI, D. Sign language phonology. In: GOLDSMITH, J. (org.). The Handbook of Phonological Theory. Cambridge, MA: Blackwell, 1995. p. 691-639.

BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, UFRJ, 2010.

CAGLIARI, L. C. Elementos de fonética do português brasileiro. Tese de livre docência. Campinas: Unicamp, 1981.

CÂMERA Jr, J.M. Princípios de Linguística Geral. Rio de Janeiro: Padrão,1977.

CÂMARA Jr, J. M. Estrutura da língua portuguesa. 45. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

CAPOVILLA, R. C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira. Vol. I. São Paulo: EDUSP, 2001.

COLLISCHONN, Gisela. A sílaba em português. In: BISOL, L. Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

CUNHA, K. M. M. B. A estrutura silábica na língua brasileira de sinais. 181f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.

FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico, livro do estudante cursista. In: BRASIL. MEC, SEESP. Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos, 2001.

HORA, D; VOGLEY, A. Fonologia autossegmental. In: HORA, D; MATZENAUER, C. L. Fonologia, fonologias: uma introdução. (Orgs.). São Paulo: Contexto, 2017.

HULST, H. van der. Units in the analysis of signs. Phonology, vol. 10, nº 2. Holanda: Cambridge University Press, 1993. p. 209 – 241.

XXXXX. Libras escrita: o desafio de representar uma língua tridimensional por um sistema de escrita linear. ReVEL, Porto Alegre, v. 10, n. 19, p. 150-184, agosto 2012.

XXXXX. Componentes articulatórios da Libras e a escrita SEL (Libras articulatory components and SEL writing). Estudos da Língua(gem), v. 17, n. 2, p. 103-122, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.22481/el.v17i2.5338.

MAGALHÂES, J; BATTISTI, E. Fonologia métrica. In: HORA, D; MATZENAUER, C. L. Fonologia, fonologias: uma introdução. (Orgs.). São Paulo: Contexto, 2017.

MARINHO, M. L. Língua de Sinais Brasileira: proposta de análise articulatória com base no banco de dados LSB-DF. 231 f., il. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

MÁXIMO, N. N. Fonologia da Libras: o estatuto da mão não-dominante. 161 fl. Dissertação (Mestrado em Linguística) Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação. Letras, 2016.

PASSOS, A. F. K. Fonética e fonologia da Libras: o acento. 98 fls. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade do Estado de Mato Grosso. Cáceres, 2018.

QUADROS, R.M. de; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SANDLER, W. The syllable in sign language: considering the other natural language modality. In: MACNEILAGE, P.; DAVIS, B.; ZAJDO, K. (orgs.). Ontogeny and phylogeny of syllable organization. New York: Taylor Francis, 2008. Disponível no site: http://sandlersignlab.haifa.ac.il/pdf/The_syllable_in_sign_language.pdf, acesso em 20 jun. 2021.

SANDLER, W.; LILLO-MARTIN, D. Sign language and linguistic universals. New York: Cambridge University Press, 2006.

SEARA, I. C; NUNES, V. G; VOLCÃO, C. L. Para conhecer fonética e fonologia do portugês brasileiro. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019.

STOKOE, W. C. Sing language structure: An Outline of the Visual Communication System of the American Deaf. New York: Buffalo University, 1960.

SILVA, Thaís Cristófaro. Fonética e Fonologia do Português: Roteiro de Estudos e Guia de Exercícios. 10. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

WILBUR, Ronnie; NOLEN, Susan. Duration of syllables in American Sign Language. Language and Speech29. 263–280, 1986.

XAVIER, A. N. Descrição fonético-fonológica dos sinais da língua de sinais brasileira. 163 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

XAVIER, A. N; BARBOSA, P. A. Diferentes pronúncias em uma língua não sonora? Um estudo da variação na produção de sinais da Libras, D.E.L.T.A, v. 30, n. 2, 371-413, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.%25p

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2022 Ione Barbosa de Oliveira Silva, Vera Pacheco, Adriana Stella Cardoso Lessa-de-Oliveira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional