O pronome pleno de terceira pessoa no “pretuguês” oitocentista / The trid Person Full Pronoun in the ‘Pretuguês’ Ninetheenth Century

Fernanda de Oliveira Cerqueira

Abstract


Resumo: O presente trabalho visa mapear o comportamento do pronome pleno de terceira pessoa, por meio de sua distribuição sintática e suas relações referenciais, através de suas leituras léxico-semânticas, partindo da Teoria de traços-φ (CARVALHO, 2008, 2017; CERQUEIRA, 2015, 2019, 2020b; HARBOUR; ADGER; BÉJAR, 2008), em atas produzidas, na Salvador do século XIX (OLIVEIRA, 2006), a fim de verificar quais características desse fenômeno já se manifestavam nessa modalidade do Português Brasileiro oitocentista. Diante disso, para compreensão de pronome como elemento decomponível, a pesquisa se pauta na perspectiva gerativista (CHOMSKY, 1995 e posteriores), cujas diretrizes norteiam as variáveis linguísticas selecionadas: posição sintática do pronome, leituras de definitude, de especificidade e de animacidade, além de gênero e de número. Quanto ao enquadramento sociohistórico, o método quantitativo possibilitou a verificação de caminhos para compreensão do retrato da variante plena de terceira pessoa, na comunidade linguística em questão (LABOV, 1972). Portanto, verificou-se que o pronome pleno de terceira pessoa no pretuguês oitocentista soteropolitano é favorecido em posição de sujeito (59,78%), embora já ocorresse em posição de objeto direto (2,11%) e de objeto preposicionado (8,98%). Tende a apresentar leitura definida (94,7%), específica (98,94%) e animada (75,13%).Também ocorre com maior frequência como masculino (81,48%) e singular (90,57%), aspectos fortemente atrelados ao gênero textual ata, assim como ao perfil da comunidade em questão.

Palavras-chave: Pronome pleno de terceira pessoa; pretuguês; Sociedade protetora dos desvalidos; distribuição sintática; referência léxico-sintática.

Abstract: The present work aims to map the behavior of the third person full pronoun, through its syntactic distribution and its referential relations, through its lexical-semantic readings, starting from the φ-feature theory (CARVALHO , 2008, 2017; CERQUEIRA, 2015, 2019, 2020b; HARBOUR; ADGER; BÉJAR, 2008), in minutes produced in 19th century Salvador (OLIVEIRA, 2006), in order to verify which characteristics of this phenomenon were already manifested in this modality of 19th century Brazilian Portuguese. Therefore, in order to understand the pronoun as a decomposable element, the research is guided by the generativist perspective (CHOMSKY, 1995 and later), whose guidelines guide the selected linguistic variables: syntactic position of the pronoun, readings of definiteness, specificity and animacy, in addition to gender and number. As for the socio-historical framework, the quantitative method enabled the verification of ways to understand the portrait of the full third-person variant, in the linguistic community in question (LABOV, 1972). Therefore, it was found that the third person full pronoun in nineteenth-century Soteropolitan Pretuguese is favored in subject position (59.78%), although it already occurred in the direct object position (2.11%) and in the prepositional object (8,98%). This pronoun tends to present a defined reading (94.7%), specific (98.94%) and animated (75.13%). It also occurs more frequently as masculine (81.48%) and singular (90.57%), aspects strongly linked to the textual genre minute, as well as to the profile of the community in question.

Keywords: Third person full pronoun; pretuguês; Society for the protection of the disabled; syntactic distribution; lexical-syntactic reference.


Keywords


Pronome pleno de terceira pessoa; Pretuguês; Sociedade protetora dos desvalidos; Distribuição sintática; Referência léxico-sintática.

References


ABOH, E. The Emergence of Hybrid grammar: Language Contact, Change and Creation. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

ABOH, E. Lessons From Neuro-(a)-Typical Brains: Universal Multilingualism, Code-Mixing,Recombination, and Executive Functions. Front. Psychol, Switzerland, v. 11, n. 488, p. 1-16, 2020. DOI: https://doi.org/10.3389/fpsyg.2020.00488

ABOH, E.; DEGRAFF, M. A. Null Theory of Creole Formation Based on Universal Grammar. In: ROBERTS, I. (ed.). Oxford Handbooks: New York, 2017. Disponível em: Acesso em: 24 fev. 2022.

ALBUQUERQUE, W. A exaltação das diferenças: racialização, cultura e cidadania brasileira (Bahia, 1880 - 1900). 2004. 250p.Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado de Campinas, 2004.

ALEXIADOU, A. On the role of syntactic locality in morphological processes: the case of (Greek) derived nominals. In: GIANNAKIDOU, A.; RATHER, M. (eds.). Quantification, Definiteness and Nominalization. Oxford University Press, 2009. p. 253-280.

AVELAR, J.; GALVES, C. M. C. O papel das línguas africanas na Emergência da gramática do português brasileiro. Linguística, Rio de Janeiro, Linguística, v. 30, p. 241-288, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2079-312X2014000200010&lng=es&tlng=pt > Acesso em: 24 fev. 2022

BÉJAR, S. Phi-syntax: a theory of agreement, 2003. 206p. Tese

(Doutorado em Linguística) – University of Toronto, 2003.

BÉJAR, S. Conditions on phi-agree. In: HARBOUR, D.; ADGER, D.; BÉJAR, S. (eds.). Phi Theory: Phi-Features across modules and interfaces. New York: Oxford University Press, 2008. p. 130-154.

CÂMARA JR, J. M. Êle como um acusativo no português do Brasil. In: CÂMARA JR., J. M. Dispersos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,

, p. 47 - 53.

CAMPOS, L. R. Sociedade Protetora dos Desvalidos: mutualismo, política e identidade racial em Salvador (1861-1894). 2018. 149p. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2018.

CARDINALETTI, A.; STARKE, M. The typology of structural deficiency: a case of the three classes of pronouns. In: VAN RIEMSDIJK, H. (ed.). Clitics in the language of Europe. Berlin: Mouton et Gruyter, 1999. p. 41-109.

CARVALHO, D. S. A Estrutura interna dos pronomes pessoais em português brasileiro. 2008. 154p. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, UFAL, 2008.

CARVALHO, D. S. The internal structure of personal pronouns. London: Cambridge Scholars Publishing, 2017.

CARVALHO, D. S.; BRITO, D. B. S. Impostores, correferência e concordância em português brasileiro. Revista Letras, v. 96, p. 55-73, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rel.v96i0.50421

CARVALHO, D. S.; BRITO, BRITO, D.; SEDRINS, A. P. Referência de primeira pessoa e anáfora em português brasileiro. ReVEL, v. 6, n.30, p. 127-145, 2018. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/323969485_REFERENCIA_DE_PRIMEIRA_PESSOA_E_ANAFORA_EM_PORTUGUES_BRASILEIRO> Acesso em 23 fev. 2022.

CERQUEIRA, F. O. Reflexos semânticos na sintaxe de terceira pessoa. Letrônica – Revista Digital do Programa de Pós-Graduação em Letras da PUCRS, Porto Alegre, v.8, n.2, p. 422-437, jul./dez., 2015. DOI: https://

doi.org/10.15448/1984-4301.2015.2.20384

CERQUEIRA, F. O. O pronome pleno de terceira pessoa: estrutura interna e relações referenciais. 2019. 152p. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, 2019.

CERQUEIRA, F. O. O pretoguês como comunidade de prática: concordância nominal e identidade racial. Revista Traços de Linguagem, Cáceres, v. 4, n. 1, p. 75-88, 2020a. DOI: https://doi.org/10.30681/2594

.9063.2020v4n1id4644

CERQUEIRA, F. O. Pronomes pessoais: participante e determinação como componentes de referência. In: AZEVEDO, N. D. (org.). Estudos interdisciplinares da linguagem – v 01. Campina Grande: Realize Editora, 2020b. p. 95-114.

CERQUEIRA, F. O. Lélia Gonzalez e o Pretuguês: do racismo e sexismo ao epistemicídio. In: CARVALHO, D.; LIMA, P. E. (orgs.). Linguagem, gênero e sexualidade. Salvador: Edufba, no prelo.

CERQUEIRA, F. O.; CARVALHO, D. S. A configuração de referência nos pronomes de terceira pessoa em português. Revista do GELNE, Natal, v. 22, n2, p. 321-335, 2020. DOI: https://doi.org/10.21680/1517-7874.2020v22n2ID23278

CERQUEIRA, F. O.; MARIANO, V. C. Sobre a morfossintaxe da Determinação nominal dos DPs em português. Revista Estudos Linguísticos e Literários. n. 68, p. 597-614, 2020. DOI: https://doi.org/10.9771/ell.v0i68.38997

CHOMSKY, N. Programa Minimalista. Tradução de Eduardo Raposo. Lisboa: Caminho, 1995.

CHOMSKY, N. On phases. Ms., 2005. Disponível em: Acesso em: 24 fev. 2022.

COLLINS, C.; POSTAL, P. Imposters: A study of pronominal agreement. Cambridge, MA: MIT Press, 2012.

CORBETT, G. Agreement. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

COSTA, J. Variação PE-PB sem configuracionalidade discursiva: argumentos adicionais para a primazia da sintaxe. In: LOBO, T.; CARNEIRO, Z.; SOLEDADE, J.; ALMEIDA, A.; RIBEIRO, S. (orgs.). Rosae: Linguística Histórica, História das línguas e outras histórias. Salvador: Edufba, 2012, p. 109-121.

COWPER, E.; HALL, D. The syntactic manifestation of nominal feature geometry. In: Proceedings of the 2002 Annual Conference of the Canadian Linguistic Association. Montréal: Cahiers Linguistiques de l’UQAM, 2001. p. 55-66

CYRINO, S. M. L. O Objeto Nulo no Português do Brasil. 1994. 217p. Tese (Doutorado em Ciências), Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, 1994.

DÉCHAINE, R. M; WITSCHKO, M. Decomposing Pronouns. Linguistic Inquiry, Cambridge v. 33, n.3. p. 409-442, 2002. Disponível em: Acesso em 20 fev. 2022.

DEGRAFF, M. To move or not move? Placement of verbs and Objects Pronouns in Haitian Creole and in French. In: BEALS, K.; DENTON, J.; KNIPPEN, R.; MELNAR, L; SUZUKI, H.; ZEILNFELD, E. (eds). Papers from the 30th Meeting of the Linguistic Society University of Michigan, 1994, p. 141 - 155.

DUARTE, M. E. L. Variação e Sintaxe: clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil, 1986. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística). Universidade Católica de São Paulo, 1986.

DUARTE, M. E. L. A perda do princípio “evite pronome” no português brasileiro. 1995. 151p. Tese (Doutorado em Ciências), Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, 1995.

FRAMPTON, J.; GUTMANN, S. Agreement is Feature Sharing. Ms.: Northeastern University, 2000. Disponível em: Acesso em 24 fev. 2022.

GALVES, C. M. C. Pronomes e Categorias Vazias em Português do Brasil. Cadernos de estudos linguísticos, Campinas: UNICAMP, v. 7, p. 107-136, 1984.

GALVES, C. M. Ensaios sobre as gramáticas do português. Campinas: UNICAMP, 2001.

GALVES, C. M. C. Periodização e competição de gramáticas: o caso do português médio. In: LOBO, T.; CARNEIRO, Z.; SOLEDADE, J.; ALMEIDA, A.; RIBEIRO, S. (orgs.). Rosae: Linguística Histórica, História das línguas e outras histórias. Salvador: Edufba, 2012. p. 65 - 74.

GALVES, C. M. C.; PAIXÃO DE SOUSA, M. C.; NAMIUTTI, C. T. Novas perspectivas para antigas questões: revisitando a periodização da língua portuguesa. In: ENDRUSCHAT, A.; KEMMLER, R.; SCHAFER-PRIEβ, B. (orgs.). Grammatische Strukturen des Europaischen Portugiesisch. Tubingen: Calepinus Verlag, 2006. p. 45-74.

GOMES, N. L. Movimento Negro e Educação: ressignificando e politizando a raça. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 120, p. 717-744, 2012. Disponível em: Acesso em 20 fev. 2022.

GONZALEZ, L. Racism and its effects in Brazilian society. In: Women’s conference of human rights and mission, Veneza, 24-30 jun. 1979. (Mimeo.).

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, ANPOCS, p. 223-244, 1983. Disponível em: Acesso em 20 fev. 2022.

GONZALEZ, L. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92-93, p. 69-82, 1988. DOI: https://doi.org/10.21057/10.21057/repamv15n1.2021.40454

HARBOUR, D.; ADGER, D; BEJAR, S. Conditions on phi-agree. New York: Oxford University Press, 2008.

HARLEY, H.; RITTER, E. Person and number in pronouns: a featuregeometric analysis. Language, v. 78. p. 482-526, 2002. Disponível em:

< http://www.ai.mit.edu/projects/dm/harley-ritter-geometry.pdf> Acesso

em 24 fev. 2022.

HAUSER, M D; CHOMSKY, N.; FITCH, W. Tecumesh. The faculty of language: what is it, what has it, and how did it evolve?. Science, Washington, v. 298, p. 1569-1579, 2002. DOI: 10.1126/science.298.5598.1569

HERTEZENBERG, M. J. B. Third Person Reference in Late Latin: demonstratives, definite articles, and personal pronouns in the Itinerarium Egeriae. (Library of Congress Cataloging-in-Publication Data). De Gruyter Mouton: Berlin/Boston, 2015

KATO, M. A. Strong and weak pronominals in the null subject parameter. PROBUS – International Journal of Romance Linguistics, v.11, p. 1-37, 1999. DOI: https://doi.org/10.1515/prbs.1999.11.1.1

KATO, M. O português são dois... ou três? In: LOBO, T.; CARNEIRO, Z.; SOLEDADE, J.; ALMEIDA, A.; RIBEIRO, S. (orgs.). Rosae: Linguística Histórica, História das línguas e outras histórias. Salvador: Edufba, 2012. p. 93 – 108.

KILOMBA, G. Memórias de plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Conogó, 2019 [2008].

LABOV, W. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

LIGHTFOOT, D. The development of language: acquisition, change and evolution. Massachusetts, Oxford: Blackwell, 1999.

LUCCHESI, D. E. R. Parâmetros Sociolinguísticos do Português Brasileiro. Revista da ABRALIN, Cidade Aberta, v. 5, n. 1 - 2, p. 83-112, 2006. Disponível em: < https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/941#:~:text=Com%20a%20formula%C3%A7%C3%A3o%20do%20conceito,)%5B1%2D5%5D.> Acesso em 20 fev. 2022.

LUCCHESI, D. E. R. A transmissão linguística irregular. In: LUCCHESI, D; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 41-74.

LUCCHESI, D. E. R. Língua e sociedades partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

MARCOTULIO, L. Sobre composicionalidade pronominal das formas de tratamento na história do português. In: CARVALHO, D (org.). Traços-phi: contribuições para a compreensão da gramática do português. EDUFBA: Salvador, 2017. p. 87-108.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão.

São Paulo: Parábola, 2008.

MATTOS E SILVA, R. V. Uma interpretação para a generalizada difusão da língua portuguesa no território brasileiro. Gravatá, Gravatá, n. 9, p. 11-27, 2000. Disponível em: < https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/49033> Acesso em 20 fev. 2022

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma socio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004a.

MATTOS E SILVA, R. V. O português no Brasil: sua formação na complexidade multilinguística do Brasil colonial e pós-colonial. Leituras Contemporâneas, Salvador, v. 1, n. 1, p. 95-105, 2004b. Disponível em: < https://www.prohpor.org/anais> Acesso em 22 fev. 2022.

MUFWENE, S. ‘Jargons, pidgins, creoles, and koines: What are they?’ In: SPEARS, A.; WINFOR, D. (eds.), The structure and status of pidgins and creoles, Amsterdam: Benjamins, 1997, p. 35–70.

MUFWENE, S. Pidgin and Creole Languages. In: SMERLSER, N. J.; BALTES, P. B. (Eds.) International encyclopedia of the social and behavioral sciences. Amsterdã: Elsevier, 2002.

MUFWENE, S. What does creoles and pidgins tell us about the evolution of language? In: LAKS, B.; CLEUZIOU, S.; DEMOULE, J. P.; ENCREVÉ, P. (eds.) The origin and evolution of languages: approaches, models, paradigms. London: Equinox, 2007.

NUNES, J. Direção de Cliticização, objeto nulo e pronome tônico na posição de objeto direto em português brasileiro. In: KATO, M.; ROBERTS, I (org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: UNICAMP, 1996. p. 207 - 222.

NUNES, J.; MARTINS, A. M. Subespecificação de Traços-φ em Infinitivos Flexionados e Variação Dialetal/Idioletal em Português. Handout. XI Ramania Nova. ALFAL XVIII. Bogotá, Colombia, 2017.

NUNES, J., MARTINS, A. M. Circumveting φ-minimality. On some unorthodox cases of A-movement in Brazilian Portuguese. In: LOPES, R.; AVELAR, J.; CYRINO, S. (eds.). Romance Languages and Linguistic

Theory 12. Selected papers from the 45th Linguistics Symposium on

Romance (LSRL), Campinas, Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins,

p. 159-184.

OLIVEIRA, K. Negros e escrita no Brasil do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo linguístico. 2006. 1198p. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, UFBA, 2006

OMENA, N. P. Pronome pessoal de terceira pessoa: suas formas variantes em função acusativa. 1978. Dissertação (Mestrado.em Linguística) - Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes, PUC, 1978.

PARTEE, B. Opacity, coreference, and pronouns. In: PARTEE, B (ed.). Compositionaly in Formal Semantics. Malden: Blackwell, 2004. p. 26-49.

PINTO, C. F. C.; ANDRADE, A. L. de. Desmistificando a gramática gerativa como uma teoria associal e a-histórica da mudança linguística. Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli, v. 8, n.2, jul-dez, p. 36-66. 2019. Disponível em: < https://core.ac.uk/download/pdf/230134115.pdf> Acesso em 20 fev. 2022.

PINTO, C. F. C.; RIBEIRO, I. M. O. Um estudo sintático-discursivo comparativo da clivagem em línguas românicas. In: MOURA, D. (org.). Os desafios da língua: estudos em língua falada e escrita. Maceió: EDUFAL, 2008. p. 401-404.

ROBERTS, I. Creoles, Markedness and the Language Bioprogram Hypothesis. Revista Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, p. 12 – 22, 1997.

ROBERTS, I. Parameter hierarchies and Universal Grammar. New York: Oxford University Press, 2019.

SAPIR, E. Language – an introduction to the study of speech. New York: Harcourt, Brace & World, Inc, (1949 [1921]).

TARALLO, F. Relativization strategies in spoken Brazilian Portuguese. 1983. Tese (Doutorado em Ciências) - University of Pennsylvania, 1983




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.%25p

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2022 Fernanda de Oliveira Cerqueira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional