Espanhol como segunda língua: um estudo preliminar sobre a percepção do contorno entoacional de enunciados interrogativos totais e parciais por aprendizes brasileiros / Spanish as a Second Language: a Preliminary Study of Brazilian Learners’ Perception of Intonational Contour on Wh- and Yes/ No Questions

Priscila Costa Machado, Carmen Lúcia Barreto Matzenauer

Abstract


Resumo: O foco deste estudo piloto foi verificar se brasileiros aprendizes de espanhol como segunda língua (L2) são capazes de perceber a diferença na entoação de interrogativas totais e parciais na língua espanhola, além de examinar se o tempo de aquisição/exposição à língua alvo pode influenciar nesta percepção. Os enunciados interrogativos totais e parciais, na língua espanhola, apresentam como principal propriedade prosódica o movimento na inflexão final, sendo majoritariamente ascendente nas interrogativas totais e descendente nas interrogativas parciais. O corpus foi obtido pela aplicação de cinco testes de percepção a três participantes, estudantes do curso de Letras – Português/Espanhol, sendo dois estudantes do sétimo semestre e um do terceiro. Os resultados mostraram que os participantes apresentaram maior êxito na discriminação da entoação de interrogativas parciais em relação às interrogativas totais, o que se atribui à influência da L1 no processo de aquisição da L2, já que nas interrogativas parciais o padrão entoacional se aproxima nas duas línguas. Quanto ao tempo de exposição à língua alvo, verificou-se que a estudante do terceiro semestre apresenta um processamento mais lento frente aos estímulos da L2. Em trabalhos futuros, irá ampliar-se o número de participantes com diferentes níveis de aquisição da língua espanhola, a fim de observar-se com maior acurácia se, de fato, o tempo de processamento linguístico é maior por estudantes dos semestres iniciais e se, de fato, o nível de compreensão influencia na percepção de aspectos prosódicos da língua espanhola como L2.

Palavras-chave: percepção; entoação; interrogativas totais; interrogativas parciais; espanhol como segunda língua.

Abstract: This pilot study aimed to verify whether Brazilian learners of Spanish as a second language (L2) are able to perceive the difference in the intonation of total and partial interrogatives in Spanish and to examine whether acquisition/exposure time to the target language can influence their perception. Total and partial interrogative utterances in Spanish exhibit movement in the final inflection as their main prosodic property, i. e., it mostly rises in total interrogatives and falls in partial ones. The corpus was collected in five perception tests which were applied to three undergraduate students in Languages (teaching degree in Portuguese/Spanish) who attend the seventh semester and to one who attends the third. Results showed that participants were more successful in discriminating intonation of partial interrogatives from total interrogatives, a fact that is attributed to the influence of L1 on the L2 acquisition process since, in partial interrogatives, the intonation pattern is similar in both languages. As for exposure time to the target language, the student who attends the third semester was found to present slower processing when facing L2 stimuli. In further studies, the number of participants with different levels of Spanish language acquisition will be increased in order to observe more accurately whether, in fact, linguistic processing time is longer in students attending the first semesters of the course and whether the level of comprehension influences perception of prosodic aspects of the Spanish language.

Keywords: perception; intonation; total interrogatives; partial interrogatives; Spanish as a second language.


Keywords


percepção; entoação; interrogativas totais; interrogativas parciais; espanhol como segunda língua; perception; intonation; total interrogatives; partial interrogatives; Spanish as a second language.

References


BOERSMA, P.; HAMANN, S. Introduction: models of phonology in perception. In: BOERSMA, P.; HAMANN, S. (eds). Phonology in Perception. Berlin: Mouton de Gruyter, 2009. p. 1-24. Disponível em: Acesso em: 23 jul. 2020.

BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: doing phonetics by computer (version 6.1.52), 2009. Disponível em: http://www.praat.org/. Acesso em: 21 set. 2021.

CANTERO SERENA, F. J.; DEVÍS HERRAIZ, E. Análisis melódico de la interlengua. In: HIDALGO, A.; CONGOSTO, Y.; QUILIS, M. (eds.). El estudio de la prosodia en España en el siglo XXI: perspectivas y ámbitos. Anejo nº 75 de la Revista Quaderns de Filologia. Valencia: Universitat de València, 2011. p. 285-299. Disponível em: Acesso em: 10 jan. 2022.

CERQUEIRA, S; MORAES, J; RILLIARD, A. A prosódia de perguntas e asserções: um estudo situado de espanhol no Brasil. Working Papers em Linguística, Florianópolis, n. 20, v. 1, p. 109-137, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1984-8420.2019v20n1p109

CORRÊA, L. S.; AUGUSTO, M. R. A.; LONGCHAMPS, J.; FORSTER, R. A. M. S. Referência Anafórica com relativas restritivas de objeto: custo relativizado na interface gramática-pragmática. Revista Linguística, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 173-196, 2012. Disponível em: < https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/download/4557/3324> Acesso em: 19 set. 2022.

CUNHA, C. Entoação regional no português do Brasil. 2000. 308 f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) - Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: Acesso em: 14 jun. 2021.

DOS SANTOS, G. Contato lingüístico em região de fronteira Brasil/ Uruguai: a entoação dialetal em enunciados assertivos e interrogativos do português e do espanhol. 2008. 210 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) - Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: Acesso em: 10 de nov. 2021.

ELVIRA-GARCÍA, W. La entonación en el aula de ELE. In: XXV encontro prático de profesores de ELE. Barcelona: Difusión Publishing Company and International House, 2016. p. 41-47. Disponível em: Acesso em: 14 nov. 2021.

FERREIRA DE SÁ, P. Análise prosódica de enunciados assertivos e interrogativos totais no espanhol de Montevidéu. 2013. 213 f. Tese (Doutorado em Letras Neolatinas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://minerva.ufrj.br/F/?func=direct&doc_number=000831034&local_base=UFR01 Acesso em: 01 nov. 2021.

FROTA, S.; MORAES, J. Intonation in European and Brazilian Portuguese. In: WETZELS,L.; MENUZZI, J. (eds.). The Handbook of Portuguese Linguistics. Oxford: John Wiley & Sons, Inc, Hoboken, 2016. p. 141-16. Disponível em: Acesso em: 02 jun. 2020.

MILAN, P. Entoação das interrogativas totais do espanhol como língua estrangeira: produção de quatro professores de espanhol com dialeto curitibano e a percepção de cinco espanhóis. In: Anais do Congresso Brasileiro de Prosódia, v.2. Belo Horizonte: UFMG, 2013. p. 1-4. Disponível em: Acesso em: 10 nov. 2021.

MORAES, J. Intonation in Brazilian Portuguese. In: HIRST, D.; DI CRISTO A. (eds.). Intonation systems: a survey of twenty languages. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. p. 179-194. Disponível em: Acesso em: 01 jul. 2020.

MORAES, J. The pitch accents in Brazilian Portuguese: analysis by synthesis. In: Fourth International Conference in Speech Prosody. Campinas: IEL, 2008. p. 389-397. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2020.

NAVARRO TOMÁS, T. Manual de entonación española. Madrid: Guadarrama, 1944.

NUNES, V. G.; DIAS, E. C. O. Sentenças interrogativas totais neutras e não-neutras no falar florianopolitano. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 15, p. 140-155, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1984-8420.2014v15n2p140

OLIVEIRA, A. Rasgos melódicos de las interrogativas del español hablado por brasileños. Phonica, Barcelona, v. 13, p. 32-48, 2017. Disponível em: Acesso em: 12 nov. 2021.

PREUSS, E.; RODRIGUES, R. OLIVEIRA JÚNIOR, W. Aquisição da entoação em espanhol/L2: interação entre efeitos da instrução explícita e variáveis individuais. Letras de hoje, Porto Alegre, v. 52, n. 3, p. 381-390, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2017.3.29370

QUILIS, A. Tratado de fonología y fonética españolas. Madrid: Gredos, 1993.

RAUBER, A; RATO, A; KLUGE, D; SANTOS, G. Tutorial TP – Versão 3.1, 2012. Disponível em: Acesso em: 05 jun. 2021.

SEARA, I.; MOUTINHO, L. A variação na entoação de declarativas neutras e interrogativas totais nas três capitais do sul do Brasil. Revista do GEL, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 230-266, 2020. DOI: https://doi.org/10.21165/gel.v17i2.2454

SILVA Jr, L.; BARBOSA, P. Efeitos da prosódia de L2 no ensino de pronúncia e na comunicação oral. Revista Prolíngua, João Pessoa, v. 16, n. 1, p. 126-141, 2021. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-9979.2021v16n1.58725

SILVA Jr., L. A Prosódia de L2 no Curso de Letras. In: CASTRO, P. (org.). Avaliação: Processos e Políticas – Volume 01. Campina Grande: Realize Editora, 2020. p. 435-450. Disponível em: Acesso em: 06 jan. 2022.

SOSA, J. La entonación del español. Madrid: Cátedra, 1999.

SOSA, J. Wh-questions in Spanish:Meanings and Configuration Variability. Catalan Journal of Linguistics, Barcelona, v. 2, p. 229-247, 2003. Disponível em: Acesso em: 10 jan. 2022.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.1-39

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2022 Priscila Costa Machado, Carmen Lúcia Barreto Matzenauer

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional