Whole-sentence definition versus definição por genus proximum + differentiae specificae: um contraste entre duas técnicas definitórias

Virginia Sita Farias

Abstract


A definição cumpre a função mais importante na microestrutura de um dicionário semasiológico. Contudo, apesar do interesse dos lexicógrafos por este assunto, ainda não foram produzidos estudos conclusivos sobre como gerar uma boa definição. Este artigo almeja estabelecer um contraste entre duas diferentes técnicas definitórias: a whole-sentence definition e a definição por genus proximum + differentiae specificae. Primeiramente, apresentamos uma análise exaustiva de definições de substantivos através da técnica de wholesentence definition, com atenção especial à representação da prototipicidade neste tipo de definição. A seguir, propusemos uma comparação com as paráfrases por genus proximum + differentiae specificae, a fim de detectar se há uma diferença significativa entre os resultados obtidos pelo emprego de uma ou outra técnica, pelo
menos no que se refere à definição de substantivos.

Keywords


Técnica definitória; Whole-sentence definition; Definição por genus proximum + Differentiae specificae.

References


AU (1999). FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio século XXI: O dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1999. 1 CD-ROM.

BENEDUZI, R. Análise das definições em quatro dicionários semasiológicos da língua portuguesa e propostas de emendas. Ao Pé da Letra, v. 6, p. 183-190, 2004.

BENEDUZI, R.; BUGUEÑO, F. Aprendendo a ler um dicionário: análise de verbetes substantivos. Revista Língua & Literatura, v. 6/7, p. 113-122, 2005.

BENEDUZI, R.; BUGUEÑO, F.; FARIAS, V. Avanços na redação de um dicionário de falsos amigos espanhol-português. Lusorama, v. 61/62, p. 195-219, 2005.

BORBA, F. Organização dos dicionários. Uma introdução à lexicografia. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 2003. 356p.

BUGUEÑO, F. Problemas macroestruturais em dicionários de falsos amigos. Expressão, v. 5, p. 89-93, 2001.

BUGUEÑO, F. Consideraciones para un nuevo diccionario de falsos amigos español-portugués. Polifonia, v. 6, p. 103-127, 2003.

BUGUEÑO, F. Notícia sobre o comentário de forma e o comentário semântico em um dicionário de falsos amigos espanhol-português. Expressão, v. 8, p. 89-93, 2004.

BUGUEÑO, F. O que o professor deve saber sobre a nominata do dicionário de língua. Revista Língua & Literatura, v. 6/7, p. 17-31, 2005.

BUGUEÑO, F. O que é macroestrutura no dicionário de língua? In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia. Campo Grande: Humanitas, 2007a. p. 261-272.

BUGUEÑO, F. Para uma taxonomia de definições. 2007b. [Inédito]

BUGUEÑO, F.; FARIAS, V. S. Informações discretas e discriminantes no artigo léxico. Cadernos de Tradução, v. 18, p. 115-135, 2006.

BUGUEÑO, F.; FARIAS, V. S. Avaliação do programa de informações em dicionários monolíngües de português. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE LINGÜÍSTICA APLICADA, 8, 2007, Brasília. Anais... Brasília: Universidade de Brasília, 2007a. [No prelo]

BUGUEÑO, F.; FARIAS, V. S. Desenho da macroestrutura de um dicionário escolar de língua portuguesa. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE LEXICOGRAFIA PEDAGÓGICA, 1, 2007, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2007b. [No prelo]

CCLD (2003). Collins Cobuild Advanced Learner’s Dictionary. Glasgow: HarperCollins, 2003. 1 CD-ROM.

CCLD (2004). Collins Cobuild Compact English Learner’s Dictionary. Glasgow/São Paulo: HarperCollins/DISAL, 2004. 726p.

DRAE (2001). Diccionario de la lengua española. Madrid: Espasa-Calpe. 2001. Disponível em: www.rae.es. Acesso em: 27 dez. 2007.

DUBOIS, J.; DUBOIS, C. Introduction à la lexicographie: le dictionnaire. Paris: Larousse, 1971. 224p.

DUE (2001). MOLINER, M. Diccionario de uso del español. Madrid: Gredos. 2001. 1 CD-ROM.

EVANS, V.; GREEN, M. Cognitive Linguistics: An introduction. London: Lawrence Elrbaum, 2006. 811p.

FARIAS, V. S. La presentación del comentario semántico en los diccionarios escolares. Revista de Letras, v. 70, p. 183-205, 2006a.

FARIAS, V. S. Reseña al Diccionario Ilustrado de la Lengua Española (2004). Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos, v. 16, p. 199-201, 2006b.

FARIAS, V. S. Considerações sobre a redação das glosas em um dicionário de falsos amigos espanhol-português, 2008. [Inédito]

GARRIGA, C. La microestructura del diccionario: Las informaciones lexicográficas. In: MEDINA GUERRA, A. M. (Org.). Lexicografía española. Barcelona: Ariel, 2003. p.103-126.

GEERAERTS, D. The definitional practice of dictionaries and the Cognitive Semantic conception of polysemy. Lexicographica, v. 17, p. 6-21, 2001.

GEERAERTS, D. Meaning and definition. In: VAN STERKENBURG, P. (Org.). A practical guide to lexicography. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamin, 2003. p.83-93.

HAENSCH, G. La lexicografía: de la lingüística teórica a la lexicografía práctica. Madrid: Gredos, 1982. 563p.

HARTMANN, R. R. K. Teaching and researching lexicography. London: Longman, 2001. 211p.

HARTMANN, R. R. K.; JAMES, G. Dictionary of lexicography. London: Routledge, 2001. 176p.

HAUSMANN, F. J.; WIEGAND, H. E. Component Parts and Structures of General Monolingual Dictionaries: A Survey. In: HAUSMANN, F. J.; REICHMANN, O.; WIEGAND, H. E.; ZGUSTA, L. (Org.). Wörterbücher, dictionaries, dictionnaires. Ein internationales Handbuch zur Lexikographie. Berlin/New York: Walter de Gruyter, 1989. p.328-360.

HOU (2001). HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 1 CD-ROM.

JACKSON, H. Lexicography. London: Routledge. 2002. 204p.

KLEIBER, G. La sémantique du prototype. Paris: Presses Universitaires de France. 1990. 208p.

LAKOFF, G. Woman, fire and dangerous things: what categories reveal about the mind. Chicago: University of Chicago Press, 1987. 614p.

LANDAU, S. Dictionaries: The art and craft of lexicography. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. 494p.

LEW, R.; DZIEMIANKO, A. A new type of folk-inspired definition in English monolingual learner’s dictionaries and its usefulness for conveying syntactic information. International Journal of Lexicography, v. 19, p. 225-242, 2006a.

LEW, R.; DZIEMIANKO, A. Non-standard dictionary definitions: what they cannot tell native speakers of Polish. Cadernos de Tradução, v. 18, p. 275-294, 2006b.

MARTÍNEZ DE SOUZA, J. Diccionario de lexicografía práctica. Barcelona: Bibliograf, 1995. 380p.

MERZAGORA, G. M. La lessicografia. Bologna: Zanichelli, 1987. 180p.

MiMe (2000). Melhoramentos: minidicionário escolar da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2000. 658p.

OALD (2005). Oxford Advanced Learner’s Dictionary. Oxford: Oxford University Press, 2005. 1780p.

POTTIER, B. A definição semântica nos dicionários. In: LOBATO, L. M. P. (Org.). A semântica na linguística moderna: o léxico. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977. p. 21-31.

PRb (2001). Nouveau Petit Robert Dictionnaire alphabétique et analogique de la langue française. Paris: Édition Le Robert, 2001. 1 CD-ROM

SCHIFKO, P. Lexicología y semántica. In: HOLTUS, G.; METZELTIN, M.; SCHMITT, C. (Org.). Lexikon der romanistischen Linguistik. Tübingen: Max Niemeyer, 1992. p.132-148.

SECO, M. Estudios de lexicografía española. Madrid: Paraninfo, 1987. 468p.

SEÑAS (2002). Señas Diccionario para la enseñanza de la lengua española para brasileños. São Paulo: Martins Fontes, 2002. 1510p.

WELKER, H. A. Dicionários: Uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus, 2004. 301p.

ZANATTA, Flávia. La calidad de las definiciones lexicográficas de cuatro diccionarios de americanismos. Anuario Brasileño de Estudios Hispánicos, v. 16, p. 135-152, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.17.1.73-100

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c)



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)