O uso de marcadores discursivos na escrita pelos surdos como uma possibilidade de otimização da sua coesão textual

Wagner Teobaldo Lopes de Andrade, Marígia Ana de Moura Aguiar, Francisco Madeiro

Abstract


A escrita é uma importante forma de comunicação dos surdos dada a sua dificuldade em desenvolver a oralidade. Por estarem as marcas de oralidade diretamente relacionadas à coesão textual, este estudo objetivou investigar a ocorrência de marcadores discursivos (MD) na escrita de surdos. Quinze surdos oralizados, quinze surdos não oralizados e quinze ouvintes responderam a um questionário e tiveram a ocorrência dos MD analisada quantitativa e qualitativamente.
Verificou-se uma maior utilização de MD, especialmente com função sequenciadora, pelos surdos oralizados e ouvintes, apesar de os surdos não oralizados também terem apresentado essa marca de oralidade.
Concluiu-se, da mesma forma que ocorre com os ouvintes, a
existência da relação oralidade/escrita nos surdos, mesmo não tendo acesso natural à oralidade da língua. Além disso, percebeu-se a influência da oralidade sobre a construção textual.

Keywords


Surdez; Fala; Linguagem de sinais; Escrita.

References


BELTRÁN, L.F.; VILLALOBOS, P.B. El niño sordo de edad preescolar: identificación, diagnostico y tratamiento: guía para padres, médicos y maestros. 2. ed. México: Trillas, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Especial. Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental: A educação dos surdos. v. II. Brasília: MEC/SEESP, 1997.

BUENO, J.G.S. Surdez, linguagem e cultura. Cadernos CEDES, Campinas, v. 46, n. 19, p. 41-56, set. 1998.

CALADO, L.C. Variações linguísticas no contexto de escolas públicas: fatores intervenientes. 2004. 112 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Linguagem) – Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2004.

CAVALCANTE, M.C.B.; MARCUSCHI, B. Formas de observação da oralidade e da escrita em gêneros diversos. In: MARCUSCHI, L.A.; DIONÍSIO, A.P. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 123-43.

CICCONE, M.M.C. A pessoa surda e implicações da surdez. In: CICCONE, M.M.C. Comunicação total: introdução, estratégia, a pessoa surda. 2. ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1996. p. 18-23.

COLLINS, J.; MICHAELS, S. A fala e a escrita: estratégias de discurso e aquisição da alfabetização. In: COOK-GUMPERZ, J. (Org.). A construção social da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. p. 242-58.

COUTO-LENZI, A. Percepção da fala: teste. Rio de Janeiro: Timing, 1997.

FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. O.; AQUINO, Z. G. O. Correção. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Unicamp, 2006. p. 255-73.

FELIPE, T.A. O signo gestual-visual e sua estrutura frasal na língua de sinais dos centros urbanos do Brasil (LSCB). 1988. 105 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1988.

FERNANDES, E. Problemas linguísticos e cognitivos dos surdos. Rio de Janeiro: Agir, 1990.

FERNANDES, E. Linguagem e surdez. Porto Alegre: Artmed, 2003.

FERREIRA-BRITO, L. Integração social & educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel, 1993.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. 2. ed. São Paulo: Plexus, 2002.

HARRISON, K. M. P.; LODI, A. C. B.; MOURA, M. C. Escolas e escolhas: processo educacional dos surdos. In: LOPES FILHO, O. (Ed.). Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo: Roca, 1997. p. 359-400.

JUBRAN, C. C. A. S. Tópico discursivo. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: UNICAMP, 2006. p. 89-132.

JUBRAN, C.C.A.S. et al. Organização tópica da conversação. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do português falado. 3. ed. v. 2. Campinas: UNICAMP, 1996. p. 351-75.

LACERDA, C. B. F. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação de surdos. Cadernos CEDES, Campinas, v. 46, n. 19, p. 68-80, set. 1998.

LACERDA, C. B. F. A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: trabalhando com sujeitos surdos. Cadernos CEDES, Campinas, v. 50, n. 20, p. 70-83, abr. 2000.

LANE, H. A máscara da benevolência: a comunidade surda amordaçada. Lisboa: Horizontes pedagógicos, 1992.

MARCUSCHI, L. A. Marcadores conversacionais do português brasileiro: formas, posições e funções. In: CASTILHO, A. T. (Org.). Gramática do português falado. Campinas: UNICAMP, 1989. p. 281-321.

MARCUSCHI, L.A. Contextualização e explicitude na relação entre fala e escrita. Encontro Nacional sobre Língua Falada e Ensino, 1, 1994, Maceió. Anais..., Maceió: UFAL, 1995. p. 27-48.

MARCUSCHI, L.A. Nove teses para uma reflexão sobre a valorização da fala no ensino da língua. Revista da ANPOLL, v. 4, n. 3, p. 325-32, 1998.

MARCUSCHI, L.A. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos. In: SIGNORINI, I. et al. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado das Letras, 2001. p. 23-74.

MARCUSCHI, L.A. A presença da repetição na fala e algumas perspectivas de tratamento. Investigações: Linguística e Teoria Literária, Recife, v. 2, p. 31-47, dez. 2002.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e letramento como práticas sociais. In: MARCUSCHI, L. A.; DIONÍSIO, A. P. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 31-55.

MONREAL, S. T. et al. (Coord.). Deficiencia auditiva: aspectos psicoevolutivos y educativos. Granada: Aljibe, 1995.

PERDONCINI, G. Prefácio. In: PERDONCINI, G.; COUTO-LENZI, A. Audição é o futuro da criança surda. Rio de Janeiro: Aipeda, 1996. p. 7-10.

PERDONCINI, G.; COUTO-LENZI, A. Audição é o futuro da criança surda. Rio de Janeiro: Aipeda, 1996.

QUADROS, R. M. Linguística contrastiva – o ensino da língua escrita para surdos via língua de sinais. II Congresso Latino-Americano de Bilinguismo para Surdos. Rio de Janeiro, 1993.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

RISSO, M. S. “Agora... o que eu acho é o seguinte...”: um aspecto da articulação do discurso no português culto falado. In: CASTILHO, A. T. (Org.). Gramática do português falado. 2. ed., v. 3. Campinas: Unicamp, 1996a. p. 31-60.

RISSO, M.S. O articulador discursivo “então”. In: CASTILHO, A. T.; BASILIO, M. (Org.). Gramática do português falado. v. 4. Campinas: Unicamp, 1996b. p. 423-51.

RISSO, M.S. Marcadores discursivos basicamente sequenciadores. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: UNICAMP, 2006. p. 427-96.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M. O.; URBANO, H. Marcadores discursivos: traços definidores. In: KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do português falado. 2. ed. Campinas: Unicamp/FAPESP, 1997. v. 6, p. 21-94.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M. O.; URBANO, H. Traços definidores dos marcadores discursivos. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Unicamp, 2006. p. 403-25.

SALLES, H. M. M. L. et al. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília: MEC/SEESP, 2004.

SÁNCHEZ, C. M. La increíble y triste historia de la sordera. Caracas: CEPROSORD, 1990.

SANTOS, L. H. M.; DIAS, M. G. B. B. Compreensão de textos em adolescentes surdos. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 14, n. 3, p. 241-9, set/dez. 1998.

SANTOS, M. T. M.; NAVAS, A. L. G. P. Distúrbios de leitura e escrita. In: SANTOS, M. T. M.; NAVAS, A. L. G. P. (Org.). Distúrbios de leitura e escrita: teoria e prática. Barueri: Manole, 2002. p. 27-74.

SKLIAR, C.; MASSONE, M.; VEINBERG, S. El acceso de los niños sordos al bilinguismo y al biculturalismo. Revista Infancia y Aprendizaje, Madrid, v. 2, n. 69/70, p. 85-100. 1995.

SOUZA, R. M. Língua de sinais e língua majoritária como produto de trabalho discursivo. Cadernos CEDES, Campinas, v. 46, n. 19, p. 57-67, set. 1998.

TYE-MURRAY, N. Foundations of aural rehabilitation: children, adults and their family members. San Diego: Singular, 1998.

URBANO, H. Marcadores discursivos basicamente interacionais. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: UNICAMP, 2006. p. 497-527.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.17.1.119-141

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c)



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)