A análise funcionalista e o estabelecimento de quadros categoriais na gramática

Maria Helena de Moura Neves

Abstract


O estudo, comprometido com uma visão funcionalista dagramática, toma como objeto de análise as classes de palavras,buscando mostrar que a rigidez categorial não se sustenta no usolinguístico. A amostra de análise apresentada parte das soluçõesdos dicionários no registro das classes de palavras, especialmentenos casos de fluidez categorial manifestada no uso. Tomam-se comoevidências aspectos da gramaticalização em português, defendendoque a organização gramatical da língua dispõe de propriedadesque sustentam os processos de deslizamento categorial, por maissingulares que possam parecer ao exame.

Keywords


Funcionalismo; Fluidez categorial; Gramaticalização.

References


ARISTOTLE. Categories and De interpretation. Translated by J. L. Ackrill. Oxford: Clarendon Press, 1963.

BANDEIRA, M. Estrela da vida inteira. In: Poesias Reunidas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1966. p. 196.

BORBA, Francisco da Silva (Coord.). Dicionário gramatical de verbos do português contemporâneo do Brasil. 2. ed. 1 reimpressão. São Paulo: Ed. UNESP, 1997 [1990].

BORBA, Francisco da Silva (Coord.). Dicionário de usos do português do Brasil. São Paulo: Ática, 2002.

BORBA, Francisco da Silva (Org.). Dicionário UNESP do português contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2005 [2004].

BORBA, Francisco da Silva (Org.). Grande dicionário português do Brasil. São Paulo: Ed. UNESP. (no prelo).

CALDAS AULETE, F. J. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 3. ed. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1948.

COSERIU, E. Teoria del lenguaje y lingüística general. Madrid: Gredos, 1967 [1951].

FERREIRA, A. B. de H. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

HEINE, B.; CLAUDI, U.; HÜNNEMEYER, F. Grammaticalization: a conceptual framework. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JACKENDOFF, R. Categorization, semantics and cognition. Cambridge: MIT Press, 1983a.

JACKENDOFF, R. Semantics and cognition. Cambridge: MIT Press, 1983b.

LABOV, William. The boundaries of words and their meaning. In: BAILEY, C.-J.; SHUY, R. W. (Ed.). New ways of analyzing variation in English. Washington: Georgetown University Press, 1973, p. 340-373.

LAKOFF, G. Women, fire and other dangerous things: What categories reveal about the mind. Chicago and London: The University of Chicago Press, 1987.

LANGACKER, R. W. Foundations of cognitive grammar: Theoretical Prerequisites. Stanford: Stanford University Press, 1987. v.1. Descriptive Applications.

NEVES, M. H. M. Guia de uso do português. Confrontando regras e usos. São Paulo: Ed. UNESP, 2003.

NEVES, M. H. M. A vertente grega da gramática tradicional: uma visão do pensamento grego sobre a linguagem. 2. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2005.

NEVES, M. H. M. A difusa zona adverbial. Revista Linguistica, Alfal, v. 20, p. 25-47, 2008.

NEVES, M. H. M. Ensino de língua e vivência de linguagem: temas em confronto. São Paulo: Contexto, 2010a.

NEVES, M. H. M. Categorização e multifuncionalidade. Léxico e gramática. Revista Linguistica, Alfal, v. 23, p.59-80, 2010b.

NEVES, M. H. M. Gramaticalização, discursividade e determinações cognitivo-perceptuais. In: LIMA-HERNANDES, M. C. (Org.). Gramaticalização em perspectiva: cognição, textualidade e ensino. São Paulo: Paulistana, 2010c. p. 13-26.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. 2 ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2011a [2000].

NEVES, M. H. M. Gramática e ensino: de quando facilitar complica. In: DAHLET, V. (Coord.). Ciências da linguagem e didática das línguas. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2011b. p. 259-284.

NEVES, M. H. M. Linguística funcional: princípios, temas, objetos e conexões. Guavira Letras, Três Lagoas-MS: Programa de Pós-Graduação em Letras UFMS, v. 13, n. 1, p.23-38, 2011c.

NEVES, M. H. M. A necessidade da relativização de fronteiras categoriais no estudo da linguagem. A evidência das gramaticalizações em português. In: BASTOS, N. B. (Org.). Língua Portuguesa: aspectos linguísticos, culturais e identitários. São Paulo: EDUC, 2012. p. 55-73.

NEVES, M. H. M. Fluidez categorial e organização textual: uma amostra de descrição gramatical funcional. In: BRAIT, B.; SOUZA-E-SILVA, C. Texto e discurso em perspectiva polifônica. São Paulo: Contexto. (no prelo).

PRADO E SILVA, A. (Org.). Novo Dicionário Brasileiro Melhoramentos Ilustrado. 2 ed. São Paulo: Melhoramentos, 1964.

ROSCH, E. Principles of categorization. In: ROSCH, E.; LLOYD, B. B. (Ed.). Cognition and categorization. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1978. p. 27-48.

ROSCH, E.; LLOYD, B. B. (Ed.). Cognition and categorization. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1978.

TAYLOR, J. Grammatical categories. In: ______. Linguistic Categorization: Prototypes in linguistic theory. 2 ed. Oxford: Oxford University Press, 1995 [1989].

TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Ed.). Approaches to grammaticalization: focus on types of grammatical markers. Amsterdam: John Benjamins, 1991.

WISHER, I. (Ed.). New Reflections on Grammaticalization. PA, USA: John Benjamins Publishing Company, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.20.1.99-117

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c)



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)