Em busca de uma história linguística

Esmeralda Vailati Negrão, Evani Viotti

Abstract


A Linguística Histórica brasileira tem obtido grande sucesso noentendimento das mudanças pelas quais o português vempassando, desde os tempos coloniais até os dias de hoje. De maneirageral, os estudos da área enfatizam a história interna da variante aque chamamos de português brasileiro. Neste trabalho, sugerimosque é chegada a hora de abrir mais espaço para o estudo da históriasocial de nossa língua, fazendo uma história linguística. Oportuguês brasileiro emergiu como um vernáculo colonial, emuma situação de extremo multilinguismo, caracterizada pelasinterações de falantes de línguas europeias (majoritariamente –mas não apenas – o português), línguas indígenas, línguas africanas,em toda a riqueza de suas variedades dialetais. A HistóriaLinguística que aqui propomos deve buscar subsídios parareconstruir o tipo de ecologia de contato que se criou entre osfalantes dessas diferentes línguas e o conjunto de traços linguísticosformado a partir desse contato. Desse modo, poderemos elaborarhipóteses a respeito da emergência das características do portuguêsbrasileiro que o diferem do português europeu, dando valor àcontribuição das línguas indígenas e das línguas africanas naconfiguração de sua gramática.

Keywords


Português brasileiro; Contato de línguas; Línguas ameríndias; Línguas africanas; História colonial.

References


ALENCASTRO, L. F. O Trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

ALTMAN, C. As línguas gerais sul-americanas e a empresa missionária: linguagem e representação nos séculos XVI e XVII. In: FREIRA, José Ribamar Bessa; ROSA, Maria Carlota (Org.). Línguas gerais: política lingüística e catequese na América do Sul no período colonial. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2003. p.57-83.

ARRUDA, J. J. A. O império tripolar: Portugal, Angola, Brasil. In: SCHWARTZ, S.; MYRUP, E. L. (Org.). O Brasil no império marítimo português. Bauru: EDUSC, 2009. p. 509-531.

BONVINI, E. Línguas africanas e português falado no Brasil. In: PETTER, M. M. T.; FIORIN, J. L. (Org.). África no Brasil. A formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008. p. 15-62.

BONVINI, E. Revisiter, trois siècles après, Arte da língua de Angola de Pedro Dias S.I. (1697), Première grammaire du Quimbundo. In: PETTER, Margarida; MENDES, Ronald Beline (Ed.). Proceedings of the special World Congress of African Linguistics: Exploring the African language connection in the Americas. São Paulo: Humanitas, 2009. p.15-45.

CHAUDENSON, R. Creolization of language and culture. London/New York: Routledge, 2001.

DeGRAFF, M. Against creole exceptionalism. Discussion note. Language, v.79, p. 391-410, 2003.

DeGRAFF, M. Against creole exceptionalism.(redux). Language, v. 80, p. 834-839, 2004.

DIETRICH, W.; NOLL, V. O papel do tupi na formação do português brasileiro. In: NOLL, V.; DIETRICH, W. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p.81-103.

DURANTI, A. Linguistic anthropology. Cambridge/New York: Cambridge University Press, 1997.

FIORIN, J. L. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade nas ciências humanas. Universidade de São Paulo, Ms., 2012.

GIVÓN, T. Bio-linguistics: The Santa Barbara lectures. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins Publishing, 2002.

HEINE, B.; KUTEVA, T. Language contact and grammatical change. Cambridge/New York: Cambridge University Press, 2005.

JESPERSEN, O. Progress in language. Amsterdam: John Benjamins, 1993.

LIPSKY, J. Os primeiros contatos afro-portugueses: implicações para a expansão da língua. In: CARVALHO, A. M. (Ed.). O português em contato. Frankfurt/Madrid: Vervuert/ Iberoamericana, 2009.

LOBATO, L. M. P. Sobre a questão da influência ameríndia na formação do português do Brasil. In: SILVA, Denize Elena Gracia da (Org.). Língua, gramática e discurso. Goiânia: Cânone Editorial/Grupo de Estudos de Linguagem do Centro-Oeste, 2006. p. 54-86.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MUFWENE, S. S. The ecology of language evolution. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

MUFWENE, S. S. Language evolution. Contact, competition and change. London: Continuum, 2008.

NARO, A. J.; SCHERRE, M. M. P. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

NEGRÃO, E. V.; VIOTTI, E. A estrutura sintática das sentenças absolutas no português brasileiro. Linguística, ALFAL, v. 23, p. 61-82, 2010.

NEGRÃO, E. V.; VIOTTI, E. Epistemological aspects of the study of the participation of African languages in Brazilian Portuguese. In: PETTER, M.M.T.; VANHOVE, M. Portugais et langues africaines. Études afro-brésiliennes. Paris: Karthala, 2011. p. 13-44.

PAIXÃO DE SOUSA, M. C. Sintaxe e história do português nos 1600. 2004. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, 2004.

PAIXÃO DE SOUSA, M. C. Linguística histórica. In: PFEIFFER, C. C.; NUNES, J. H. (Org.). Introdução às ciências da linguagem: linguagem, história e conhecimento. Campinas: Editora Pontes, 2006. p.11-48.

PAIXÃO DE SOUSA, M. C. Valências verbais no português clássico. Relatório final de pesquisa de Pós-Doutorado, CNPq, Ms., 2008.

PETTER, M. M. T. Variedades linguísticas em contato: português angolano, português brasileiro, português moçambicano. 2008. Tese (Livre Docência) – Universidade de São Paulo, 2008.

RODRIGUES, A. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.

RODRIGUES, A. As línguas gerais sul-americanas. Papia, v.2, n.4, p. 6-18, 1996.

RODRIGUES, A. Tupi, tupinambá, línguas gerais e o português do Brasil. In: NOLL, V.; DIETRICH, W. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p.27-47.

SAMPAIO, T. O tupi na geografia nacional. São Paulo: Editora Nacional, (1987 [1901]).

SAPIR, E. Language. An introduction to the study of speech. New York/London: Harcourt Brace Jovanovich, (1949 [1921]).

SILVA NETO, S. A língua portuguesa no Brasil: problemas. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1960.

SILVA NETO, Seraphim. Introdução ao estudo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Presença, (1980[1950].

WEINREICH, U.; LABOV, W.; NERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola Editorial, (2006[1968]).




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.20.2.309-342

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c)



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)