Sobre a classificação gradual das preposições

Lou-Ann Kepla

Abstract


O presente artigo está ancorado na Neurolinguística de orientação enunciativo-discursiva. A demanda por uma proposta de classificação gradual (em oposição à tradicional classificação categorial) das preposições surgiu quando nos propusemos a tarefa de descrever o funcionamento das preposições na fala de sujeitos que apresentam uma linguagem heterogênea. Nestes casos, as classificações correntes das preposições não se mostraram satisfatórias. Os motivos pelos quais preferimos uma classificação que dispõe as preposições numa escala de acordo com os seus graus de gramaticalização serão dispostos depois de feita uma revisão da literatura sobre as classificações das preposições. As classificações propostas por diferentes gramáticos são analisadas juntamente com aquelas adotadas por linguistas preocupados em descrever a linguagem agramática de sujeitos com afasia de produção.

Keywords


Preposições; Classificação; Graus de gramaticalização; Agramatismo

References


Gramáticas consultadas

ABREU, M. de; MOURA, G. de. Regência verbal. Editora Livraria Freitas Bastos S/A, 1957.

ALMEIDA, N. M. de. Gramática metódica da língua portuguesa. 22. ed. São Paulo: Edição Saraiva, 1969.

AZEVEDO FILHO, L. A. de. Gramática básica da língua portuguesa. Editora Fundo de Cultura, 1966.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 11. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 1999.

BRANDÃO, C. Sintaxe clássica portuguesa. Belo Horizonte: Imprensa da Universidade de Minas Gerais, 1963.

CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da língua portuguesa. 41. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1998.

COUTINHO, I. de L. Pontos de gramática histórica. 7. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979.

CUNHA, C. Gramática do português contemporâneo. Belo Horizonte: Editora Bernardo Álvares S.A., 1970.

CUNHA, C. Gramática de Base. Rio de Janeiro: FENAME, 1979.

DUDEN. Die Grammatik. Mannheim, Leipzig, Wien, Zürich: Dudenverlag, 1998.

GÓIS, C. Sintaxe de Regência. 8. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1957.

LIMA, R. Gramática normativa da língua portuguesa. 36. ed. Rio de Janeiro: José Olympo, 1998.

LUFT, C. P. Moderna Gramática Brasileira. 6. ed. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1985.

MELO, G. C. Gramática fundamental da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1970.

NASCENTES, A. O problema da regência. 2. ed. Rio de Janeiro / São Paulo: Livraria Freitas Bastos S.A., 1960.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

SAMPAIO, B. Elementos de Gramática portuguesa. Campinas: Editora Livraria João Amêndola, 1953.

SAVIOLI, F.P. Gramática em 44 lições. 21. ed. São Paulo: Editora Ática, 1991.

SOUZA LIMA, M. P. Grammatica expositiva da língua portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

TÔRRES, A. A. Moderna gramática expositiva da língua portuguesa. 15.ed. Rio de Janeiro: Editôra Fundo de Cultura, 1963.

VILELA, M. & KOCH, I. V. Gramática da Língua Portuguesa. Coimbra: Livraria Almeida, 2001.

Demais textos consultados

BASTIAANSE, R. Broca’s aphasia: a syntactic and/or a morphological disorder? A case study. Brain and Language, v. 48, p. 1-32, 1995.

BAUDUSCH, S. Zur Semantik der Präpositionen. Zeitschrift für Phonetik, Sprachwissenschaft und Kommunikationsforschung, v. 37, n. 1, p. 89-93, 1984.

BERG, M. B. A natureza categorial da preposição. Revista de Estudos da Linguagem, v. 7, n. 1, p. 107-125, 1998.

BORSLEY, R. D.; JAWORSKA, E. On polish PPs. Linguistics, v. 27, n. 2, p. 245-57, 1989.

CORMACK, A.; BREHENY, R. Projections for functional categories. UCL Working Papers in Linguistics, v. 6, p. 35-63, 1994.

DAHL, Ö. The maturation of linguistic patterns. Stockholm. Manuscrito, 2001.

DI MEOLA, C. Präpositionale Rektionsalternation unter dem Gesichtspunkt der Grammatikalisierung: Das Prinzip der “maximalen Differenzierung”. In: CUYCKENS, H.; RADDEN, G. (Ed.). Perspectives on prepositions. Linguistische Arbeiten, 454, p. 101-131, 2002.

EMONDS, J. Projecting indirect objects. The Linguistic Review, v. 10, n. 3,

p. 211-265, 1993.

FRIEDERICI, A. Syntactic and semantic processes in aphasic deficits: The availability of prepositions. Brain and Language, v. 15, p. 249-258, 1982.

FRIEDERICI, A. Levels of processing and vocabulary types: Evidence from online comprehension in normals and agrammatics. Cognition, v. 19, p. 133-166, 1985.

FRIEDERICI, A.; SCHÖNLE, P.; GARRETT, M. Syntactically versus semantically based computations: processing of prepositions in agrammatism. Cortex, v. 18, p. 525-534, 1982.

FRIEDERICI, A. D.; WESSELS, J. M. I.; EMMOREY, K.; BELLUGI, U. Sensitivity to inflectional morphology in aphasia: a real-time processing perspective. Brain and Language, v. 43, p. 47-64, 1992.

GONÇALVES, S. C. L.; LIMA-HERNANDES, M. C.; CASSEB-GALVÃO, V. (Org.). Introdução à gramaticalização. São Paulo: Parábola, 2007.

GORSKI, E. M. Níveis de integração de cláusulas para + infinitivo. Estudos Lingüísticos, v. 29, p. 88-102, 2000.

GRODZINSKY, Y. Syntactic representations in agrammatic aphasia: the case of prepositions. Language and Speech, v. 31, p. 115-134, 1988.

GUINDASTE, R. M. G. O agramatismo: um estudo de caso em português. 1996. Tese (Doutorado em Linguística) – IEL / Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

HALLIWELL, J. F. Korean agrammatic production. Aphasiology, v. 14, p. 1187-1205, 2000.

HASPELMATH, M. Why is grammaticalization irreversible? Linguistics, v. 37, p. 1043-1068, 1999.

HOPPER, P. J.; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

HUDSON, D. Syntax without functional categories. UCL Working Papers for Linguistics, v. 9, p. 253-281, 1997.

ILARI, R.; CASTILHO, A. T.; ALMEIDA, M. L. L.; KLEPPA, L.; BASSO, R. M. A Preposição. In: ILARI, R.; NEVES, M. H. M. (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil.Campinas: Editora da Unicamp, 2009. v. 2, p. 623-804.

JESPERSEN, O. The Philosophy of Grammar. London: George Allen & Unwin Ltd. [ 1924], 1948.

KLAUS, C. Grammatik der Präpositionen: Studien zur Grammatikographie. Linguistik International, v. 2, p. 225-228, 1999.

KLEPPA, L. Preposições ligadas a verbos na fala de uma criança em processo de aquisição de linguagem – ou – “Vamo de a pé no carro do vovô?” 2005. Dissertação (Mestrado) – IEL/UNICAMP, Campinas, 2005.

KLEPPA, L. Preposições mais gramaticalizadas em dicionários escolares. Veredas On Line, v. 1, p. 112-128, 2008a.

KLEPPA, L. Preposições ligadas a verbos na fala de uma criança em processo de aquisição de linguagem e de dois sujeitos agramáticos em processo de reconstrução de linguagem – ou: “Eu e você? Diferente.”. 2008. Tese (Doutorado) – IEL/ UNICAMP, Campinas, 2008b.

LARSON, R. “Missing prepositions” and the analysis of English free clauses. Linguistic Inquiry, v. 18, n. 2, p. 239-267, 1987.

LEHMANN, C. Grammaticalization: synchronic variation and diachronic change. Lingua e Stile, v. 20, p. 303-318, 1985.

LONGHIM, R. S. A gramaticalização da perífrase conjuncional SÓ QUE. 2003. Tese (Doutorado em Linguística) – IEL, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

LONZI, L.; LUZZATTI, C. Omission of prepositions in agrammatism and the universal grammar constraint of recoverability. Brain and Language, v. 51, p. 129-132, 1995.

MEISEL, J. M. Prepositions in object and adverbial constructions. Lingua, v. 31, n. 2+3, p. 213-236, 1973.

MENN, L.; OBLER, L. K. Agrammatic aphasia: A cross-language narrative sourcebook. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1990.

NESPOULOUS, J-L.; DORDAIN, D.; PERRON, C.; SKA, B.; BUB, D.; CAPLAN, D.; MEHLER, J.; LECOURS, A. R. Agrammatism in sentence production without comprehension deficits: reduced availability of syntactic structures and/ or of grammatical morphemes? A case study. Brain and Language, v. 33, p. 273-296, 1988.

NILLIPOUR, R. Agrammatic language: two cases from Persian. Aphasiology, v. 14, p. 1205-1242, 2000.

OUHALLA, J. Functional categories, Agrammatism and Language Acquisition. Linguistische Berichte, v. 143, p. 3-37, 1993.

POGGIO, R. M. G. F. Gramaticalização de preposições documentadas na edição crítica “A mais antiga versão dos Diálogos de São Gregório”. Estudos Linguísticos, v. 29, p. 393-398, 2000.

POGGIO, R. M. G. F. Processos de gramaticalização de preposições do latim ao português. Uma abordagem funcionalista. Salvador: EDUFBA, 2002.

RAPOSO, E.P. Categorias funcionais na gramática gerativa. Delta, v. 9, n. 2, p. 237-275, 1993.

RAUH, G. Präpositionen: eine geschlossene Klasse? Die Neueren Sprachen, v. 89, p. 476-489, 1990.

RAUH, G. Grammatische Kategorien. In: Theorie des Lexikons: Arbeiten des Sonderforschungsberreichs, 282. Wuppertal / Köln: Universität Wuppertal & Universität Köln. 1993.

RAUH, G. Prepositions, features and projections. In: CUYCKENS, H.; RADDEN, G. (Ed.). Perspectives on prepositions. Linguistische Arbeiten, v. 454, p. 3-25, 2002.

SILVA, M. C. P. O emprego das preposições em francês. Estudos Lingüísticos, v. 23, p. 1358-1364, 1999.

SQUARTINI, M. Verbal periphrases in Romance: aspect, actionality and grammaticalization. Berlin / New York: Mouton de Gruyter, 1998.

STENZEL, A. Development of prepositional case in a bilingual child. Linguistics, v. 34, n. 5, p. 1029-1059, 1996.

STOLZ, T. Flexion und Adpositionen, flektierte Adpositionen, adpositionelle Flexion. Zeitschrift für Phonetik, Sprachwissenschaft und Kommunikationsforschung, v. 43, n. 3, p. 334-354, 1990.

TESAK, J. Dutch telegraphese. Linguistics, v. 32, p. 325-344, 1994.

TESAK, J.; DITTMANN, J. Telegraphic style in normals and aphasics. Linguistics, v. 29, p. 1111–1137, 1991.

WUNDERLICH, D. How do prepositional phrases fit into compositional syntax and semantics? Linguistics, v. 29, n. 4, p. 591-623, 1991.

ZWARTS, J. Lexical and functional properties of prepositions. In: HAUMANN, D.; SCHIERHOLZ, S. J. (Ed.). Lexikalische und grammatische Eigenschaften präpositionaler Elemente. Linguistische Arbeiten, v. 371, p. 1-19, 1997.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';





e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional