Concepções de leitura na Provinha Brasil: convergência/divergência dos PCN

Daniela Carvalho Andrade, Denise Lino Araújo

Abstract


O objetivo central desta pesquisa foi o de analisar as concepções de leitura presentes nas questões da Provinha Brasil. Nossos objetivos específicos foram: 1. apontar os conhecimentos de leitura avaliados na Provinha Brasil; 2. escrever a(s) concepção(ões) de leitura assumida(s) pelos PCNs; 3. relacionar as concepções de leitura observadas na Provinha e nos PCN. Utilizamo-nos basicamente dos estudos sobre concepções de leitura, resenhados por Koch e Elias (2006); os sobre avaliação formadora, apresentados por Hadji (2001); e sobre avaliação em larga escala, apresentados por KEMIAC (2011). Ao relacionarmos a Provinha Brasil com os PCN, vimos que as concepções de leitura abordadas pela Provinha atendem, em parte, ao que sugerem os PCN de ensino fundamental I, uma vez que trazem questões centradas na língua enquanto código. No entanto, não é essa a concepção de leitura que, segundo os PCN, possibilita a formação de um leitor competente, e sim a concepção de leitura enquanto interação. Constatamos na Provinha Brasil a predominância de questões que abordam a concepção de leitura ascendente com foco no texto em detrimento de questões que consideram a leitura enquanto prática interativa.

Keywords


leitura; Provinha Brasil; avaliação em larga escala

References


ANDRÉ, Marli Eliza D. A.; PASSOS, Laurizete F. Avaliação escolar: desafios e perspectivas. In: CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. P. de. Ensinar a ensinar. São Paulo: Pioneira, 2002. p.177-195.

ANDRIOLI, Antônio Inácio. As políticas educacionais no contexto do neoliberalismo. Revista espaço acadêmico, n. 13, ano II, jun./2002. Disponível em http://www.espacoacademico.com.br/013/13andrioli.htm. Acesso em: 17 jul. 2011.

BENEVIDES, A.S. A leitura como prática dialógica. In: ZOZZOLLI, R. M. D.; OLIVEIRA, M. B. de (Org.). Leitura, escrita e ensino. Maceió: EDUFAL, 2008. p. 87-110.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria Normativa n. 10 de 24 de abril de 2007. Disponível em: http://provinhabrasil.inep.gov.br/legislação. Acesso em: 17 jul. 2011.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. CASA CIVIL. Decreto n. 6.094 de 24 de abril de 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2007/decreto/d6094.htm. Acesso em: 29 mar. 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: caderno do aluno - Leitura, teste 1, 2011a.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: guia de Aplicação - Leitura, teste 1, 2011b.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: guia de correção e interpretação dos resultados - Leitura, teste 1, 2011c.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: reflexões sobre a prática - Leitura, teste 1, 2011d.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: caderno do aluno - Leitura, teste 2, 2011e.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: guia de Aplicação - Leitura, teste 2, 2011f.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: guia de correção e interpretação dos resultados - Leitura, teste 2, 2011g.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. PRESIDÊNCIA DO INEP. DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Kit Provinha Brasil: reflexões sobre a prática - Leitura, teste 2, 2011h.

BRASIL, SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1997.

COLAÇO, S. F. Níveis de Processamento de sentido. Texto apresentado no II SENALE. Pelotas: UCE Pel, 1999. 29 mar. 2012.

CARVALHO, Lilian Rose da Silva. Saresp 2005: As vicissitudes da avaliação em uma escola da rede estadual. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – USP, 2008.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura)

GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1984. (Coleção na sala de aula)

HADJI, Charles. Compreender que a avaliação formativa não passa de uma utopia promissora. In: ______. Avaliação desmistificada. Tradução Patrícia Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 15-25.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. 22. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2003.

KATO, Mary. O aprendizado da leitura. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

KEMIAC, Ludmila. O exame nacional do ensino médio como gênero do discurso. 2011. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Ensino) – Universidade Federal de Campina Grande – PB, 2011.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006. p. 9-56.

KRASILCHIK, Myriam. As relações pessoais na escola e a avaliação. In: CASTRO, A. D.; CARVALHO, A. M. P. de. Ensinar a ensinar. São Paulo: Pioneira, 2002. p.165-175.

MARCHUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 228-281.

MELCHIOR, Maria Celina. Avaliação pedagógica: função e necessidade. 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1999.

MENEGHEL, Stela M.; LAMAR, Adolfo Ramos. Avaliação como construção social: reflexões sobre as políticas de avaliação da educação no Brasil. In: SOBRINHO, José Dias; RISTOFF, Dilvo I. (Org.). Avaliação democrática: para uma universidade cidadã. Florianópolis: Insular, 2002. p. 145-163.

ORLANDI, E. P. A produção da leitura e suas condições. In: BARZOTTO, V. H. (Org.). Estado de Leitura. Campinas – SP: Mercado de Letras, 1999. p. 47-59. (Coleção Leituras no Brasil)

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SILVA C. M. M. B.; SILVA NETO, J. G. O livro didático de português e a prática docente: análise da concepção de linguagem. In: LEAHY-DIOS, C. (Coord). Docência da Língua Portuguesa: experiências contemporâneas. Niterói: C.L., 2008. p. 161-185.

SOBRINHO, José Dias; RISTOFF, Dilvo I. Introdução. In: SOBRINHO, José Dias; RISTOFF, Dilvo I. (Org.). Avaliação democrática: para uma universidade cidadã. Florianópolis: Insular, 2002. p. 7-12.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.21.2.173-215

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c)



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)