Análise do discurso ecológica: fundamentação teórico-metodológica

Elza Kioko Nakayama Nenoki do Couto, Davi Borges de Albuquerque

Abstract


Este artigo tem como objetivo apresentar os principais aspectos da teoria e da metodologia da Análise do Discurso Ecológica (ADE). A análise do discurso ecológica (ADE) que é apresentada neste trabalho se encontra inserida na linguística ecossistêmica, que faz parte da corrente ecolinguística praticada no Brasil. Desta maneira, o presente trabalho está organizado da seguinte maneira: após a introdução, serão apresentados os pressupostos filosóficos e ecológicos da ADE, na seção (1); em (2), será comentada a teoria da linguística ecossistêmica; em (3), serão discutidos os aspectos teóricos da linguística e das diferentes teorias da análise do discurso em que a ADE se baseia; em (4), serão apontados alguns procedimentos de análise para a ADE; finalmente, em (5), serão feitas as considerações finais.

Keywords


ecolinguística; metodologia; análise do discurso.

References


ALEXANDER, Richard; STIBBE, Arran. From the analysis of ecological discourse to the ecological analysis of discourse. Language sciences, v. 41, p. 104-110, 2014.

ARAUJO, Gilberto P. O conhecimento etnobotânico dos Kalunga: uma relação entre língua e meio ambiente. Tese (Doutorado em Linguística) – Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2014a.

ARAUJO, Gilberto P. As inter-relações entre língua e meio ambiente com base no conhecimento etnobotânico Kalunga. In: COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do Imaginário, Ecolinguística e Metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014b. p. 161-174.

AVELAR FILHO, João. As Rezadeiras de Goiás: construção e reconstrução da memória. ENCONTRO BRASILEIRO DE IMAGINÁRIO E ECOLINGUÍSTICA – EBIME, 1., 2013, Goiânia. Anais...Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2013.

AVELAR FILHO, João. A memória nos rituais da reza: uma obrigação social das lembranças. ENCONTRO INTERNACIONAL, 1.; ENCONTRO NACIONAL DO GELCO (GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO CENTRO-OESTE), 7., 2014, Cidade de Goiás. Anais... Cidade de Goiás: Universidade Estadual de Goiás, 2014.

BANG, Jørgen C.; DØØR, Jørgen. Language, Ecology and Society. A Dialectical Approach. Editado por Sune Vork Steffensen e Joshua Nash. Londres: Continuum, 2007.

BORGES, Lorena A. Usar ou não usar cobaias animais? O discurso sob a perspectiva da análise do discurso ecológica. ENCONTRO INTERNACIONAL, 1.; ENCONTRO NACIONAL DO GELCO (GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO CENTRO-OESTE), 7., 2014, Cidade de Goiás. Anais...Cidade de Goiás: Universidade Estadual de Goiás, 2014.

BOOKCHIN, Murray. What is social ecology? In: ZIMMERMAN, M. E. (Org.). Environmental philosophy: from animal rights to radical ecology. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1993.

BRANDÃO, Heloanny. Discursos ecológicos e ascensão econômico-social: a Friboi sob um olhar da análise do discurso ecológica. ENCONTRO INTERNACIONAL, 1.; ENCONTRO NACIONAL DO GELCO (GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO CENTRO-OESTE), 7., 2014, Cidade de Goiás. Anais...Cidade de Goiás: Universidade Estadual de Goiás, 2014.

CALVET, Louis-Jean. Pour une écologie des langues du monde. Paris: Plon, 1999.

CARVALHO, Isabel C.; STEIL, Carlos Alberto. A sacralização da natureza e a ‘naturalização’ do sagrado: aportes teóricos para a compreensão dos entrecruzamentos entre saúde, ecologia e espiritualidade. Ambiente & sociedade, v. 11, n. 2, p. 208-305, 2008.

COUTO, Hildo H. do. Ecolingüística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus Editora, 2007.

COUTO, Hildo H. do. O tao da linguagem: um caminho suave para a redação. Campinas: Pontes, 2012.

COUTO, Hildo H. do. O que é ecolinguística, afinal? Cadernos de Linguagem & Sociedade, v. 14, n. 1, p. 275-312, 2013.

COUTO, Hildo H. do. Linguística ecossistêmica crítica ou análise do discurso ecológica. In: COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do imaginário, ecolinguística e metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014. p. 27-41.

COUTO, Hildo H. do; COUTO, Elza N. N. do; BORGES, Lorena A. O. Análise do discurso ecológica (ADE). Campinas: Pontes Editores, 2015.

COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do imaginário, ecolinguística e metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014.

COUTINHO, Ricardo S. O mito verde: um diálogo entre Barthes e a ecolinguística crítica. In: COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do imaginário, ecolinguística e metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014. p. 205-214.

DOURADO-PINHEIRO, Zilda. A linguagem da capoeira: uma interpretação ecolinguística e mítica. ENCONTRO INTERNACIONAL, 1.; ENCONTRO NACIONAL DO GELCO (GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO CENTRO-OESTE), 7., 2014, Cidade de Goiás. Anais...Cidade de Goiás: Universidade Estadual de Goiás, 2014.

DUNCK-CINTRA, Ema M. Bilinguismo de memória como gênese para ressignificação e fortalecimento do ecossistema básico do povo indígena chiquitano. In: COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do imaginário, ecolinguística e metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014. p. 175-186.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. UnB, 2001.

FILL, Alwin. Ökologie: Eine Einführung. Tübingen: Gunter Narr Verlag, 1993.

FINKE, Peter. Identity and manifoldness: New perspectives in science, language and politics. In: FILL, Alwin; MÜHLHÄUSLER, Peter (Org.). The Ecolinguistics Reader. Language, Ecology and Environment. Londres: Continuum, 2001. p. 84-90.

GEE, James P. Introduction to Discourse Analysys. Theory and Method. Nova York: Routledge, 2010.

GÜNTHER, Hartmut; ELALI, Gleice A.; PINHEIRO, José Q. A abordagem multimétodos em estudos pessoa-ambiente: características, definições e implicações. Série Textos de Psicologia Ambiental, n. 23, Laboratório de Psicologia Ambiental, UnB, 2004.

GÜNTHER, Hartmut; ROZESTRATEN, Reinier J. A. Psicologia ambiental: considerações sobre sua área de pesquisa. Série Textos de Psicologia Ambiental, n. 10, Laboratório de Psicologia Ambiental, UnB, 2005.

HARRIS, Roy. Introduction to integrational linguistics. Oxford: Pergamon, 1998.

HYLAND, Ken; PALTRIDGE, Brian. (Ed.). Continuum Companion to Discourse Analysis. Londres: Continuum, 2011.

JONES, Rodney H. Data Collection and Transcription in Discourse Analysis. In: HYLAND, Ken; PALTRIDGE, Brian. (Ed.). Continuum Companion to Discourse Analysis. Londres: Continuum, 2011. p. 9-21.

MAKKAI, Adam. Ecolinguistics: ¿Toward a new **paradigm** for the science of language? Londres: Pinter Publishers, 1993.

MARTIN, James R. Positive discourse analysis: Solidarity and change. Revista Canaria de Studios Ingleses, n. 49, p. 179-200, 2004.

MARTIN, James R. Vernacular deconstruction: undermining spin. D.E.L.T.A, v. 22, n. 1, p. 177-203, 2006.

MATOS, Francisco G. et al. Ecolinguagem. In: COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do imaginário, ecolinguística e metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014. p. 215-224.

NAESS, Arne. The shallow and the deep, long-range ecology movement: a summary. Inquiry, v. 16, p. 95-100, 1973.

NAESS, Arne. Ecology, community and lifestyle. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

NASH, Joshua. Insular toponymies: pristine place-naming on Norfolk Island, South Pacific and Dudley Peninsula, Kangaroo Island, South Australia. 2011. Tese (Doutorado em Linguística) – School of Humanities, University of Adelaide, Adelaide, Austrália. 2011a.

NASH, Joshua. Norfolk Island, South Pacific: an empirical ecolinguistic case study. AUMLA – Journal of the Australasian Universities Language and Literature Association, v. 116, p.83-97, 2011b.

NASH, Joshua. Insular Toponymies. Pristine Place-naming on Norfolk Island, South Pacific and Dudley Peninsula, Kangaroo Island. Amsterdam: John Benjamins Publishing, 2013.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. Unicamp, 1995.

RAMOS, Rui. O discurso do ambiente na imprensa e na escola: uma abordagem linguística. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2009.

SANTOS, Boaventura S. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 1996.

SCHMALTZ NETO, Genis F. Quando magos dispensam caldeirões: a questão da linguagem no vale do amanhecer. ENCONTRO INTERNACIONAL, 1.; ENCONTRO NACIONAL DO GELCO (GRUPO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO CENTRO-OESTE), 7., 2014, Cidade de Goiás. Anais...Cidade de Goiás: Universidade Estadual de Goiás, 2014.

SIQUEIRA, Kênia M. F. Toponímia: a nomeação dos lugares sob a ordem do imaginário. In: COUTO, Elza N. N. do; DUNCK-CINTRA, Ema M.; BORGES, Lorena A. O. (Org.). Antropologia do imaginário, ecolinguística e metáfora. Brasília: Thesaurus, 2014. p. 151-160.

TRAMPE, Wilhelm. Ökologische Linguistik. Grundlagen einer ökologischen Wissenschafts- und Sprachtheorie. Opladen: Westdeutscher Verlag, 1990.

VIAN JR., Orlando. Gêneros do discurso, narrativas e avaliação nas mudanças sociais: A análise de discurso positiva. Cadernos de linguagem e sociedade, v. 11, n. 2, p. 78-96, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.23.2.485-509

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2015 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional