A propósito da “síntese brasileira” nos estudos de gêneros

Benedito Gomes Bezerra

Abstract


Resumo: Em publicações recentes, pesquisadores estrangeiros têm mencionado a existência de uma “síntese brasileira” nos estudos de gêneros (textuais/discursivos), a qual teria sido impulsionada pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e pelo Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais (SIGET), configurando-se como um modelo teórico alternativo, uma quarta ou quinta grande tendência mundial de estudos de gêneros, capaz de conciliar abordagens linguísticas, retóricas, sociológicas e pedagógicas. O aludido modelo brasileiro encontraria suas bases teóricas e metodológicas na Escola de Genebra e no interacionismo sociodiscursivo. Este trabalho tem como objetivo discutir o estatuto da “síntese brasileira” conforme defendida principalmente por Bawarshi e Reiff ([2010] 2013), mas também por Swales (2012), a partir de um levantamento panorâmico das abordagens teóricas correntes no país, incluindo uma discussão das principais influências que marcam a pesquisa brasileira no campo dos gêneros. Para isso, uma atenção especial é dedicada a estudos que buscam mapear abordagens teóricas, bem como combinações entre abordagens, nos trabalhos de pesquisadores brasileiros, além de se realizar um exame crítico de publicações que contribuíram para a divulgação dos estudos brasileiros de gêneros no exterior e fundamentaram a hipótese da síntese. Os resultados indicam a existência de uma significativa complexidade e ecletismo nas abordagens de gêneros por autores brasileiros, ao lado da adesão a perspectivas específicas e diferenciadas, o que problematiza em muito a possibilidade de uma síntese entendida como uma perspectiva única e unificada.

Palavras-chave: gêneros; teorias de gêneros; síntese brasileira.

Abstract: In recent publications, foreign researchers have mentioned the existence of a “Brazilian synthesis” in genre studies, which would have been driven by the Brazilian National Curriculum Parameters (PCN) and by the International Symposium on Genre Studies (SIGET), presenting itself as an alternative theoretical model, a fourth or fifth major world trend in genre studies, able to conciliate linguistic, rhetorical, sociological, and pedagogical approaches. The alluded Brazilian model would find its theoretical and methodological bases in the Geneva School and in the socio-discursive interactionism. This paper aims at discussing the statute of the “Brazilian synthesis” as advocated mainly by Bawarshi and Reiff ([2010] 2013), as well as by Swales (2012), taking as a starting point a panoramic view of the theoretical approaches current in the country, including a discussion of the main influences that characterize Brazilian research in the field of genre. Special attention is given to studies that map theoretical approaches as well as combinations among approaches in the works of Brazilian researchers. In addition, this study performs a critical analysis of publications that contributed to disseminating Brazilian genre studies outside of Brazil, and that therefore provided a ground for the synthesis’ hypothesis. The results indicate both the existence of significant complexity and eclecticism in the approaches on genre by Brazilian authors and the adoption of specific and differentiated perspectives, what brings serious objections to the possibility of a synthesis, if understood as a singular and unified perspective.

Keywords: Genre; Genre Theory; Brazilian Synthesis.


Keywords


Genre; Genre Theory; Brazilian Synthesis.

References


ARAÚJO, J.; BEZERRA, B. G. (Org.). Dossiê Biasi-Rodrigues. Linguagem em (Dis)curso, Unisul, v. 12, n.1, p. 181-364, jan./abr. 2012.

BAWARSHI, A.; REIFF, M. J. Gênero: história, teoria, pesquisa, ensino. São Paulo: Parábola, [2010] 2013.

BAZERMAN, C.; BONINI, A.; FIGUEIREDO, D. (Ed.). Genre in a changing world. Fort Collins, West Lafayette: The WAC Clearinghouse, Parlor Press, 2009.

BHATIA, V. K. Analysing genre: language use in professional settings. London: Longman, 1993.

BHATIA, V. K. Worlds of written discourse: a genre-based view. London: Continuum, 2004.

BHATIA, V. K. Interdiscursivity in critical genre analysis. In: BONINI, A.; FIGUEIREDO, D.; RAUEN, F. (Org.). In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON GENRE STUDIES (SIGET), 4., 2007, Tubarão/SC. Proceedings… Tubarão: Unisul, 2007. v. 1, p. 391-400.

BHATIA, V. K. Towards critical genre analysis. In: BHATIA, V. K.; FLOWERDEW, J.; JONES, R. H. (Ed.). Advances in discourse studies. London: Routledge, 2008. p. 166-177.

BHATIA, V. K. Análise de gêneros hoje. In: BEZERRA, B. G.;

BIASI-RODRIGUES, B.; CAVALCANTE, M. M. (Org.). Gêneros e sequências textuais. Recife: EDUPE, 2009. p. 159-195.

BHATIA, V. K. Interdiscursivity in professional communication. Discourse and Communication, Sage Journals, v. 4, n. 1, p. 32-50, 2010.

BHATIA, V. K. Critical reflections on genre analysis. Ibérica, Castellón – Espanha, Universitat Jaume, v. 24, p. 17-28, 2012.

BIASI-RODRIGUES, B.; BEZERRA, B. G. Propósito comunicativo em análise de gêneros. Linguagem em (Dis)curso, Unisul, v. 12, n. 1, p. 231-249, jan./abr. 2012.

BONINI, A. Análise crítica de gêneros discursivos no contexto das práticas jornalísticas. In: SEIXAS, L.; PINHEIRO, N. F. (Org.). Gêneros: um diálogo entre comunicação e linguística. Florianópolis: Insular, 2013. p. 103-120.

BONINI, A. Critical genre analysis and professional practice: the case of public contests to select professors for Brazilian public universities. Linguagem em (Dis)curso, Unisul, v. 10, n. 3, p. 485-510, set./dez. 2010.

BONINI, A.; FIGUEIREDO, D.; BAZERMAN, C. Introduction. L1: Educational Studies in Language and Literature, Springer Link, v. 9, n. 2, p. 1-5, 2009.

BONINI, A.; FIGUEIREDO, D.; BAZERMAN, C. (Ed.). L1: Educational Studies in Language and Literature: L1 Studies in Brazil, Springer Link, v. 9, n. 2, 2009.

CESPES, L. L. S. L. Gêneros interpessoais e ensino: interação em práticas sociais. 2009. Dissertação (Mestrado) – UFRJ/FL/Programa de Letras Vernáculas/Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, 2009.

COSTA, I.; BEZERRA, B. G. Análise crítica de gêneros textuais: o guia eleitoral recontextualizado. Intersecções, Jundiaí, UniAnchieta, v. 6, n. 3, p.76-91, nov. 2013.

FIGUEIREDO, D.; BAZERMAN, C.; BONINI, A. (Ed.). Editorial. Linguistics and Human Sciences, Sheffield, United Kingdom, v. 3, n. 1, p. 1-2, 2007.

GOMES-SANTOS, S. N. A linguística textual na reflexão sobre o conceito de gênero. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 44, p. 315-323, Jan./Jun. 2003.

HYON, S. Genre in three traditions: implications for ESL. TESOL Quarterly, Wiley Online Library, n. 30, p. 693-722, 1996.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MARTIN, J. E.; ROSE, D. Working with discourse: meaning beyond the clause. London; New York: Continuum, 2003.

MEURER, J. L. Análise crítica de gêneros textuais. In: INPLA, 11., 2001, São Paulo. Caderno de Resumos... São Paulo: PUC/SP, 2001. p. 202-203.

MEURER, J. L. Uma dimensão crítica do estudo de gêneros textuais. In: MEURER, J. L.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). Gêneros textuais e práticas discursivas: subsídios para o ensino da linguagem. Bauru: EDUSC, 2002. p. 17-29.

MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005.

MOTTA-ROTH, D. Análise crítica de gêneros: contribuições para o ensino e a pesquisa de linguagem. D.E.L.T.A., PUC-SP, v. 24, n. 2, p. 341-383, 2008.

MOTTA-ROTH, D. Análise crítica de gêneros com foco em notícias de popularização da ciência. In: SEIXAS, L.; PINHEIRO, N. F. (Org.). Gêneros: um diálogo entre comunicação e linguística. Florianópolis: Insular, 2013. p. 121-143.

PEREIRA, T. C. The psychiatric interview: practice in/of the clinic. Linguistics and Human Sciences, Sheffield, United Kingdom, v. 3, n. 1, p. 25-46, 2007.

PEREIRA, R. A.; RODRIGUES, R. H. Perspectivas atuais sobre gêneros do discurso no campo da linguística. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura Letra Magna, v. 5, n. 11, p. 1-18, 2009.

SILVA, N. I.; BEZERRA, B. G. O conceito de gênero em artigos científicos sobre ensino de língua materna: repercussões de quatro tradições de estudos. In: APARÍCIO, A. S. M.; SILVA, S. R. Gêneros textuais e perspectivas de ensino. Campinas: Pontes, 2014. p. 17-48.

SILVEIRA, M. I. M. Análise de gênero textual: concepção sócio-retórica. Maceió: EDUFAL, 2005.

SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

SWALES, J. M. Research genres: exploration and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. Doi: https://doi.org/10.1017/CBO9781139524827.

SWALES, J. M. A text and its commentaries: toward a reception history of “Genre in three traditions” (Hyon, 1996). Ibérica, Castellón, Espanha, Universitat Jaume, n. 24, p. 103-116, 2012.

VIAN JR., O. Beyond the three traditions in genre studies: a Brazilian perspective. In: ARTEMEVA, Natasha; FREEDMAN, Aviva (Ed.). Trends and traditions in genre studies. Edmonton, AB, Canada: Inkshed Publications, 2015. p. 1-17.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.24.2.465-491

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2016 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)