Diferenças entre dialogismo e polifonia

Lucas Vinício de Carvalho Maciel

Abstract


Resumo: É por vezes polêmico o uso que se tem feito dos termos “dialogismo” e “polifonia” em estudos que se valem das discussões bakhtinianas. Ao lado de pesquisadores que tomam os vocábulos praticamente como sinônimos, outros estudiosos condenam veemente o emprego de uma expressão por outra. Dada essa conjuntura, pretende-se, no escopo deste artigo, indicar alguns pontos a serem considerados quando se fizer necessário distinguir dialogismo e polifonia. São esses pontos: a amplitude do diálogo; as relações entre microdiálogo, diálogo composicionalmente expresso e grande diálogo; a questão do diálogo inconcluso (BAKHTIN, 1929/1963). A partir dessa discussão, esboça-se um conciso painel dos modos pelos quais os conceitos de polifonia e dialogismo veem sendo abordados em pesquisas atuais, discutindo as possibilidades e os limites dessas diferentes assimilações. O intuito não é criticar quaisquer usos dos termos ou apropriações dos conceitos, mas reforçar que a polifonia não se diferencia dialogismo simplesmente porque, à diferença deste, conjugaria várias vozes ou vozes polemicamente orientadas.

Palavras-chave: polifonia; dialogismo; relações dialógicas; Círculo de Bakhtin; romance polifônico.

Abstract: There are controversies regarding the use of the terms “dialogism” and “polyphony”. Some researchers practically turn the two words into synonyms, while another part of the academy condemns vehemently the use of these terms as if they had the same meaning. Given this situation, some points that can be taken into consideration when there is a need to point out the difference between dialogism and polyphony are indicated along this article. The dialogue amplitudes, the relations between microdialogue, compositionally expressed dialogue and great dialogue, and the inconclusive dialogue (BAKHTIN, 1929 [1963]) are the points we aim to work with. From this discussion, a brief framework is outlined to present the ways through which the concepts of polyphony and dialogism have been approached in current researches, discussing the possibilities and the limits of these different assimilations. It is not our intention to criticize any of the uses or appropriations of these concepts, but to reinforce that polyphony’s characteristic of putting several voices or polemically oriented voices together is not the only thing that differentiates it from dialogism.

Keywords: Polyphony; Dialogism; Dialogic Relations; Bakhtin Circle; Polyphonic Novel.


Keywords


Polyphony; Dialogism; Dialogic Relations; Bakhtin Circle; Polyphonic Novel.

References


BAKHTIN, M. M. [1929/1963]. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. 2. tiragem. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

BAKHTIN, M. M. [1952-1953]. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARROS, D. L. P. [1997]. Contribuições de Bakhtin às teorias do discurso. In: BRAIT, B. (Org.) Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. 2. ed. ver. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005. p. 25-36.

BEZERRA, P. Polifonia. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2005. p. 191-200.

BIANCHI, F. O “Sonhador” de A senhoria, de Dostoiévski: um “homem supérfluo”. 2006. 175f. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: língua portuguesa. Brasília, DF: MEC / SEF, 1998.

BRAIT, B. [1994]. As vozes bakhtinianas e o diálogo inconcluso. In: BARROS, D. L. P.; FIORIN, J. L. (Org.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade: em torno de Bakhtin. 2. ed. 2. reimpr. São Paulo: EDUSP, 2011.

DOSTOIÉVSKI, F. M. [1881]. Os irmãos Karamázov. Tradução, prefácio e notas de Paulo Bezerra. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2008.

EMERSON, C. [1997]. Os 100 primeiros anos de Mikhail Bakhtin. Tradução de Pedro Jorgensen Jr. Rio de Janeiro: DIFEL, 2003.

FARACO, C. A. [2003]. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. 2. ed. Curitiba: Criar Edições, 2006.

FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p. 161-193.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção do sentido. Campinas: Contexto, 1997.

MARCUZZO, P. Diálogo inconcluso: os conceitos de dialogismo e polifonia na obra de Mikhail Bakhtin. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 36, p. 2-10, jun. 2008. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/cadernosdoil. Acesso em: 2 ago. 2015.

SCHNAIDERMAN, B. [1997]. Bakhtin 40 graus (Uma experiência brasileira). In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. 2. ed. rev. Campinas: Editora da Unicamp, 2005.

TEZZA, C. Entre a prosa e a poesia: Bakhtin e o formalismo russo. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.24.2.580-601

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2016 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)