Grupo focal e prática de pesquisa em AD: metodologia em perspectiva dialógica

Poliana Coeli Costa Arantes, Bruno Deusdará

Abstract


Resumo: Este texto propõe uma discussão a respeito dos impasses metodológicos com os quais um analista do discurso se confronta ao optar pelo acesso aos “dados” por meio de pesquisa de campo. Serão apresentadas reflexões sobre a produção e análise de “dados” em contextos de interação e, finalmente, exemplificações do percurso metodológico em pesquisa que investiga o universo da prática de leitura por meio da realização de grupos focais.

Palavras-chave: pesquisa de campo; grupo focal; Análise do Discurso.

Abstract: The aim of this paper is to introduce a discussion about the methodological impasses that a discourse analyst confronts accessing the “data” through the methodology of field research. We will show reflections on the production and analysis of “data” in interaction contexts and exemplifications of the methodological course in a research that investigates the reading practices using the method of focus groups.

Keywords: field research; focus group; discourse analysis.


Keywords


field research; focus group; discourse analysis.

References


AGUIAR, K.; ROCHA, M. L. Micropolítica e o exercício da pesquisa-intervenção: referenciais e dispositivos em análise. Psicologia – Ciência e Profissão, v. 27, p. 648-663, 2007.

AMORIM, M. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa, 2004.

ARANTES, P. O jornal popular brasileiro e o Boulevardzeitung alemão: análise do discurso jornalístico em produção e em recepção. 2013. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. (a partir do francês) Maria Emantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BARBOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Bookman; Artmed, 2009.

DEUSDARÁ, B. Pragmática e discurso: a noção de texto em questão. Desenredo, Passo Fundo, v. 9, n. 2, p. 340-357, 2013.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. e org. de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento das prisões. 29. ed. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2004a.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004b.

FOUCAULT, M. A Verdade e as formas jurídicas. Trad. Roberto Machado e Eduardo Morais. Rio de Janeiro: Nau, 2005a.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Trad. de Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005b.

FOUCAULT, M. O poder psiquiátrico: curso dado no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005. (Pesquisa em Educação, v. 10).

GUATTARI, F. 1985 – Microfísica dos poderes e Micropolítica dos desejos. In: QUEIROZ, A.; CRUZ, N. V. (Org.). Foucault hoje? Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. p. 33-41.

HENRY, P. Os fundamentos teóricos da “análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania S. Mariani et al. Campinas: Unicamp, 1997.

KRUEGER, R. A. Quality control in focus group research. In: MORGAN, D. L. (Org.). Successful Focus Groups: advancing the state of the art. Newbury Park: Sage, 1993. https://doi.org/10.4135/9781483349008.n5.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

MARIANI, B.; MEDEIROS, V. Disciplinarização dos estudos em Análise do Discurso. Gragoatá, Niterói, n. 34, p. 15-25, jan.-jun. 2013.

MORGAN, D. L. Focus groups as qualitative research. London: Sage, 1997. https://doi.org/10.4135/9781412984287.

PASSOS, E.; KASTRUP, V. Sobre a validação da pesquisa cartográfica: acesso à experiência, consistência e produção de efeitos. Fractal, v. 25, n. 2, p. 391-414, maio-ago. 2013.

ROCHA, D. Representar e intervir: linguagem, prática discursiva e performatividade. Linguagem em (Dis)curso, v. 14, p. 619-632, 2014.

ROCHA, D.; SANT’ANNA, V. L. A.; DAHER, M. C. F. G. A entrevista em situação de pesquisa acadêmica: reflexões numa perspectiva discursiva. Polifonia, Mato Grosso, v. 8, p. 161-180, 2004.

WILKINSON, S. How useful are focus groups in feminist research? In: BARBOUR, R. S.; KITZINGER, J. (Ed.). Developing focus group research: politics, theory and practice. London: Sage, 1999. p. 64-78. https://doi.org/10.4135/9781849208857.n5.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.2.791-814

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2016 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)