O lugar nos estudos toponímicos: reflexões

Karylleila Santos Andrade

Abstract


Resumo: Este texto parte da seguinte questão norteadora: qual é a posição ou status que lugar ocupa nos estudos toponímicos? O objetivo geral é discutir lugar como categoria na disciplina toponímia para, em seguida, propor seu alargamento conceptual. Utilizar-se-á a abordagem teórica da Geografia Cultural e Humanista, a partir do viés da Fenomenologia, como também, os princípios teórico-metodológicos da disciplina Toponímia. É uma pesquisa de cunho qualitativa e interpretativista. Conclui-se, nesta etapa do trabalho, que lugar pode ser interpretado como categoria, pois trata-se da extensão/apreensão das relações (motivações) as quais são estabelecidas entre o homem e o próprio nome de lugar: é a sua gênese. O alçamento, enquanto categoria central, deu-se com uma discussão prévia das categorias espaço, território, paisagem e lugar. Daí o conceito em uma dimensão analítica: motivacional, histórica, linguística, ideológica, social, identitária. Quanto à sua extensão semântica, essa acontece no plano da abstração do vínculo que se estabelece entre o denominador e o designatum: como sentimento de pertencimento, afetividade, mundo vivido e experienciado.

Palavras-chave: lugar; categoria; toponímia; geografia cultural e humanista.

Abstract: This paper stems from the following guiding question: what is the position or status that place occupies in toponymic studies? The overall objective is to discuss place as a category in toponymic studies and, then, to propose an extension for its concept. We will use the theoretical approach of Cultural and Humanistic Geography, from the the point of view of Phenomenology, and also the theoretical and methodological principles of Toponymy as a discipline. It is a research of qualitative and interpretative nature. It can be concluded, at this stage of the work, that place can be interpreted as a category because it is the extension/seizure of relations (motivation) that are established between man and the place name itself: it is its genesis. Its rising, as a nuclear category, was achieved after prior discussion of space, territory, landscape and place categories. Hence the concept in an analytical dimension: motivational, historical, linguistic, ideological, social, identitary. As for its semantic extension, this happens in the abstraction plan of the bond that is established between the denominator and the designatum: as sense of belonging, affection, world lived and experienced.

Keywords: place; category; toponymy; cultural and humanistic geography.


Keywords


place; category; toponymy; cultural and humanistic geography.

References


ANDRADE, Karylleila dos Santos. Os nomes de lugares em rede: um estudo com foco na Interdisciplinaridade. Revista Eletrônica de Linguística Domínios de Linguagem, v. 6, n. 1, p. 205-225, mar.-jun 2012.

ANDRADE, Karylleila dos Santos. Atlas toponímico de origem indígena do estado do Tocantins: Atito. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2010.

AZEVEDO, J. G. A tessitura do conhecimento em redes. In: OLIVEIRA, I. B.; ALVES, N. (Org.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. 157p.

BOEMER, Magali Roseira. A condução de estudos segundo a metodologia de investigação fenomenológica. Rev. Latino-am. de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 2, n. 1, p. 83-94, jan. de 1994. Disponível em: http://ftp.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/1350494711.pdf. Acesso em: 16 de out. de 2014.

CARVALHINHOS, Patrícia de Jesus. Onomástica e Lexicologia: o léxico toponímico com catalisador e fundo de memória. Estudo de caso: os sociotopônimos de Aveiro (Portugal). Revista USP, São Paulo, n. 56, p. 172-179, dez.-fev. 2002.

CHAUÍ, Marilena. Experiência do pensamento. Ensaios sobre a obra de Merleau-Ponty. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

CLAVAL, Paul. A Geografia Cultural. 2. ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 2001.

CLEMENT et al. Dicionário prático de filosofia. Terramar: Lisboa, 1994.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Revista pela nova ortografia. Rio de Janeiro: Lexicon, 2010.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e antroponímia no Brasil: Coletânea de estudos. 2. ed. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas da FFLCH/USP, 1990.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Etnia e etnicidade. Um novo modo de nomear. Projeto ATESP/ATB. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; FINATTO, Maria José Bocorny. As Ciências do léxico. v. IV. Campo Grande: Ed. UFMS, 2008. p.177-198.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A toponímia como meio de investigação linguística e antropocultural. In: ISQUERDO, Aparecida Negri (org). Estudos geolinguísticos e dialetais sobre o português. Campo Grande: Ed. UFMS, 2008a. p. 215-231.

DUARTE, André. Heidegger e a linguagem: do acolhimento do ser ao acolhimento do outro. Nat. hum. [online]. v.7, n.1, p. 129-158, 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/nh/v7n1/v7n1a04.pdf. Acesso em: 5 nov. 2014.

FONSECA, Gustavo Solis. La gente pasa, los nombres quedan... Introduccíon en la toponímia. Lengua e Sociedad: Lima, 1997.

HOLZER, Werther. O conceito de lugar na geografia cultural-humanista: uma contribuição para a geografia contemporânea. GEOgraphia, ano V, n. 10, p. 113-123, 2003. Disponível em: http://www.uff.br/geographia/. Acesso em: 24 out. 2014.

ISQUERDO, Maria Aparecida Negri; SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. A trilha dos “buritis” no vocabulário onomástico-toponímico: um estudo na toponímia de Minas Gerais e de Mato Grosso do Sul. In: BARROS, Lídia Almeida; ISQUERDO, Maria Aparecida Negri (Org.). O léxico em foco. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

KANTOR, Íris. Usos diplomáticos da ilha-Brasil: polêmicas cartográficas e historiográficas. Varia História, Belo Horizonte, v. 23, n. 37, p. 70-80, jan.-jun. 2007.

LAKATOS, Eva. M; MARCONI, Marina A. Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas, 1991.

MAIA, Adriano Correa; ALVES, Flamorian Dutra. Categoria e epistemologia: reflexões teórico-metodológicas na ciência geográfica. Encontro de Grupos de Pesquisa em Educação ANAIS V e Território, novembro de 2009.

MELLO, João Baptista Ferreira de. A humanística perspectiva do espaço e do lugar. Revista ACTA Geográfica, ano v, n. 9, p. 7-14, jan.-jun. 2011. Disponível em: http://revista.ufrr.br/index.php/actageo/article/view/429. Acesso em: 24 out. 2014.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PEREIRA, Carolina Machado Rocha Busch. Geografias de mundo reveladas nas canções de Chico Buarque. 2013. 150f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

PERIUS, Cristiano. A definição da fenomenologia: Merleau-Ponty leitor de Husserl. Trans/Form/Ação, Marília, v. 35, n. 1, p. 137-146, jan.-abr. 2012. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas. Acesso em: 24 out. 2014.

ROSENTAL, M. M.; IUDIN, P. F. Dicionário filosófico. 3. ed. v. ABC. Editorial Estampa: Lisboa, 1972.

SANTOS, Milton. La naturaleza del espacio. Técnica y tiempo – razón y emoción. Barcelona: Ariel Geografía, 2000.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Ensaios de ontologia fenomenológica. 7. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1997.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Espaço geográfico uno e múltiplo. Scripta Nova Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, Universidad de Barcelona, n. 93, 15 jul. 2001. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn-96.htm. Acesso em: 23 out. 2014.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia. Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Eduel: Londrina, 2012.

ULLMANN, S. Semântica: uma introdução ao significado. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.2.585-607

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2016 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)