Contextualizando a educação continuada de professores de línguas estrangeiras no Brasil

Vanderlice dos Santos Andrade Sól

Resumo


RESUMO:A expressão “Educação Continuada” (EC) ou “Formação Continuada” aparece nos documentos oficiais brasileiros de maneira ampla e genérica, compreendendo qualquer tipo de atividade que venha a contribuir para o desempenho profissional. Muitos documentos intitulam de programas de EC os que formam professores das redes municipais e estaduais (aqueles professores chamados de professores leigos), tanto em nível médio quanto superior. O objetivo deste artigo é contextualizar e problematizar a educação continuada de professores de línguas estrangeiras (LE) no Brasil. A trajetória teórico-metodológica deste estudo ancora-se na teoria do discurso e nos estudos da Linguística Aplicada. Mediante a análise dos discursos que circulam nos documentos oficiais sobre a EC, pode-se dizer, a partir do panorama ora apresentado, que diversos órgãos do poder público brasileiro chancelam a EC em âmbito geral, mas os incentivos parecem não alcançar todas as áreas do conhecimento. Nessa perspectiva, vale indagar como se vêm realizando propostas de educação continuada em línguas estrangeiras no Brasil e quais incentivos existem de fato. As reflexões suscitadas pelo estudo revelam que as legislações se constituem a partir de processos históricos e são fruto de negociações sociais, políticas e ideológicas que, ao mesmo tempo em que abrem espaço para as iniciativas de EC, também as circunscrevem a partir de discursos do que se considera ensinar e aprender um LE no contexto brasileiro. A partir dessa contextualização da educação continuada, é importante trazer tais discussões para o campo da Linguística Aplicada ao ensino de LE, para produzir reflexões para esse campo.

PALAVRAS-CHAVE: educação continuada; língua estrangeira; formação de professores.

  

ABSTRACT:The term "Continuing Education" (CE) appears in Brazilian official documents widely and generally, including any kind of activity that will contribute to the professional performance. Many of these official documents name CE programmes those that train teachers from municipal and state school systems (those teachers called lay teachers), those without secondary and graduated levels. This paper aims at contextualizing and discussing the continuing education of foreign language teachers (EFL) of English language in Brazil. The theoretical-methodological trajectory of this study is based on discourse theories and applied linguistics studies. Through the analysis of the discourses circulating in official documents about the CE, it is possible to state, from the presented scenario, that several Brazilian public authorities approve the CE in general context, but the encouragements do not seem to reach all areas of knowledge. Through this perspective, it is worth asking how have the proposals for continuing education in foreign languages in Brazil been developed and what kind of actions have been put into practice. Reflections arising from this paper reveal that the laws are formed by historical processes and are the result of social, political and ideological negotiations, which seem to give opportunities for changes, however end up been limited by representations about what means to teach and learn a foreign language in the Brazilian context. Summing up, from these perspectives about continuing education, it is important to bring such discussions to the field of applied linguistics to EFL teaching to produce reflections for this field.

KEYWORDS: continuing education; foreign language; teacher education.


Palavras-chave


educação continuada; língua estrangeira; formação de professores.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, D. R. Crenças de professores de inglês de escolas públicas sobre o papel do bom aprendiz: um estudo de caso. 2004. 177 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

ARRUDA, C. O processo de ressignificação de crenças e de mudança na prática pedagógica de um professor de inglês em educação continuada. 2008. 141 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade enunciativa. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, IEL, n. 19, p. 25-42, jul./dez. 1990.

BANCO MUNDIAL. Education sector strategy. Washington: Banco Mundial, 1999.

BANCO MUNDIAL. Priorités et stratégies pour l’education: un étude de la Banque Mondiale. Washington: Banco Mundial, 1995.

BANCO MUNDIAL. Education sector strategy. Washington: Banco Mundial, 1999.

BARCELOS, A. M. F.; COELHO, H. S. H. Desafios de professores e formador de professores em um projeto de educação continuada. Trabalho apresentado no I CLAFPL, Florianópolis, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 10 out. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf. Acesso em: 5 ago. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Ministerial n. 1403/2003. Sistema Nacional de Certificação e Formação Continuada de Professores da Educação Básica, 2003a.

BRASIL. Ministério da Educação. Rede Nacional de Formação Continuada de Professora de Educação Básica: orientações gerais – catálogo 2006. Brasília, DF: MEC, 2006b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Rede/catalg_rede_06.pdf. Acesso em: 10 out. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Proformação: avaliação externa. Brasília, DF: MEC, 2003b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Portaria n. 81, 2006. Programa de Formação Continuada para Supervisores de Curso, Professores Formadores e Tutores do Proformação, 2006a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Ensino Fundamental. Programa de Desenvolvimento Profissional Continuado: parâmetros em ação. Brasília: UNESCO/Fundação Vitor Civita. Ofício de professor na América Latina. Brasília, DF, 2002. p. 137-146.

BRASIL. Ministério da Educação. Sistema Nacional de Formação Continuada e Certificação de Professores – toda criança aprendendo. Brasília, DF: MEC, 2003c.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf. Acesso em: 5 ago. 2013.

CELANI, M. A. A. (Org.). Professores e formadores em mudança: relato de um processo de reflexão e transformação da prática docente. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

CHARLOT, B. Educação e globalização: uma tentativa de colocar ordem no debate. Sísifo – Revista de Ciências da Educação, Lisboa, n. 4, p. 129-136, set./dez. 2007.

CORACINI, M. J. O olhar da ciência e a construção da identidade do professor de língua. In: CORACINI, M. J; BERTOLDO, E. S. (Org.). O desejo da teoria e a contingência da prática: discursos sobre e na sala de aula (língua materna e estrangeira). Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 193-210.

DERRIDA, J. Papel-máquina. Tradução de Evando Nascimento. São Paulo: Edições Liberdade, 2004.

DERRIDA, J. Posições. Tradução de Maria Margarida Correia Calvente Barahona. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. [1. ed., 1972].

DUTRA, D. P.; MELLO, H. R. Pesquisas em linguagem: o que elas revelam sobre um projeto de educação continuada. In: TELLES, J. A. (Org.). Formação inicial e continuada de professores de línguas: dimensões e ações na pesquisa e na prática. Campinas: Pontes Editores, 2009. p. 67-82.

DUTRA, D. P.; MELLO. H. R. Educação continuada: diálogos entre ensino, pesquisa e extensão. Campinas: Pontes Editores, 2013.

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO – UNESCO, DACAR, 2000.

García, C. M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, A. (Ed.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 13-33.

GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 57-186, jan./abr. 2008.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. (Org.). Escola S. A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE, 1999. p. 9-49.

GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. V. Educação de professores de línguas: os desafios do formador. Campinas: Pontes Editores, 2008.

GIMENEZ, T.; CRISTÓVÃO, V. L. L. (Org.). Teaching English in context: contextualizando o ensino de Inglês. Londrina: UEL, 2006.

GIMENEZ, T. Ensinar a aprender ou ensinar o que aprendeu? In: LIMA. D. C. (Org.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo, SP: Parábola, 2009, p. 107-112.

HON, F. S. Deslocamentos identitários de professores no discurso sobre sua prática de avaliação no processo de educação continuada. 2009. 176 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

JORGE, M. L. S. O diálogo colaborativo na formação continuada de professores de inglês. 2005. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

MRECH, L. M. M. Mas afinal, o que é educar? In: MRECH, L. M. (Org.). O impacto da psicanálise na educação. São Paulo: Avercamp, 2005. p. 13-32.

NEVES, M. S. Identificações subjetivas no discurso sobre avaliação de aprendizagem após um curso de educação continuada. Horizontes, Bragança Paulista, v. 26, n. 2, p. 21-29, jul./dez. 2008.

OLIVEIRA, S. B. Hermes e bonecas russas: um estudo colaborativo para compreender a relação teoria-prática na formação docente. 2006. 248 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

PREAL. Formação de formadores. 2004. Disponível em: http://www.preal.org. Acesso em: 10 set. 2007.

PROGRAMA de Desenvolvimento Profissional para Professores de Língua Inglesa nos Estados Unidos (PDPI). Fundação Capes, 12 ago. 2010. Disponível em: http://www.capes.gov.br/cooperacao-internacional/estados-unidos/certificacao-em-lingua-inglesa. Acesso em: 23 jun. 2016.

REIS, V. S. O diário de aprendizagem de língua estrangeira (inglês) sob a perspectiva do processo discursivo. 2007. 144 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

ROMERO, T. A interação coordenador e professor: um processo colaborativo? 1998. 210 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1998.

SÓL, V. dos S. A. A prática reflexiva de uma formadora de professores e de duas professoras em formação. 2004. 118 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

SÓL, V. dos S. A. Trajetórias de professores de inglês egressos de um projeto de educação continuada: identidades em (des)construção. 2014. 259 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação Superior no Século XXI: visão e ação. In: CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE ENSINO SUPERIOR, 1998, Paris. Anais... Paris: UNESCO, 1998. p. s/p.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (Org.). Prática de ensino de língua estrangeira: experiências e reflexões. Campinas: Pontes Editores, ArteLíngua, 2004.

ZANARDINI, I. M. S. A reforma do Estado e da educação no contexto da ideologia da pós-modernidade. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 245-270, jan./jun. 2007. Disponível em http://www.perspectiva.ufsc.br/perspectiva_2007_01/13-Isaura.pdfhttp://www.perspectiva.ufsc.br/perspectiva_2007_01/13-Isaura.pdf. Acesso em: 10 jan. 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.9.1.173-186

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.