Estudando os comportamentos online: premissas e desafios no desenvolvimento de um painel de utilizadores da Internet / Studying online behaviors: assumptions and challenges in the development of a panel of Internet users

Branco Di Fátima, Filipe Montargil, Sandra Miranda

Resumo


RESUMO: Este artigo apresenta e discute as premissas e desafios na construção de um painel online de utilizadores da Internet, com foco na experiência pioneira do Living Lab on Media Content and Platforms (LLMCP). Ao longo de 2018, o LLMCP desenvolveu uma extensão do GoogleChrome capaz de monitorizar, em tempo real, a navegação dos utilizadores da Internetatravés deste browser – o mais difundido entre os portugueses. Para poder iniciar a recolha de informação empírica, através de um painel online de utilizadores da Internet, o projeto adotou um conjunto de procedimentos teóricos, metodológicos e operativos no desenvolvimento tanto da ferramenta de monitorização quanto na captação de utilizadores disponíveis para a inscrição no painel. A ampla disseminação de tecnologias de informação e comunicação (TIC) tem vindo a modificar a forma como as pessoas vivem em sociedade e como organizam as suas relações sociais. Compreender a sociedade de informação passa pela criação de tecnologias e procedimentos para investigar essas novas formas de organização e estruturação dos comportamentos dos indivíduos. Para além do estudo de caso do LLMCP, este artigo problematiza brevemente o impacto dos métodos assentes na inquirição, como a entrevista e o questionário, na pesquisa dos comportamentos online. Os resultados apontam para duas linhas de raciocínio. Por um lado, para a ideia de que a adoção em massa de TIC tem vindo a contribuir para a criação de novas oportunidades, no domínio dos métodos de investigação em ciências sociais e humanas. Por outro lado, para a ideia de que as abordagens inovadoras necessitam de enfrentar os receios relacionados com a vigilância e o controlo, que afligem as sociedades hiperconectadas.

PALAVRAS-CHAVE: comportamentos; monitorização; privacidade; métodos de investigação em ciências sociais; Internet.

 

ABSTRACT: This paper presents and discusses the assumptions and challenges for developing an online panel of Internet users, focusing on the pioneering experience of the Living Lab on Media Content and Platforms (LLMCP). Throughout 2018, LLMCP developed a Google Chrome extension able to monitor, in real-time, the navigation of Internet users through this browser - the most widely used by the Portuguese. In order to initiate the collection of empirical information through an online panel of Internet users, the project adopted a set of theoretical, methodological and operational procedures in the development of both the monitoring tool and to attract participants. The dissemination of information and communication technologies (ICT) has been changing the way people live in society and how they organize their social relationships. Understanding that the information society involves the creation of technologies and procedures to investigate these new forms of organization and structuring of individuals' behaviors. In addition to the LLMCP case study, this article briefly discusses the impact of inquiry methods, such as interview and questionnaire, on online behavioral research. The results point two lines of reasoning. On the one hand, to the idea that mass adoption of ICT has contributed to the creation of new opportunities in the field of research methods in the social and human sciences. On the other hand, innovative approaches still need to overcome surveillance and control fears existing in hyper connected societies.

KEYWORDS: behaviours; monitoring; privacy; social research methods; Internet.


Palavras-chave


comportamentos; monitorização; privacidade; métodos de investigação em ciências sociais; Internet.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAPA, S. Global e-banking trends: evolution, challenges and opportunities. In: SARLAK, M. A.; HASTIANI, A. A. (Org.). E-banking and emerging multidisciplinary processes: social, economical and organizational models. Hershey, PA: Business Science Reference, 2011, p. 1-16.

ANDER-EGG, E. Introducción a las técnicas de investigación social. Buenos Aires: Humanitas, 1978.

ANDERSON, B. A.; SILVER, B. D. Measurement and mismeasurement of the validity of the self-reported vote. American Journal of Political Science, Bloomington, v. 30, n. 4, p. 771-785, 1986.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Rio de Janeiro: Vozes, 24ª Ed., 2004.

BORDENS, K. S.; ABBOTT, B. B. Research and design methods: a process approach. Nova York: McGraw-Hill, 9ª Ed., 2014.

BOURDIEU, P. A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2008.

BROWN, B. Studying the Internet experience. Bristol, Hewlett-Packard Company e HP Laboratories, 2001.

BRYMAN, A. Social research methods. Oxford: Oxford University Press, 4ª Ed., 2012.

CARDOSO, G. A mídia na sociedade em rede. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

CARDOSO, G., LAPA, T.; DI FÁTIMA, B. People are the message? Social mobilization and social media in Brazil. International Journal of Communication, Los Angeles, v. 10, p. 3909-3930, 2016.

CARRASCAL, J. P. et al. Your browsing behavior for a Big Mac: economics of personal information online. In: Atas da 22nd International Conference on World Wide Web, Rio de Janeiro: World Wide Web Consortium (W3C), 2013, p. 189-200.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

CASTELLS, M. O poder da comunicação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.

DIENLIN, T.; TREPTE, S. Is the privacy paradox a relic of the past? An in‐depth analysis of privacy attitudes and privacy behaviours. European Journal of Social Psychology, Hoboken, v. 45, n. 3, p. 285-297, 2015.

ESPANHA, R. Informação sobre saúde: as fontes de informação e a construção da autonomia. Factores de Risco, Lisboa, n. 40, p. 15-23, 2016.

FODDY, W. Como perguntar: teoria e prática da construção de perguntas em entrevistas e questionários. Lisboa: Celta, 1996.

GREEN, L. The Internet: an introduction to new media. Oxford: Berg Publishers, 2010.

HAGBURG, E. C. Validity of questionnaire data: reported and observed attendance in an adult education program. The Public Opinion Quarterly, Oxford, v. 32, n. 3, p. 453-456, 1968.

HFS RESEARCH. The state of cybersecurity and digital trust: identifying cybersecurity gaps to rethink state of the art. Cambridge: The Services Research Company™, 2016.

HUTCHINS, B.; ROWE, D. Sport beyond television: the Internet, digital media and the rise of networked media sport. Londres: Routledge, 2012.

IBOPE CONECTA. 95% dos internautas brasileiros assistem TV enquanto usam Internet. São Paulo: Ibope, 2018.

INE. Sociedade da Informação e do Conhecimento: inquérito à utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas famílias. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2017.

KENDLER, H. H.; KENDLER, T. S. A methodological analysis of the research area of inconsistent behavior. Journal of Social Issues, Hoboken, v. 5, n. 3, p. 27-31, 1949.

KOKOLAKIS, S. Privacy attitudes and privacy behaviour: a review of current research on the privacy paradox phenomenon. Computers & Security, Amsterdam, v. 64, p. 122-134, 2017.

LAI, C. Y.; LIANG, T. P.; HUI, K. L. Information privacy paradox: A neural science study, In: Atas da 22nd Pacific Asia Conference on Information Systems, Yokohama: Association for Information Systems (AIS), 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2018.

LAPIERE, R. T. Attitudes vs. Actions. Social Forces, Oxford, v. 13, n. 2, p. 230-237, 1934.

MARKTEST. Barómetro de telecomunicações – voz móvel. Lisboa: Grupo Marktest, 2018.

MARKTEST. Um dia das nossas vidas na Internet: estudo de hábitos digitais dos portugueses. Lisboa: Nova Expressão, 2015.

MARTINIR, R. Sociedade da informação: para onde vamos. São Paulo, Trevisan, 2017.

MONTARGIL, F.; MIRANDA, S.; DI FÁTIMA, B. Práticas e representações: desafios da monitorização dos comportamentos online. In: VI Congresso Internacional de Comunicação, Jornalismo e Espaço Público, Sessão 3, Coimbra, Universidade de Coimbra, 2019.

MORSE, J. Procedures and practice of mixed method design: maintaining, control, rigor and complexity, In: Tashakkori, A.; Teddlie, C. (Org.). Sage handbook of mixed methods in social & behavioral research. Los Angeles: Sage, p. 339-352, 2010.

NORBERG, P. A.; HORNE, D. R.; HORNE, D. A. The privacy paradox: personal information disclosure intentions versus behaviours. The Journal of Consumer Affairs, Hoboken, v. 41, n. 1, 2007, p. 100-126.

OBERCOM. A Internet em Portugal: sociedade em rede 2014. Lisboa: Observatório da Comunicação, 2014.

OBERCOM. A utilização de Internet em Portugal. Lisboa: Observatório da Comunicação, 2010.

PEW CENTER. Social media update 2016. Internet & Technology, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2018.

ROBERTS, J. V. The attitude–memory relationship after 40 years: a meta-analysis of the literature. Basic and Applied Social Psychology, Abingdon-on-Thames, v. 6, n. 3, p. 221-241, 1985.

SALAVERRÍA, R. Ciberperiodismo en Iberoamérica: marco general. In: SALAVERRÍA, R. (Org.). Ciberperiodismo en Iberoamérica. Barcelona: Ariel, p. 16-35, 2016.

STATCOUNTER. Top desktop, tablet & console browsers per country. Nova Yorque: Global Stats Tool, 2018.

WEST, D. M. Digital divide: improving Internet access in the developing world through affordable services and diverse content. Center for Technology Innovation at Brookings, Washington, Ed. February, p. 1-30, 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.12.1.123-137

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.