A coisificação do “eu” e a personificação da “coisa” nas redes sociais: verdades e mentiras na formação das estruturas de identidades

Jefferson Cabral Azevedo, Carlos Henrique Medeiros Souza, Rosalee Santos Istoe

Resumo


O presente artigo tem como finalidade discorrer sobre os aspectos formadores das identidades e suas relações no mundo não-virtual, o que caracteriza a formação de falsas personalidades, ou identidades, para permitir aceitação nas Redes Sociais. Esse fenômeno afeta um grande número de pessoas devido a sua rápida propagação, causando incerteza sobre o que é mentira ou verdade nas relações virtuais. Nesse espaço virtual ocorre uma coisificação do EU e uma personificação da COISA. Aos traços das falsas identidades também se dão no nível psicológico, podendo, inclusive, ser analisados sob o ponto de vista psicanalítico, sociológico, filosófico e, até certo ponto, criminal, evidenciando as estruturas de personalidades desviantes.


Palavras-chave


Redes Sociais. Psicanálise. Sociologia. Formação de Identidades.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.5.1.67-76

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.