Memes da internet e a produtividade funcional: um argumento sistêmico-funcional e crítico-discursivo para a propagação dos fenômenos

Jaime de Souza Júnior

Resumo


Neste estudo, pretendemos analisar avaliadores e avaliados, localizados via utilização da expressão memética “Que deselegante”. Para verificar, funcionalmente, como e quem/o que o usuário da expressão citada avalia, constituindo-se, assim, discursivamente, nos apoiaremos nos conceitos de Avaliatividade (MARTIN; WHITE, 2005); Dialogia e Alteridade (BAKHTIN, 1997). A funcionalidade será explorada via Linguística de Corpus (como metodologia). Extrairemos uma lista de palavras mais frequentes e listas de concordâncias baseadas em colocados, conforme Shepherd (2009), formados pelos seguintes padrões combinatórios: que deselegante + o/a/ isso, esse/a, este/ aquela/, ele/ela/, eu, você/vocês/, pessoas (eles/elas). Assim, objetivamos saber se, depois de adentrar a Internet, “Que deselegante” continuará sendo usada para avaliar ‘o outro’ via Julgamento de uma conduta (como na menção original), ou se a expressão revelará padrões de replicação novos e, consequentemente, graus de produtividade funcional, sugerindo-se, assim, uma nova característica constitutiva e perspectiva para o processo de replicação de memes da Internet.


Palavras-chave


Memes da Internet. Bakhtin. Linguística Sistêmico-funcional. Produtividade funcional. Análise Crítica do Discurso.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.6.2.106-124

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Texto Livre: Linguagem e Tecnologia
ISSN 1983-3652 (eletrônica)

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Belo Horizonte - Minas Gerais (Brasil)

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.