Um gênero polêmico: a literatura para crianças e jovens leitores

Daniela Maria Segabinazi, Renata Junqueira de Souza, Valnikson Viana de Oliveira

Resumo


Resumo: A literatura infantil e juvenil, desde o princípio, carrega a marca polêmica de ser um gênero pedagógico e estético, o que torna sua discussão sempre necessária. Desse modo, considerando os questionamentos que acompanham o gênero, pretende-se apresentar a produção contemporânea direcionada a crianças e jovens sob o viés estético, explorando obras com formas, temáticas e traços muito plurais, que rompem fronteiras e a hegemonia de gêneros literários clássicos. Nesse sentido, propomos analisar os livros O diário escondido da Serafina (2006), de Cristina Porto e Michele Iacocca, e As cartas de Ronroroso (2008), de Hiawyn Oram e Sarah Warburton, que evidenciam a mescla de gêneros em publicações totalmente híbridas e, portanto, incorporadas a um movimento artístico de desagregação do discurso narrativo a partir da variedade de formas que se encontram no cruzamento entre projeto gráfico, texto verbal, ilustração e recursos multimídias.

Palavras-chave: literatura infantil; literatura juvenil; gênero; narrativa; hibridismo.

Abstract: Children’s and young adult literature, since the beginning, have been controversial for being an aesthetic and pedagogic genre. Thus, a discussion of these features becomes necessary. Having in mind the questions raised by this genre, this paper intends to discuss, from an aesthetic perspective, contemporary productions directed to children and young readers. We will explore works with diverse forms, themes, and traits which break through the boundaries and hegemony of classic literary genres. As such, we purpose to analyze the books O diário escondido de Serafina (2006), by Cristina Porto and Michele Iacocca, and As cartas de Ronroroso (2008), de Hiawyin Oram and Sarah Warburton, which highlight a hybrid mixture of genres. These works are part of an artistic movement which aim to break down narrative discourses through various forms operating on the crossroads of the graphic project, verbal text, illustration and multimedia resources.

Keywords: children literature; youth literature; genre; narrative; hybridism.


Palavras-chave


children literature; youth literature; genre; narrative; hybridism.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRUETTO, Maria Teresa. Por uma literatura sem adjetivos. Tradução de Carmem Cacciacarro. São Paulo: Pulo do Gato, 2008.

BAKHTIN. Mikhail. Questões de literatura e de estética. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

COLOMER, Teresa. A narrativa infantil e juvenil atual. In: _____. A formação do leitor literário. Tradução de Laura Sandroni. São Paulo: Global, 2003. p. 157-373.

DILL, Luís. Todos contra D@nte. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

FURNARI, Eva. Drufs. São Paulo: Moderna, 2016.

HUNT, Peter. Crítica, teoria e literatura infantil. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

KHÉDE, Sonia Salomão. As polêmicas sobre o gênero. In: _____. (Org.). Literatura infanto-juvenil: um gênero polêmico. 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986. p. 7-16.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: uma nova outra história. Curitiba: PUCPR, 2017. E-book.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Em busca de novas linguagens. In: _____. Literatura infantil brasileira: história & histórias. São Paulo: Ática, 2004. p. 153-160.

NEITZEL, Adair de Aguiar. O jogo das construções hipertextuais. Florianópolis: Univali, 2009.

ORAM, Hiawyn. As cartas de Ronroroso: minha bruxa que não quer ser bruxa. Ilustrações de Sarah Warburton. Tradução de Áurea Akemi Arata. São Paulo: Moderna, 2008.

PAIVA. Ana Paula Mathias. A aventura do livro experimental. São Paulo/Belo Horizonte: Edusp/Autêntica, 2010.

PORTO, Cristina. O diário escondido da Serafina. Ilustrações de Michele Iacocca. São Paulo: Ática, 2006.

PORTO, Cristina. Se... Será, Serafina! Ilustrações de Michele Iacocca. São Paulo: Ática, 2002.

RAMOS, Ana Margarida. Tendências contemporâneas da literatura portuguesa para a infância e juventude: desafios atuais. In: DEBUS, Eliane; JULIANO, Dilma; BORTOLOTTO, Nelita (Org.). Literatura infantil e juvenil: do literário a outras manifestações estéticas. Palhoça, SC: Unisul, 2016. p. 31-58.

RETTENMAIER, Miguel. Da oralidade à tela: o caso da literatura infanto-juvenil. In: DEBUS, Eliane; DOMINGUES, Chirley; JULIANO, Dilma (Org.). Literatura infantil e juvenil: leituras, análises e reflexões. Palhoça, SC: Unisul, 2010. p. 116-128.

ROSENBLATT, Louise. The reader, the text, the poem: the transactional theory of the literary work. Carbondale-IL: Southern Illinois Press, 1994.

SOUZA, Gloria Pimentel C. B. A literatura infanto-juvenil brasileira vai muito bem, obrigada! São Paulo: DCL, 2006.

TODOROV, Tzvetan. Os gêneros do discurso. Tradução de Elisa A. Kossovitch. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

TURCHI, Maria Zaira; SILVA, Vera M. T. (Org.). Literatura infanto-juvenil: leituras críticas. Goiânia: Editora da UFG, 2002.

URBIM, Carlos. O negrinho do pastoreio. Porto Alegre: RBS Publicações, 2005.

YUNES, Eliane. A crítica da literatura infantil: coisa de leitor grande. In: TURCHI, Maria Zaira; SILVA, Vera M. T. (Org.). Literatura infanto-juvenil: leituras críticas. Goiânia: Ed. da UFG, 2002. p. 15-21.

ZILBERMAN, Regina. Como e por que ler a literatura infantil brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.28.1.45-60

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Daniela Maria Segabinazi, Renata Junqueira Souza, Valnikson Viana de Oliveira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.