Anastasia e pervivência em João Guimarães Rosa: vita brevis, ars longa

Marcelo Marinho, David Silva

Resumo


Resumo: Este artigo parte de um pressuposto hipotético que jamais poderá se confirmar e menos ainda se infirmar, que jamais poderá se resolver ou se dissolver em toda sua plenitude, e por aí mesmo alcançará sua pervivência (na perspectiva do Fortleben benjaminiano) e imortalidade, por meio de múltiplas tentativas de interpretação-tradução. Trata-se de um koan protobiográfico legado por Guimarães Rosa a seus leitores, que abarca o conjunto de sua obra e alcança sua morte enigmática, previamente anunciada em vários de seus escritos e em múltiplas declarações sábia e parcimoniosamente lançadas ao vento por meio de eficazes passadores de vozes. Para explicitar os elementos desse koan, e com apoio no último e conclusivo verso lançado por Rosa (“as pessoas não morrem, ficam encantadas”), o conto “Conversa de bois” será percorrido em busca de eventuais pistas de convergência temática, que prenunciariam o desenredo de Grande sertão: veredas e a morte-ressurreição de Guimarães, ocorrida exatamente três dias após a posse na Academia Brasileira de Letras. Buscamos responder à seguinte questão, no que se refere à pervivência: o que se pode inferir das alterações incidentes entre a versão original do conto (constante em Sezão, 1937) e a efetivamente publicada em Sagarana (1946)?

Palavras-chave: João Guimarães Rosa; “Conversa de bois”; pervivência; “autobiografia irracional”.

Abstract: We lay upon a hypothetical assumption which could never be entirely solved neither denied, leading itself towards its own Fortleben (Walter Benjamin) and immortality, throughout multi-level layers of critical interpretation and translations. This is related to a proto-biographical koan, a Guimarães Rosa’s legacy to his readers, which covers his whole literary work and reaches his enigmatic death, previously announced within his writings and dissolved under multiple declarations blown into the wind through efficacious voice smugglers. Thus, the short story named “Conversa de Bois” will be crisscrossed in order to bring out some possible thematic convergent paths and clues. They would announce beforehand the final outcome of Grande sertão: veredas, as well as Rosa’s death-resurrection, precisely three days after his official entrance as a member into the Brazilian Academy of Literature. We aims to answer this question, related to Rosa’s planified Fortleben: what is possible to be inferred from the amendments introduced by the author into the different versions of Sagarana (1946)?

Keywords: João Guimarães Rosa; “Conversa de bois”; Fortleben; “irrational autobiography”.


Palavras-chave


João Guimarães Rosa; “Conversa de bois”; pervivência; “autobiografia irracional”; Fortleben; “irrational autobiography”.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José de. Iracema: lenda do Ceará. Apresentação de Paulo Franchetti. Cotia: Ateliê Editorial, 2010.

ARAÚJO, Heloísa Vilhena de. O roteiro de Deus – dois estudos sobre Guimarães Rosa. São Paulo: Mandarim, 1996.

BAILLY, Anatole. Abrégé du dictionnaire grec-français. Paris: Hachette, 1901.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2008. (Cadernos Viva Voz).

BERGAMÍN, José. La importancia del demonio. Madrid: Biblioteca de Ensayo Siruela, 2006.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 1986. v. 1.

CAPPELLO, Jérôme. Le Souvenir d’Yggdrasil: recherches sur la mythologie du frêne II. 2013. 106 f. Memoire (Master II Literatures) – Université Stendhal Grenoble, Grenoble, 2013.

CARDOSO, Marília Rothier. Cadernos de Rosa: uma lição benjaminiana sobre a arte da linguagem. Revista de Letras, [Fortaleza], n. 28, v. 1-2, p. 112-115, jan.-dez. 2006. Disponível em: www.periodicos.ufc.br/revletras/article/download/2324/1791. Acesso em: 8 abr. 2018.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1999.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANDT, Alain. Dictionnaire des symboles. Paris: Robert Laffont, Jupiter, 1982.

COROMINAS, Joan. Breve diccionario etimológico de la lengua castellana. Madrid: Gredos, 1967.

DANTAS, Paulo. Sagarana emotiva: cartas de J. Guimarães Rosa. São Paulo: Duas Cidades, 1975.

FLUSSER, Vilém. A morte de Guimarães Rosa. [S.l.], novembro de 1967. Manuscrito. In: BRAGA, Mariana Fontenele. Poesia talhada em madeira: João Guimarães Rosa e Arlindo Daibert. 2014. 117 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Linguagens) – Instituto de Cultura e Arte, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014. Anexos, p. 91-92. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/10497. Acesso em: 2 abr. 2018.

HANSEN, João Adolfo. Forma, indeterminação e funcionalidade das imagens de Guimarães Rosa. In: SECCHIN, Antônio Carlos et al. (Org.). Veredas no sertão rosiano. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. p. 29-49.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. (1 CD-ROM)

KULIK, Don. Human-Animal Communication. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, CA, v. 46, p. 357-378, 2017. Disponível em: https://www.annualreviews.org/doi/10.1146/annurev-anthro-102116-041723. Acesso em: 12 abr. 2018. doi: https://doi.org/10.1146/annurev-anthro-102116-041723

LAGES, Susana Kampff. Alegoria da leitura, figuras da melancolia: a ‘tarefa do tradutor’ de Walter Benjamin. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). Leituras de Walter Benjamin. São Paulo: FAPESP, Annablume, 1999. p. 47-60.

LIMA, Sônia Maria van Dijck (Org.). Ascendino Leite entrevista Guimarães Rosa. 2. ed. João Pessoa: Editora Universitária, UFPB, 2000.

MARINHO, Marcelo. GRND SRT~: vertigens de um enigma. Campo Grande: UCDB, Letra Livre, 2001.

MARINHO, Marcelo. João Guimarães Rosa, “autobiografia irracional” e crítica literária: veredas da oratura. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 47, n. 2, p. 186-193, abr./jun. 2012. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/11315. Acesso em: 12 abr. 2018.

MARINHO, Marcelo. João Guimarães Rosa. Paris: L’Harmattan, 2003.

MENDES, Manuel Odorico. Ilíada de Homero em verso portuguez, por Manuel Odorico Mendes. Rio de Janeiro: Typographia Guttemberg, 1874.

OS NOMES do Rosa. Direção: Pedro Bial; Claufe Rodrigues. Produção: Pedro Bial. Rio de Janeiro: GNT, 1997. 1 fita VHS, son., color.

PALMÉRIO, Mário de Ascensão. Discursos acadêmicos. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2009. Tomo V: 1966-1980.

RIMBAUD, Arthur. Poésies. Paris: Grands Écrivains, 1984.

ROCHA, Luiz Otávio Savassi. Guimarães Rosa e a medicina. Scripta. Belo Horizonte, v. 5, n. 10, p. 249-256, 1. sem. 2002.

RODRIGUES, Nelson. O óbvio ululante: primeiras confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ROSA, João Guimarães et al. Em memória de Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

ROSA, João Guimarães. Aletria e hermenêutica. In: ______. Tutameia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017. p. 25-34.

ROSA, João Guimarães. Chronos kai anagke. In: _____. Antes das primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. p. 52-69.

ROSA, João Guimarães. Conversa de bois. In: _____. Sagarana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015. p. 257-285 (Coleção 50 Anos).

ROSA, João Guimarães. Correspondência com seu tradutor italiano (Edoardo Bizzarri). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1970.

ROSA, João Guimarães. O verbo e o logos. Discurso de posse na Academia Brasileira de Letras. Pronunciado em 16 nov. 1967. Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/joao-guimaraes-rosa/discurso-de-posse. Acesso em: 20 fev. 2018.

ROSA, João Guimarães. Os chapéus transeuntes. In: ______. Estas estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1976. p. 34-65.

ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

ROWLAND, Clara. A forma do meio: livro e narração na obra de João Guimarães Rosa. Campinas: Ed. da Unicamp; São Paulo: EDUSP, 2011.

SARAIVA, Antônio José. O discurso engenhoso: estudos sobre Vieira e outros autores barrocos. São Paulo: Perspectiva, 1980.

SÉNECA. Epístolas morales a Lucilio I. Tradução de Ismael Roca Meliá. Madrid: Editorial Gredos, 1986. Libros I–IX. Epístolas 1–80. (Biblioteca Clásica Gredos, 92).

SÉNECA. Epístolas morales a Lucilio II. Tradução de Ismael Roca Meliá. Madrid: Editorial Gredos, 1989. Libros X–XX; XXII. Epístolas 81–125. (Biblioteca Clásica Gredos, 129).

SÊNECA. Sobre a brevidade da vida. Tradução de William Li. Porto Alegre: L&PM, 2006.

SERRA, Joaquim Mateus Paulo. O suicídio considerado como uma das Belas Artes. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008.

SILVA, David Lopes da; VILAR, Fernanda. Guimarães Rosa “Ad Immortalitatem”: la mort et l’immortalité dans “Le verbe & le logos”. Nonada, Porto Alegre, v. 2, n. 27, p. 76-78, 2017. Disponível em: https://seer.uniritter.edu.br/index.php?journal=nonada&page=article&op=view&path%5B%5D=1588. Acesso em: 20 fev. 2018.

SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco, 1930-1964. Trad. coord. Ismênia Tunes Dantas. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

SONTAG, Susan. A estética do silêncio. In: ______. A vontade radical: estilos. Tradução de João Roberto Martins Filho. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 11-40.

SPERBER, Suzi Frankl. Caos e cosmos: leituras de Guimarães Rosa. São Paulo: Duas Cidades; Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1976.

TREVISAN, Matheus (Org.). Geórgicas I. Tradução de Antônio Feliciano de Castilho e Matheus Trevisan. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013. (Palimpsestos).

UTÉZA, Francis. João Guimarães Rosa: metafísica do Grande Sertão. São Paulo: EDUSP, 1994.

VAZ, Valteir Benedito. “Conversa de bois”, de João Guimarães Rosa: uma leitura à luz da poética do próprio autor. 2012. 133 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

VIRGILE. Les bucoliques et les georgiques. Trad. Maurice Rat. [Paris: Garnier, 1932]. Disponível em: http://bcs.fltr.ucl.ac.be/Virg/georg/georgi.html. Acesso em: 20 jan. 2019.

VIRGILIO Brazileiro. Ou tradução do poeta latino por Manuel Odorico Mendes. Paris: W. Remquet, 1858.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.28.1.253-281

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Marcelo Marinho, David Silva

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira
ISSN 0102-4809 (impressa) / ISSN  2358-9787 (eletrônica)

License

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.