“Alma”, de Itamar Vieira Junior: uma análise na perspectiva das neonarrativas de escravidão / “Alma”, by Itamar Vieira Junior: an analysis from the perspective of neo-slave narratives

Shirley de Souza Gomes Carreira

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar o conto “Alma”, de Itamar Vieira Junior, publicado na coletânea Doramar ou a odisseia: histórias (Vieira Junior, 2021), na perspectiva das neonarrativas de escravidão (Rushdy, 1997), ou seja, de narrativas que se ambientam na época do sistema escravagista e se apropriam de alguns elementos típicos dos relatos de escravos dos séculos XVIII e XIX, como a enunciação em primeira pessoa, o relato das atrocidades do regime escravocrata e da fuga. As neonarrativas de escravidão surgiram em um contexto anglófono na década de 1960, entretanto, se difundiram nos países em que o sistema escravocrata foi implantado, e há várias obras que podem ser assim compreendidas na literatura brasileira contemporânea. O artigo reflete também sobre o modo como essas narrativas produzem novas formas de experiência estética, bem como um realismo afetivo (Schøllhammer, 2013) que é evocado além da representação. No conto de Vieira Junior, o efeito de realidade está estreitamente ligado à questão étnico-racial e à intervenção na realidade receptiva (Schøllhammer, 2012, p. 130).


Palavras-chave


Alma; neonarrativa de escravidão; realismo afetivo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANIM-ADDO, J.; LIMA, M. H. The Power of the Neo-Slave Narrative Genre. Callaloo, v. 41, n. 1, p. 1-8, Winter 2018. Disponível em: https://muse.jhu.edu/pub/1/article/736806/pdf. Acesso em: 08 mar. 2023.

BELL, B. W. The Afro-American Novel and its Tradition. Amherst: University of Massachusetts Press, 1987.

CARREIRA, S. de S. G. A representação do sujeito diaspórico em O livro dos negros, de Lawrence Hill. Ilha do Desterro, Florianópolis, v. 74, n. 1, p. 385-404, jan./abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e74747. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/article/view/74747/45285. Acesso em: 10 out. 2022.

CUTI. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010. (Coleção consciência em debate).

FERREIRA JÚNIOR, R. Memory and the neo-slave novel in Colson Whitehead’s The Underground Railroad and Ta-Nehisi Coates’ The Water Dancer. Rev. Bra. Lit. Comp., Porto Alegre, v. 24, n. 46, p. 41-57, jan./abr., 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/2596-304x20222446rfj. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rblc/a/4CRyHZxVCyNJxknLMLfnnph/?format=pdf〈=en. Acesso em: 15 mar. 2023.

HAWKINS, C. Historiographic Metafiction and the Neo-Slave Narrative: Pastiche and Polyphony in Caryl Phillips, Toni Morrison and Sherley Anne Williams. 2012. Dissertação (Mestrado em Inglês) – Universidade Internacional da Flórida, Miami, 2012. Disponível em: https://digitalcommons.fiu.edu/etd/741/. Acesso em: 12 jan. 2023.

HIRSCH, M. The Generation of Postmemory: Writing and Visual Culture After the Holocaust. New York: Columbia University Press, 2012.

IZQUIERDO, I. A arte de esquecer. São Paulo: Vieira & Lent, 2004.

JESUS, A. L. G. de. A vivência do choque e a construção realista em “Alma”, de Itamar Vieira Junior. Sociopoética, Campina Grande, v. 23, n. 2, p. 83-95, 2021. Disponível em: https://revista.uepb.edu.br/SOCIOPOETICA/article/view/967. Acesso em: 15 jun. 2022.

MORRISON, T. Amada. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MORRISON, T. The Site of Memory. In: WILLIAM, Z. (ed.). Inventing the Truth: the Art and Craft of Memoir. 2. ed. rev. e exp. New York: Houghton Mifflin, 1995. p. 83-102.

MOTT, L. Piauí colonial: população, economia e sociedade. Teresina: Projeto Petrônio Portela, 1985.

NAKANISHI, D. S.; NIGRO, C. M. C. A escravidão presente na literatura afro-americana: três séculos observados. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, Belo Horizonte, v. 29, n. 2, p. 63-78, 2019. DOI: https://doi.org/10.17851/2317-2096.29.2.63-78. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/18847. Acesso em: 12 dez. 2022.

RUSHDY, A. H. A. Neo-slave Narrative. In: ANDREWS, W. L.; FOSTER, F. S.; HARRIS, T. (ed.). Oxford Companion to African American Literature. Nova York: Oxford University Press, 1997, p. 533-535.

RUSHDY, A. H. A. Neo-slave Narratives: Studies in the Social Logic of a Literary Form. New York: Oxford University Press, 1999.

SCHØLLHAMMER, K. E. Crítico fala sobre realismo e violência nas artes brasileiras. [Entrevista cedida a] Guilherme Freitas. O Globo, Rio de Janeiro, ano LXXXIX, n. 29/419, 22 fev. 2014. Caderno Prosa e Verso, p. 1-2.

SCHØLLHAMMER, K. E. Realismo afetivo: evocar realidade além da representação. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, DF, n. 39, p. 129-148, jan./jun. 2012.

SCHØLLHAMMER, K. E. Realismo afetivo: evocar realidade além da representação. In: SCHØLLHAMMER, K. E. Cena do crime: violência e realismo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: José Olympio, 2013. p. 155-185.

SMITH, V. Neo-slave Narratives. In: FISCH, Audrey (ed.). The Cambridge Companion to the African American Slave Narrative. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. p. 168-185.

VERÍSSIMO, T. C. A escravidão como mal de arquivo: apagamento e acontecimento na história do Brasil. Alea: estudos neolatinos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 149-165, set./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1517-106X/2020223149165. Disponível em: https://www.scielo.br/j/alea/a/vSYcr6smRNDmctpfB9S4dbQ/?format=pdf〈=pt.Acesso em: 10 mar. 2023.

VIEIRA JUNIOR, I. Alma. In: VIEIRA JUNIOR, I. Doramar ou a odisseia: histórias. São Paulo: Todavia, 2021. p. 31-52. E-book.

VIEIRA, L. Relatos de cativos no Brasil em 1ª pessoa revelam de forma pungente seu sofrimento. O Globo, São Paulo, 21 fev. 2015. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/historia/relatos-de-cativos-no-brasil-em-1-pessoarevelam-de-forma-pungente-seu-sofrimento-15402413#ixzz3SWL5cHJ2. Acesso em: 15 set. 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.0.0.%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Shirley de Souza Gomes Carreira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira
ISSN 0102-4809 (impressa) / ISSN  2358-9787 (eletrônica)

License

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.