Propriedades linguísticas da redação do Enem: uma análise computacional / Linguistic properties of Enem essays: a computational analysis

Roberlei Alves Bertucci

Abstract


Resumo: Este texto descreve algumas propriedades linguísticas recorrentes em textos nota 1000 do Enem. Parte-se do princípio de que o gênero redação do Enem tem características próprias, como a exposição aliada à argumentação, e que elementos como repertório e amplo uso de conectivos e modalizadores podem contribuir para a caracterização do texto. Nesta pesquisa, levando em conta o rigoroso processo de avaliação pelo qual passam, consideram-se as redações nota 1000 como exemplares prototípicos do gênero, ou seja, cumprem todos os requisitos exigidos pela banca. O corpus é constituído de 95 redações que alcançaram a nota máxima nos anos de 2014, 2018 e 2019, analisadas por meio do software Tropes, uma ferramenta computacional de análise lexical que verifica as recorrências de categorias e repertório. Os resultados mostraram que tais redações apresentam uma estrutura muito próxima àquela que se verifica na literatura sobre o tema, em especial o predomínio da estrutura impessoal (terceira pessoa), a amplitude do repertório (universo de referência), a variedade e alta frequência de conectivos e modalizadores, além da recorrência de verbos estativos, como ser. Com isso, conclui-se tanto que a ferramenta contribui para a descrição do gênero em questão quanto que os resultados fomentam um debate em torno da padronização da estrutura do texto do Enem.

Palavras-chave: gênero textual; ferramenta computacional; redação do Enem; propriedades linguísticas.

Abstract: This paper aims to describe some linguistic properties found in Enem essays graded to 1000 points, the maximal score. It considers that this genre has its own characteristics, such as the relation between exposition and argumentative types, a wide repertoire, as well as a large use of connectives and modal elements, all of them contribute to characterize this genre. In this research, by considering the strict evaluation process, it has been considered that these essays graded to 1000 points prototypically represent the genre, once that they meet the criteria required by the evaluation panel. The corpus consists of 95 essays that got 1000 points in 2014, 2018 and 2019 exams. It has been analyzed by means of Tropes, a computational tool that verifies the frequency of lexical items group them in categories and repertoire. The results show that such essays follow what the literature proposed by the genre, especially, the impersonality (third person only), the vast repertoire extension (universe of reference), the range of connectives and modal elements, besides the recurrence of stative verbs, such as ser (‘to be’). Consequently, one concludes that both the tool contributes to the genre description, and the results put forward the debate around the standardization of the Enem essay structure.

Keywords: textual genre; computational tool; Enem essay; linguistic properties.


Keywords


gênero textual; ferramenta computacional; redação do Enem; propriedades linguísticas; textual genre; computational tool; Enem essay; linguistic properties.

References


ALVES, W. M.; BESSA, J. C. R. Orientações para escrita da redação do Enem em vídeos do Youtube. Hipertextus, Recife, v. 19, n. 1, p. 1-23, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/hipertextus/article/view/247974/36463. Acesso em: 1 out. 2020.

ARAÚJO, L. S. de. O gênero entrevista radiofônica em comunidades hispânicas: um aporte da Análise Textual Automática. Domínios de Linguagem, Uberlândia, v. 11, n. 2, p. 289-312, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.14393/DL29-v11n2a2017-2. Acesso em: 1 out. 2020.

ARAÚJO, F. de C.; CUNHA, M. A. F. da. A estrutura argumental dos verbos de ação. PublICa, Natal, v. 3, n. 1, p. 28-35, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/publica/article/view/106. Acesso em: 1 out 2020.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014.

AZEVEDO, I. C. M. Organização de textos dissertativo-argumentativos em prosa: o que se percebe em dez anos de realização do Enem? In: SILVA, L. R. da; FREITAG, R. M. K. (org.). Linguagem, interação e sociedade: diálogos sobre o Enem. João Pessoa: Editora do CCTA, 2015. p. 33-50.

BARROS, M.; ALBUQUERQUE, M. G. As técnicas argumentativas e a construção de sentidos em redações do Enem. In: SEMINÁRIO DE ESTUDOS SOBRE DISCURSO E ARGUMENTAÇÃO, 2., 2015, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Editora Fale, 2015. p. 545-559.

BARTON, D.; LEE, C. Linguagem online: textos e práticas digitais. Trad. Milton Camargo Mota. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BERTUCCI, R. A. Aplicação de ferramentas para coleta e análise de dados em Linguística. Diacrítica, Braga, Portugal, v. 32, n. 3, p. 129-155, 2020. DOI: https://doi.org/10.21814/diacritica.576

BERTUCCI, R. A. Análise do argumento por definição em redações do Enem. Acta Scientiarum, Maringá, PR. (no prelo).

BERTUCCI, R. A.; MALHEIROS, A. J.; LOPES, W. de S. Ocorrências de anáforas encapsuladoras em redações do Enem. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 81-102, 2020. DOI: 10.11606/issn.2176-9419.v22i1p81-102. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/flp/article/view/164142. Acesso em: 23 nov. 2020.

BRASIL. Redação no Enem 2019: cartilha do participante. Brasília: Daeb/Inep/MEC, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/downloads/2019/redacao_enem2019_cartilha_participante.pdf. Acesso em: 1. out. 2019.

CABRAL, A. L. T. O conceito de plano de texto. Linha d’Água, São Paulo, n. 26, v. 2, p. 241-259, 2013. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/download/64266/71562/. Acesso em: 1 ago. 2019.

CAMPOS, L. V. Mais de 143 mil participantes tiraram zero na redação do Enem 2019. Brasil Escola, Site Uol, 17 jan. 2020. Disponível em: https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/enem/mais-143-mil-participantes-tiraram-zero-na-redacao-enem-2019/347183.html. Acesso em: 28 set. 2020.

CAMPOS, C. M.; RIBEIRO, J. Gêneros. In: COSTA, I. B.; FOLTRAN, M. J. (org.). A tessitura da escrita. São Paulo: Contexto, 2013. p. 23-44.

CANÇADO, M.; AMARAL, L.; AMORIN, E.; VELOSO, A.; MELLO, H. Subjetividade em correções de redações: detecção automática através de léxico de operadores de viés linguístico. Linguamática, Braga, v. 12, n. 1, p. 63-79. 2020. DOI: https://doi.org/10.21814/lm.12.1.313.

CANTARIN, M.; BERTUCCI, R. A.; ALMEIDA, R. C. de. A análise do texto dissertativo-argumentativo. In: GARCEZ, L. H.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores, Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017. p. 81-91.

CASSIRER, E. Ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

COROA, M. L. O texto dissertativo-argumentativo. In: GARCEZ, L. H. do C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017. p. 59-71.

CORPUS do Português. Disponível em: https://www.corpusdoportugues.org/. Acesso em: 30 set. 2020.

COSTA, J. de R. O.; GUEDES, M. A. A avaliação dos indícios de autoria. In: GARCEZ, L. H. do C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017. p. 101-108.

CUPANI, A. Filosofia da tecnologia: um convite. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

FELPI, L. (org.). Cartilha redação a mil. 2019. Disponível em: https://www.lucasfelpi.com.br/redamil. Acesso em: 1 out. 2020.

FELPI, L. (org.). Cartilha redação a mil 2.0. 2020. Disponível em: https://www.lucasfelpi.com.br/redamil. Acesso em: 1 out. 2020.

FINATTO, M. J. B. Apresentação: descrição dos gêneros textuais/discursivos com apoio computacional. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 11, n. 2, p. 282-288. 2017. DOI: https://doi.org/10.14393/DL29-v11n2a2017-1.

FIORIN, J. L. Argumentação. São Paulo: Contexto, 2017.

FREITAS, H. C.; MARRA, M. N. A. Tipos de argumentos utilizados nos anúncios publicitários das Havaianas. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 10, n. 1, p. 304-329, 2016. DOI: https://doi.org/10.14393/DL21-v10n1a2016-16.

GARCEZ, L. H. do C. Gênero e tipo de texto. In: GARCEZ, L. H. do C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativos-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017a. p. 51-58.

GARCEZ, L. H. do C. O ensino de redação. In: GARCEZ, L. H. do C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativos-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017b. p. 275-279.

GARCEZ, L. H. C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativo-argumentativos: subsídios para a qualificação de avaliadores. Brasília: Inep, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484421/TEXTOS+DISSERTATIVO+ARGUMENTATIVOS/7809ef0d-5a4a-4c24-9a03-9db15e0bdacf?version=1.0. Acesso em: 28 set. 2020.

INEP disponibiliza material inédito sobre correção da redação do Enem. Portal do MEC, Brasília, 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pronatec/oferta-voluntaria/418-noticias/enem-946573306/90611-inep-disponibiliza-material-inedito-sobre-correcao-da-redacao-do-enem. Acesso em: 28 set. 2020.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LIMA, L. I. Mapeamento semântico da construção de autoria no Ensino Médio. 2019. 163f. Tese (Doutorado em Letras) - Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, 2019. Disponível em: http://www.prppg.ufpr.br/siga/visitante/trabalhoConclusaoWS?idpessoal=29931&idprograma=40001016016P7&anobase=2019&idtc=1533. Acesso em: 01 out. 2020.

MAGALHÃES, M. M. A argumentação em redações escolares. In: SILEL – SIMPÓSIO NACIONAL E INTERNACIONAL DE LETRAS E LINGUÍSTICA, 2013, Uberlândia. Anais... Uberlândia: EDUFU, 2013, p. 1-13. Disponível em: http://www.ileel.ufu.br/anaisdosilel/wp-content/uploads/2014/04/silel2013_645.pdf. Acesso em: 8. Jun. 2020.

OLIVEIRA, F. C. C. de. Um estudo sobre a caracterização do gênero redação do ENEM. 2016. 166f. Tese (Doutorado em Linguística) – Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, 2016.

OLIVEIRA, W. R. de. Planejamento de escrita em meio digital e analógico. 2018. 175f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) - Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2018. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/3319. Acesso em: 1 out. 2020.

OLIVEIRA, M. I. S.; CABRAL, A. L. T. Política de Língua Portuguesa para o ensino de Redação no nível médio da educação brasileira: o texto argumentativo dos PCN’s à redação do Enem. Verbum, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 6-30. 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/verbum/article/view/30274. Acesso em: 1 out. 2020.

PADILHA, M. P. O papel modalizador dos adjetivos em redações do Enem. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Em preparação.

PAIVA, R. I. de S. Redações nota mil no ENEM: um estudo analítico da massificação se sua estrutura e conteúdo. 2020. 132f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/29929. Acesso em: 1 out. 2020.

PEIXOTO, J. dos S. A avaliação do emprego de operadores e conectivos argumentativos. In: GARCEZ, L. H. do C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativos-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017. p. 163-171.

PEREIRA, K. A. P. L. A contribuição de um analisador automático para a caracterização de gêneros textuais. 2018. 83f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Letras) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2018. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/11580. Acesso em: 1 out. 2020.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

PINHEIRO, C.; CORTEZ, J. Teorias da argumentação na prova de redação do ENEM. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 20, n. 1, p. 61-80. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.15210/rle.v20i1.15215. Acesso em: 1 out. 2020.

RASO, T.; MELLO, H. (org.). C-ORAL-BRASIL I: corpus de referência do português brasileiro falado informal. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

SANDOVAL, A. N.; ALCÂNTARA, S. S.; ZANDOMÊNICO, S. C. M. de R. Notas sobre a avaliação de desvios de registro. In: GARCEZ, L. H. do C.; CORRÊA, V. R. (org.). Textos dissertativos-argumentativos: subsídios para qualificação de avaliadores. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2017. p. 29-35.

SARDINHA, T. B. Corpus Linguistics: History and problematization. DELTA, São Paulo, v. 2, n. 16, p. 323–367, 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44502000000200005. Acesso em: 26 abr. 2018.

SILVA, N. S. Análise textual mediada por ferramenta computacional: um estudo sobre redações estilo Enem. 2018. 73f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Letras) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2018.

TROPES. Semantic-Knowledge: text analysis, qualitative analysis & text mining. [s.d.]. Disponível em: https://www.semantic-knowledge.com/tropes.htm. Acesso em: 30 jun. 2018.

VIEIRA PINTO, Á. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

WACHOWICZ, T. C. Análise linguística nos gêneros textuais. Curitiba: Intersaberes, 2010.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2020 Roberlei Alves Bertucci

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional