Um estudo diacrônico sobre a polaridade negativa no sintagma nominal: o caso do indefinido “algum” naformação do IPN [N + algum] / A Diachronic Study of Negative Polarity in Nominal Phrases: the Case of the Indefinite “Some” in the Formation of IPN [N +algum (Some)]

Cristiane Namiuti, Fernanda Gusmão Silva

Abstract


Resumo: O presente artigo trata da posposição do indefinido “algum” em relação ao nome substantivo para instanciar a polaridade negativa no sintagma nominal na diacronia da língua portuguesa, buscando compreender: (i) a natureza da estrutura [N+algum] em textos portugueses do século XVI, XVII, XVIII e XIX, e em textos brasileiros do século XIX; e (ii) o processo de gramaticalização da estrutura como um Item de polaridade Negativa (IPN) na história da língua. Verificou-se que a estrutura [N+algum], com inversão, nos séculos XVI e XVII, Português Clássico (PCL), podia ser usada com valor não negativo e que outros elementos podiam ocorrer no interior do sintagma nominal, inclusive com a possibilidade da flexão e não adjacência entre o nome e o indefinido. Tais fatos corroboraram a hipótese de que no PCL a estrutura [N+algum] não estava gramaticalizada como um IPN e o valor negativo era valorado pela presença de um operador de negação sentencial, preposição ou conjunção negativa em domínio sintático superior. Conclui-se que o indefinido no PCL realiza o núcleo da categoria determinante (D) mesmo nas estruturas com inversão, sendo estas derivadas do movimento da parte lexical do sintagma à posição de especificador do sintagma determinante (DP, do inglês Determiner Phrase) fato que contempla as propriedades de categoria D de “algum” no PCL.

Palavras-chave: sintagma nominal; indefinido “algum”; polaridade negativa.

Abstract: The present paper deals with the posposition of the indefinite “algum” (some) in relation to the noun to instantiate the negative polarity in the nominal phrase in the Portuguese language diachrony, seeking to understand: (i) the nature of the structure [N+algum] in sixteenth-, seventeenth-, eighteenth- and nineteenth-century Portuguese texts, and in nineteenth-century Brazilian texts; and (ii) the process of grammaticalization of the structure as a Negative Polarity Item (IPN, in Portuguese Item de Polaridade Negativa) in the history of the language. It has been found that the structure [N+algum], with inversion, in the 16th and 17th centuries, Classical Portuguese (PCL, in Portuguese Português Clássico), could be used with non-negative value and that other elements could occur in a noun phrase (NP), including the possibility of inflection and non-adjacency between the noun and the indefinite. Such facts supported the hypothesis that in PCL the structure [N+algum] was not grammaticalized as an IPN and the negative value was valued by the presence of a sentential negation operator, preposition or negative conjunction in a higher syntactic domain. It has been concluded that the indefinite in PCL is a determiner (D) even in structures with inversion, these being derived from the movement of the lexical part of the phrase to the specifier position of Determiner Phrase (DP) a fact that contemplates the D properties of “algum” in PCL.

Keywords: noun phrase; indefinite “algum”(“some”); negative polarity


Keywords


Sintagma Nominal; Indefinido 'algum'; Polaridade Negativa

References


BAKER, M. Incorporation: a theory of grammatical function changing.

Chicago: University Chicago Press, 1988.

BRITO, A. M. Categorias Sintáticas. In: MATHEUS, M. H. M. et al. (orgs). Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa : Caminho, 2003. p. 325-432.

CHOMSKY, N. The Minimalist Program. Cambridge: MIT Press, 1995.

GALVES, C.; NAMIUTI, C.; PAIXÃO DE SOUSA, M. C. Novas perspectivas para antigas questões: revisitando a periodização da língua portuguesa. In: ENDRUSCHAT, A.; KEMMLER, R.; SCHAFER-PRIEß, B. (orgs.) Grammatische Strukturen des europäischen Portugiesisch: Synchrone and diachrone Untersuchungen zu Tempora, Pronomina, Präpositionen und mehr. Tübingen: Calepinus Verlag, 2006. p.45-74.

GALVES, C.; ANDRADE, A.; FARIA, P. Tycho Brahe Parsed Corpus of Historical Portuguese. Campinas, s/d. Disponível em: URL: http://www.tycho.iel.unicamp.br/~tycho/corpus/

KROCH, A. Reflexes of grammar in patterns of language change. In: LABOV, W.; CACOULLOS, R. T. (eds.). Language Variation and Change. Cambridge: Cambridge University Press, 1989. p. 199 - 244.

MARTINS, A. M. Aspectos da negação na história das línguas românicas. Da natureza de palavras como nenhum, nada, ninguém. In: CASTRO, I. (org.). Actas do XII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística: Linguística Histórica e História da Linguística. Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística, 1996. p. 179-210.

MARTINS, A. M. Mudança Sintática. Clíticos, negação e um pouquinho de Scrambling. Estudos Lingüísticos e Literários, Salvador, n. 19, p. 129-162, 1997.

MARTINS, A. M. Polarity Items in Romance: underspecification and lexical change. In: PINTZUK, S.; TSOULAS, G.; WARNER, A. (ed.). Diachronic syntax: models and mechanisms. Oxford/New York: Oxford University Press, 2000. p. 191- 219.

MARTINS, A. M. Introdução: O português numa perspetiva diacrónica e comparativa. In: MARTINS, A. M.; Carrilho, E. (orgs.). Manual de Linguística Portuguesa. Berlin/Boston: De Gruyter, 2016. p. 1-39.

MARTINS, A. M. Ordem de Palavra e Polaridade: Inversão Nominal Negativa com algum/ alguno e nenhum. 29. ed. Lisboa: Universidade do Minho, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10451/31174. Acesso em: 31 ago. 2021.

MEILLET, A. L”évolution des formes grammaticales. In: MEILLET, A. Linguistique historique et linguistique générale. Paris: Champion, 1948. p. 130-148.

MIOTO, C. Negação Sentencial no Português Brasileiro e Teoria da Gramática. 1991. 244 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de

Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 1991.

NAMIUTI, C. Aspectos da história gramatical do português: interpolação, negação e mudança. 2008. 309 f. Tese (Doutorado em linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

PINTO, C. Para a história da negação: o minimizador “homem” no português antigo. Estudos de lingüística galega, v. 7, p. 109-123, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.15304/elg.7.2335.

SANTOS, J. V.; NAMIUTI, C. DOVIC (Documentos Oitocentistas de Vitória da Conquista e região). Corpora Eletrônico. Vitória da Conquista: UESB, 2014.

SILVA, F. G. O indefinido “algum” na formação do IPN [N+algum] na história da língua portuguesa: um estudo diacrônico sobre a polaridade negativa no sintagma nominal. 2021. 98f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, 2021.

ZANUTTINI, R. Syntactic properties of sentential negation. A comparative study of Romance languages. Philadelphia: University of Pennsylvania, 1991




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.0.0.%25p

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2022 Cristiane Namiuti, Fernanda Gusmão Silva, Fernanda Gusmão Silva

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional